Financeirização na cidade: como gerir necessidades locais e interesses dos mercados globais?

Margarida Pereira

Resumo


O artigo aborda o processo de financeirização da cidade, associado à liberalização da circulação do capital e à desregulação do sistema financeiro desde os anos 1980. A oposta no setor imobiliário provoca mudanças na estruturação da cidade, através de: mega-projetos de regeneração urbana, operações pontuais de regeneração urbana, urbanização intensiva e em extensão, privatização ou contratualização das funções de reprodução social. As intervenções, focadas na rápida acumulação de mais-valias, acentuam a segregação socio-espacial. Portugal é particularmente influenciado pelas lógicas do desenvolvimento urbano neoliberal. Enquadrado pelo planeamento territorial e outras políticas públicas setoriais (em particular a infraestruturação massiva do território e a política de aquisição de casa própria), o crescimento urbano está suportado numa expansão extensiva e operações de regeneração urbana, a par da degradação e abandono de edificado nas áreas urbanas consolidadas (com sub-utilização de infraestruturas e aumento de alojamentos vazios).
A reprodução do capital ocorre por três vias: a classificação e qualificação do solo em que se apoia o zonamento, a política de apoio à aquisição de casa própria e a infraestruturação pública massiva financiada pelos fundos estruturais. A persistência deste modelo, cada vez mais desligado das dinâmicas socio-económicas locais, gera uma oferta de solo urbano, de redes de infraestruturas e de alojamentos muito superior à procura efetiva.
A crise iniciada em 2008, indissociável das “bolhas imobiliárias”, enfatiza o sobredimensionamento do urbano e os problemas associados ao crédito para habitação (a banca perde liquidez, muitos devedores são forçados a abdicar da sua propriedade através de execuções hipotecárias). O excesso de áreas urbanas, a escassez de recursos públicos e o declínio demográfico previsto para as próximas décadas impõem repensar o planeamento urbano. Tradicionalmente vocacionado para atuar em contextos de crescimento demográfico e económico, tem agora de agir num quadro restritivo e gerir o “desperdício urbano”. A mudanças de paradigma é necessária, apontando-se algumas linhas prioritárias de atuação.


Palavras-chave


processo de urbanização; reestruturação urbana; imobiliário; especulação; planeamento urbano

Texto Completo:

PDF

Referências


Brenner, N. et al. (2015). Urbanismo neoliberal. La ciudad y el imperio de los mercados in Observatorio Metropolitano de Madrid (ed.) El mercado contra la ciudad. Sobre globalización, gentrificación y políticas urbanas. Madrid: Edición Traficantes de Sueños.

Campos, V; Catita, A.; Pinho, A.; Vilares, E. (2012). A programação estratégica e operacional na nova geração de Planos Directores Municipais, Encontro Anual da Ad Urbem 2012 – A Programação na Gestão Territorial.

Fernández de Córdoba, M. (2014). Introducción a la teoría de la planificación territorial. Sevilha: Universidad de Sevilla.

Gaffney, M. (2009). After de Crash: Designing a Depression–Free Economy. Chichester: Wiley-Blackwell.

Harvey, D. (2005). A Brief History of Neoliberalism. Oxford: Oxford University Press.

Herce, M. (2013). El negocio del territorio. Evolución y perspectivas de la ciudad moderna. Madrid: Alianza Editorial.

Mendes, M.F.; Rosa, M.J.V. (2012). Projeções 2030 e o Futuro. Lisboa: FFMS.

Nel-lo, O. (2015). La Ciudad en Movimiento. Madrid: Díaz & Pons Editores.

Pereira, M.; Pato, I. (2014). Problemas de habitación en el cuadro recesivo tras 2008 en Portugal y España, Ciudad y Territorio. Estudios Territoriales, Vol. XLVI, 180 (verano), pp. 291-305.

Sassen, S. (2016) The Global City: Enabling Economic Intermediation and Bearing Its Costs, City & Community 15:2 ,June, 97-108 doi: 10.1111/cico.12175.

Swyngedouw, E. et al. (2002). Neoliberal Urbanization in Europe: Large-Scale Urban Development Projects and the New Urban Policy, Antipode, vol. 34, Issue 3, july, pp. 542-577.