Teoria Situacional do Discurso baseada em Valores

César Neto, Nuno da Silva Jorge

Resumo


Vivemos num mundo cada vez mais heterogéneo, onde
os riscos de conflitos culturais são eminentes. O mundo
está em mudança e pessoas de diversas culturas, formas
de estar e mentalidades partilham o mesmo espaço (cf.
Ravazzani, 2006). Apesar de existir homogeneidade ao
nível de alguns valores de referência transacionais, existe
também uma maior noção da existência da diversidade
de valores.
É essencial que os Profissionais de Comunicação
compreendam os valores dos seus stakeholders, de
forma a alinharem, estrategicamente, a comunicação
das organizações. De um ponto de vista social, os valores
assumem um papel fundamental nas relações humanas
e, do nosso ponto de vista, a sua compreensão, essencial
para uma comunicação eficaz, apenas é possível quando
conhecemos e percebemos a base desses sistemas de
valores, os quais determinam as atitudes e ações dos seres
humanos em relação a determinado assunto ou objeto.
Os resultados preliminares da nossa pesquisa sobre
os valores, revelaram que estes podem assumir uma
tipologia de Absolutos ou Relativos, podendo apresentar
diferentes posições na arena de significados onde a
compreensão se desenvolve. Estas diferentes posições
podem originar quatro tipos diferentes de conflito – paz,
turbulência, ofensivo e defensivo –, sendo que a estratégia
de comunicação de uma organização deve ter o tipo de
conflito em conta.
Neste sentido, este artigo apresenta uma tipologia de
atuação estratégica que, compreendendo as estruturas
valorativas que se desenvolvem em sociedade, permite
aos Profissionais de Comunicação compreender cada tipo
de conflito e atuar sobre ele. O nosso trabalho apresenta
um quadro conceptual que fornece indicações sobre
como atuar em cada tipo de conflito, abrindo caminho
para aquilo que apelidamos de Teoria Situacional do
Discurso baseada em Valores. Construído com base
numa conceção sociológica sobre a noção de Valores,
ao modelo é aplicado a noção de Valores Perelmaniana,
sendo que na interseção das duas podemos construir as
linhas estratégicas a adotar de forma a lidar com cada
tipo de conflito.
Este artigo tem implicações para o estudo Sociológico
da Comunicação, uma vez que fornece orientações sobre
como as organizações podem comunicar estrategicamente
na Arena de Significados, onde os Valores assumem
diferentes tipos de conflitos, com o intuito de estarem
tão perto quanto possível de uma conceção universal dos
mesmos. Tem ainda implicações no mundo académico,
uma vez que explora a importância dos Valores na
compreensão social do mundo por parte das organizações
e na sua orientação estratégica.


Texto Completo:

PDF

Referências


Aristotle (1932). The rhetoric of Aristotle (L. Cooper, Trans.). Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall.

Aula, P., & Mantere, M. (2008). Strategic Reputation Management. New York, Routlege.

Bostdorff, D. M., & Vibbert, S. L. (1994). Values advocacy: Enhancing organizational images, deflecting

public criticism, and grounding future arguments. Public Review, 20, pp. 141-158.

Cheney, G., & McMillan, J. (1990). Organizational rhetoric and the practice of criticism. Journal of Applied

Communication Research, 18(2), pp. 93-114.

Curtin, P.A., & Gaither, T.K. (2007). International Public Relations: negotiating culture, identity, and power. London, Sage Publications.

Descartes, R. (1998). Discourse on Method. Indianapolis, Hackett Publishing Company.

Dumont, L. (1986). Essays on individualism: modern ideology in anthropological perspective. Chicago, University of Chicago Press.

Dupréel, E. (1948). Sociologie générale. Paris, Presses Universitaires de France.

Eiró-Gomes, M. (2005). Communication as Understanding, Proceedings of the Second World. Public Relations Festival “Communicating for Diversity, with

Diversity, in Diversity”

Ferguson (1999). Communication Planning. London, SAGE Publications.

Festinger, L. (1962). A theory of cognitive dissonance. Standford, CA: Standford University Press.

Freitag, A. R. & Stokes, A. Q. (2009). Global Public Relations, Spanning borders, spanning cultures. New York, Routledge.

Grunig, J. E. & Hunt, T. (1984). Managing Public Relations. New Jersey, Lawrence Erlbaum Associates.

Hearit, K. M. (1995). “Mistakes were made”: Organizations, apologia, and crises of social legitimacy. Communication Studies, 46, pp. 1-17.

Heider, F. (1946). Attitudes and cognitive organization. Journal of Psychology, 21, pp. 107-112.

Hoffman, Mary F. & Jord, Debra J. (2010). Organizational Rhetoric: situations and strategies. London, SAGE Publications Ltd.

Hofstede, G. et al. (1996). Cultures and Organizations: Software for the Mind. New Jersey, McGraw-Hill.

Lyotard, J. (1991). The Inhuman: reflections on time. Oxford, Blackwell Publishers.

Mitchell, A. (1983). The nine american lifestyles: Who we are and where we are going. New York, Macmillan.

Perelman, C. & Olbrechts-Tyteca, L. (2007). Tratado de Argumentação. Lisboa, Instituto Piaget.

Ravazzani, S. (2006). Communicating for Diversity, with Diversity, in Diversity - Main Implications and Summary of the Contents. Institute for Public Relations.

Rokeach, M. (1973). The nature of human values. New York, Free Press.

Saint Augustine (Bishop of Hippo.) & Williams, T. (1993). On Free Choice of the Will. Indianapolis, Hackett

Publishing Company.

Taylor, C. et al. (1994). Multiculturalism: Examining the Politics of Recognition. New Jersey, Princeton University Press.

Ting-Toomey, S. (1999). Communicating Across Cultures. New York, The Guilford Press.

Vauclair, C. M. (2009). Measuring Cultural Values at the Individual-Level: Considering Morality in Cross-

Cultural Value Research. North America: Revista de Administração Mackenzie.

Viana, N. (2007). Os valores na sociedade moderna. Brasília, Thesaurus.

Weber, M. (1998). “Politics as a Vocation”, in Weber, M. (ed.), From Max Weber: essays in Sociology. New

York, Routledge, pp. 77-128.

Wittgenstein, L. (2001). Philosophical Investigations. Oxford, Blackwell Publishing.