Os novos media como mediadores e potenciadores de relações intergeracionais

Ana Melro, Lídia Oliveira

Resumo


Quer o nascimento dos indivíduos tenha ocorrido na
altura do surgimento da televisão, do computador ou do
telemóvel, todos eles representam um papel diferente
nas suas atividades quotidianas, percecionados como
imprescindíveis na medida em que são considerados
como necessários para manter contacto com os pares ou
familiares, como forma de entretenimento, para trabalhar
ou estudar, etc.
A utilização dos novos media ocorre de forma transversal
aos contextos e tempos sociais, mas também às relações,
quer sejam as estabelecidas entre indivíduos pertencentes
à mesma geração ou a gerações diferentes. É sobre
estas em particular que se debruça o interesse desta
comunicação. Pretende-se refletir sobre a mediação e até a
potenciação que os media elaboram para a e na ocorrência
das relações intergeracionais, mais concretamente, as
relações familiares entre pais, filhos e avós, residentes em
meio rural. Com esse objetivo, analisam-se os inquéritos
por questionário aplicados no território rural português
(Continente e Ilhas) no ano de 2012, no âmbito da tese
de doutoramento “Gerações de ecrã em meio rural”,
desenvolvida na Universidade de Aveiro e na Faculdade
de Letras da Universidade do Porto.


Palavras-chave


novos media; relações intergeracionais; meio rural português

Texto Completo:

PDF

Referências


Almeida, A. N. de, Delicado, A., Alves, N. de A., & Carvalho, T. (2011). As crianças e a internet: relatório

da 2a fase de trabalhos - entrevistas a crianças, pais e professores. Lisboa: Instituto de Ciências Sociais da

Universidade de Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian. Retirado de http://www.crinternet.ics.ul.pt/icscriancas/

content/documents/rel_final.pdf (acedido a 11 de setembro de 2013).

Bauman, Z. (2000). Liquid Modernity. Cambridge: Polity Press.

Cardoso, G. (2009). Do Quarto de Dormir para o Mundo. Lisboa: Âncora Editora.

Castela, A., & Garcia, A. (Coord). (2005). Tecnologias da Informação e da Comunicação no Espaço Rural - Fiat

Lux. Castelo Branco: Instituto Politécnico de Castelo Branco.

Eisenstadt, S. N. (1976 [1956]). De Geração a Geração. Estudos (Vol. 41). São Paulo: Editora Perspectiva.

Figueiredo, E. (2011). Introdução: Um rural cheio de futuros? In E. Figueiredo (Ed.), O Rural Plural - olhar o

presente, imaginar o futuro (1a ed., pp. 13–46). Castro Verde: 100 Luz.

Figueiredo, E., & Ferrão, P. (2007). O conhecimento não cresce nas árvores: os desafios da sociedade

do conhecimento e o mundo rural em Portugal. III Congresso de Estudos Rurais. Faro: Universidade

do Algarve. Retirado de http://aveiro.academia.edu/ElisabeteFigueiredoProfessor/Papers/100401/O_

conhecimento_nao_cresce_nas_arvores_os_desafios_da_sociedade_do_conhecimento_e_o_mundo_rural_em_Portugal (acedido a 11 de setembro de 2013).

INE (2012). Anuário Estatístico de Portugal 2011. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística. Retirado

de http://www.ine.pt/ngt_server/attachfileu.jsp?look_parentBoui=152751680&att_display=n&att_download=y (acedido a 11 de setembro de 2013).

Jorge, A., Brites, M. J., & Francisco, K. (2011). Contactar, entreter, informar: um retrato da inclusão digital de

jovens e seus familiares em Portugal. Observatorio (OBS*), 5(3), 101–131. Retirado de http://obs.obercom.

pt/index.php/obs/article/view/479/449 (acedido a 11 de setembro de 2013).

Lévy, P. (1997[1994]). A Inteligência Colectiva. Para uma Antropologia do Ciberespaço. Epistemologia e Sociedade. Lisboa: Instituto Piaget.

Mead, M. (1970). Conflito de Gerações. (Vol. 11). Lisboa: Publicações Dom Quixote.

Osório, A. (2005). E-learning em escolas rurais ou isoladas. Xornadas da Sociedade da Iinformación en Espácios Periféricos. Santiago de Compostela:

Universidade de Santiago de Compostela. Retirado de http://hdl.handle.net/1822/5665 (acedido a 11 de setembro de 2013).

Pinto, M. (2000). A televisão no quotidiano das crianças. Porto: Edições Afrontamento.

Prensky, M. (2001a). Digital Natives, Digital Immigrants Part 1. On the Horizon, 9(5), 1–6. Retirado de http://www.marcprensky.com/writing/prensky - digital natives, digital immigrants - part1.pdf (acedido a 11 de setembro

de 2013).

Prensky, M. (2001b). Digital Natives, Digital Immigrants Part 2: Do They Really Think Differently? On the Horizon,

(6), 1–6. Retirado de http://www.marcprensky.com/writing/prensky - digital natives, digital immigrants - part2.pdf (acedido a 11 de setembro de 2013).

Prensky, M. (2009). H. Sapiens Digital: From Digital Immigrants and Digital Natives to Digital Wisdom. Innovate. Miami: Fischler School of Education and

Human Services. Retirado de http://innovateonline.info/pdf/vol5_issue3/H._Sapiens_Digital-__From_Digital_Immigrants_and_Digital_Natives_to_Digital_Wisdom.

pdf (acedido a 11 de setembro de 2013).

Rivoltella, P. C. (2010). La screen generation: media, culture e compiti dell’educazione. Cittadini in Crescita,

(2), 5–9. Retirado de http://www.minori.it/files/cittadini_in_crescita_2_2010_0.pdf (acedido a 11 de setembro de 2013).

Salovaara, A., Lehmuskallio, A., Hedman, L., Valkonen, P., & Näsänen, J. (2010). Information technologies and

transitions in the lives of 55-65-year-olds: The case of colliding life interests. International Journal of Human-Computer Studies, 68, 803–821.

Santos, B. de S. (n.d.). A Crítica da Razão Indolente: contra o desperdício da experiência. (4a ed., Vol. 1). São

Paulo: Cortez.

Scott, P. (2010). Gerações e famílias: Polissemia, mudanças históricas e mobilidade. Revista Sociedade e Estado, 25(2), 251–284. Retirado de http://www.scielo.br/pdf/se/v25n2/06.pdf (acedido a 11 de setembro de 2013).

Teixeira-Botelho, I. (2011). Geração Extreme. Lisboa: Edições Sílabo.

Toffler, A. (1980). The Third Wave. Nova Iorque: William Morrow.

Turkle, S. (1997). La vida en la pantalla. La construcción de la identidad en la era de Internet. Barcelona:

Ediciones Paidós Ibérica.

Villar, F. (2007). Intergenerational or Multigenerational? A Question of Nuance. Journal of Intergenerational

Relationships, 5(1), 115–117.

White, D. S., & Cornu, A. Le. (2011). Visitors and Residents: A new typology for online engagement. First Monday, 16(9). Retirado de http://firstmonday.

org/htbin/cgiwrap/bin/ojs/index.php/fm/article/view/3171/3049 (acedido a 11 de setembro de 2013).