Relações públicas/ comunicação institucional/ comunicação corporativa: três designações para uma mesma realidade?

Mafalda Eiró-Gomes, Tatiana Nunes

Resumo


Pretende-se com este artigo, a partir de uma
revisão da literatura e das práticas profissionais,
discutir a validade e pertinência das designações
“Relações Públicas”, “Comunicação Institucional” e
“Comunicação Corporativa”. De forma transversal a
diferentes contextos linguísticos, a falta de consenso
conceptual sobre realidades disciplinares e profissionais
semelhantes, implica perdas significativas do ponto de
vista do reconhecimento público dos investigadores
e profissionais das áreas envolvidas. Defendemos o
conceito de Relações Públicas como uma disciplina
autónoma e como uma profissão com uma função
estratégica a desempenhar, que não se deixa subsumir
no conceito de Comunicação Institucional, este sim que
poderá ser entendido na língua portuguesa como sendo
idêntico ao de Comunicação Corporativa.


Palavras-chave


relações públicas; comunicação institucional

Texto Completo:

PDF

Referências


Andrews, P. H., & Herschel, R. T. (1996). Organizational communication : empowerment in a technological society. Boston: Houghton Mifflin Company.

Conrad, C., & Poole, M. S. (2002). Strategic Organizational Communication: In a Global Economy 5ª Edição. Australia: Wadsworth Publishing.

Cutlip, S., Center, A. H., & Broom, G. M. (1999). Effective Public Relations. 8ª Edição New Jersey: Prentice Hall.

Dozier, D. M., Grunig, L. A., & Grunig, J. E. (2001). “Public Relations as Communication Campaign”. In Hornik, Robert C. Public Communication Campaigns. 3ª Edição. Thousand Oaks, California: Sage Publications.

pp. 231-248.

Eiró-Gomes, M. (2006). Relações Públicas ou a Comunicação como Acção. Lição para o concurso de Professora Coordenadora, apresentado em Lisboa a 28 de Junho de 2006.

Henslowe, P. (1999). Public Relations - A Practical Guide to the Basics. London: The Institute of Public Relations.

Infopédia. (s.d.). Corporativismo. http://www.infopedia.pt/$corporativismo (acedido a 14 de Janeiro de 2011).

Jablin, F. M., & Putnam, L. (2001). The New Handbook of Organizational Communication: Advances in Theory, Research, and Methods London: Sage Publications.

Lesly, P. (1997). “The Nature and Role of Public Relations”. In Lesly, Philip - Lesly’s Handbook of Public Relations and Communications. 5ª Edição. Chicago:

Contemporary Books. pp. 3-19.

Pace, R. W., & Faules, D. F. (1993). Organizational communication. 3ª Edição New Jersey: Prentice Hall.

Prout, C. H. (1997). “Organisation and Function of the Corporate Public Relations Department”. In Lesly, Philip - Lesly’s Handbook of Public Relations and Communications. 5ª Edição. Chicago: Contemporary

Books. pp. 685-695.

Public Relations Society of America. (1982). Official Statement on Public Relations. http://www.prsa.org/AboutPRSA/Documents/Official Statement on PublicRelations.pdf (acedido a 17 de Fevereiro de 2011).

Richmond, V. P., McCroskey, J. C., & McCroskey, L. L. (2005). Organizational Communication for Survival: Making Work, Work. 3ª Edição. Boston, MA: Allyn &

Bacon.

Steyn, B., & Gustav, P. (2000). Corporate Communication Strategy. Sandown, South Africa: Heinemann.

Tench, R., & Yeomans, L. (2006). Exploring Public Relations. Harlow: FT Prentice Hall, Pearson Education.

White, J., & Mazur, L. (1995). Strategic Communications Management. Singapore: Addison-Wesley Publishing Company.

Wilcox, D. L., Cameron, G. T., & Xifra, J. (2006). Relaciones Públicas - Estrategias Y Tácticas. 8ª Edição. Madrid: Pearson Educación.