A comunicação da liderança: estudo de caso numa empresa brasileira de engenharia consultiva

Cibelli Pinheiro de Almeida

Resumo


Ao longo dos anos, os métodos e formas de comunicar
e administrar pessoas inseridas nas organizações são
modificadas e adaptadas para as novas necessidades
que surgem todos os dias. As organizações não mais
se limitam às suas bases tradicionais e começam a
observar as transformações que ocorrem no ambiente.
Nesta trajetória evolutiva as pessoas passam a ser o
diferencial nas organizações. Começa, então, a se falar na
humanização do ambiente de trabalho e na comunicação
como fator humanizador destas relações. Contudo,
percebe-se ainda que existe uma realidade paradoxal.
Ao mesmo tempo que as condições de trabalho avançam
para um maior incentivo e envolvimento do trabalhador,
os princípios voltados para autonomia, cooperação e
valorização do trabalhador não condizem com a conduta
diária das organizações (Oliveira & Paula, 2008: 13). O
que ocorre muitas vezes é uma comunicação baseada
nos modelos tradicionais (taylorista) em contraposição
aos modelos considerados ideais (relações humanas).
O modelo clássico tradicional segue rigorosamente a
estrutura hierárquica da organização, é fundamentada
no detentor do poder e seus prepostos. Seu enfoque é na
transmissão da mensagem, consiste em apenas informar
sobre fatos e acontecimentos, possui objetivos meramente
operacionais e caracteriza-se como uma comunicação
fria, impessoal e incompleta (França & Leite, 2007: 25).
Já na concepção relacional, a comunicação flui em todos
os sentidos, é clara, transparente e compartilhada. É
realizada de forma coordenada, integrada e participativa,
seu enfoque é no entendimento, na compreensão do
significado da mensagem e no relacionamento entre
as pessoas. Caracteriza-se por ser uma comunicação
mais pessoal, baseada no diálogo e na confiança mútua
(Almeida, 2003: 51-52).
Nessa perspectiva e considerando tanto os fluxos
informacionais como relacionais, analisaremos neste
estudo a comunicação dos gestores de uma organização
brasileira de engenharia consultiva. Como ponto de
partida teremos a seguinte questão: como se caracteriza
o processo de comunicação da liderança da empresa?
Além da fundamentação teórica e revisão bibliográfica,
esta investigação inclui a aplicação de um questionário
aos colaboradores da empresa, visando compreender
a comunicação entre gestores e subordinados. De
acordo com uma amostra pré-definida e representativa,
pesquisamos 504 colaboradores dos níveis estratégico,
tático, operacional e de apoio, localizados na sede,
escritórios regionais e nos contratos da empresa em
estudo. No questionário realizamos perguntas voltadas
para o aspecto informacional e relacional. Após análise
dos resultados foi possível observar que a Comunicação
da Liderança, de uma forma geral, é considerada boa
pelos seus liderados, no sentido relacional, tida como
integrada e participativa. No que se refere ao fluxo
informacional, apesar da maioria dos colaboradores
receberem do gestor informações necessárias para
realização do trabalho, mais da metade deles não recebem
feedback sistemático do gestor sobre sua performance.
Percebe-se assim, a ausência de interatividade na
comunicação da liderança, pelo fato do gestor não manter
os colaboradores informados sobre o seu desempenho.
Nossa intenção com esta pesquisa é compreender melhor
o processo comunicativo dos líderes organizacionais
e contribuir para os estudos e práticas de gestão da
comunicação nas organizações.


Palavras-chave


comunicação; liderança; gestão de pessoas

Texto Completo:

PDF

Referências


Almeida, Vítor. (2003). A comunicação interna na empresa. Lisboa: Áreas Editoras S.A.

Bahia, B. J. (1995). Comunicação Empresarial. Rio de Janeiro: Mauad.

Bavelas, A. (1977). Liderança: o Homem e a Função. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Chiavenato, Idalberto (1999). Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Campus.

Duluc, Alain (2000). Liderança e confiança – desenvolver o capital humano para organizações competitivas. Tradução Maria Ludovina Figueiredo. Lisboa: Instituto

Piaget.

França, F. e Leite, G. (2007). A comunicação como estratégia de recursos humanos. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Kunsch, Margarida K. Krohling (2010). “A dimensão humana da comunicação organizacional”. In: KUNSCH, Margarida M. K. A Comunicação como fator de humanização das organizações. V.3. São Caetano:

Difusão Editora.

Noronha, Eduardo G. (2000). O Modelo legislado de relações de trabalho no Brasil. Revista de ciências sociais, Rio de Janeiro, v.43, n. 2, p.241-290.

Oliveira, I. L. e Paula, M. A. (2008) O que é comunicação estratégica nas organizações? 2ª ed. Ed. Paulus, São Paulo.

Mussak, Eugênio (2010). Gestão humanista de pessoas – o fator humano como diferencial competitivo. Rio de Janeiro: Elsevier.

Pinheiro, Cibelli e Tourinho, Tânia (2012). Você confia no seu líder? Liderança baseada na confiança e confiança baseada na comunicação. Rio de Janeiro: Editora

Qualitymark.

Rego, Arménio (1999). Comunicação nas organizações – teoria e prática. Lisboa: Edições Sílabo.

Rego, Arménio (1998). Liderança nas organizações – teoria e prática. Aveiro: Universidade.

Ruão, T. (1999). A comunicação organizacional e a gestão de recursos humanos: evolução e atualidade. Cadernos do Noroeste, vol. 12, n 1-2, pp. 179-194. CCHS

– Centro de Ciências Históricas Sociais, Universidade do Minho, Braga.

Schermerhorn, Jr., Hunt, J. G., Osborn, R. N. (1999). Trad. Sara Rivika Gedanke. Fundamentos de comportamento organizacional. 2ª ed. Porto Alegre: Bookman.

Strocchi, M.C. (2007). Psicologia da comunicação: manual para estudo da linguagem publicitária e das técnicas de venda. São Paulo: Paulus.

Toledo, F. e Milioni B. (1989). Dicionário de recursos humanos. 3a ed., Ed. Atlas, São Paulo, 1989.

Tourinho, N (1982). Chefia, Liderança e Relações Humanas. Ed. Ibrasa, São Paulo.

Wagner III, John A.; Hollenbeck, John R. (2002). Comportamento organizacional: criando vantagem competitiva. São Paulo: Saraiva.

Wolton, Dominique (1999). Pensar a Comunicação. Tradução: Vanda Anastacia. Algés – Portugal: Difel – Difusão Editorial.

Wolton, Dominique (2009). Informer N’Est Pas Communiquer de. Ano de edição ou reimpressão: 2009. Editor: CNRS. Idioma: Francês.