Os novos social media e a comunicação de crise

Lúcia de Fátima Viveiros Carvalho Silva Amaral da Piedade

Resumo


Com a proliferação dos novos media a comunicação de
crise tornou-se mais importante que nunca. Estes podem
ajudar ou prejudicar as organizações dependendo da
maneira como são usados, no entanto uma monitorização
e controle constante dos mesmos, proporcionam um
controle da imagem e reputação da organização.
Actualmente, as organizações não podem excluir o
recurso aos novos sociais media como uma ferramenta
fundamental nas comunicações das empresas com os
seus clientes, isto porque estes estão a tornar-se no
canal preferido para a disseminação de informação
e comunicação. Vivemos num mundo globalizado,
onde as informações adquiridas modificam atitudes e
comportamentos, as redes sociais transformaram a forma
como as pessoas e as empresas comunicam entre si, pois
permitem a partilha de informação em tempo real, com
pessoas fisicamente distantes, provocaram uma mudança
na forma e na velocidade de acesso à informação e ao
conhecimento, assim como a interacção entre as pessoas.
O problema lida com a relação entre as organizações
e os seus públicos, num contexto de mediação através
do computador, logo a utilização dos novos media
como uma nova forma de diálogo entre as organizações
e os stakeholders, permitindo o escrutínio imediato
das organizações por parte dos seus públicos (ativo e
interveniente), que poderão originar consequências numa
situação de crise, colocando em risco a reputação e até a
própria organização.
Com a participação dos novos media, as empresas podem
ter de alterar ou modificar a abordagem de decisões
tomadas, de modo a prevenir potenciais situações de
crise ou em caso de crise que tem como origem os novos
media, tomarem medidas adequadas, minimizando os
danos em termos de imagem.
Na comunicação de crise, existe a necessidade de
melhorar a eficiência da utilização dos novos media
sociais no sentido de ampliar o conteúdo informacional,
aproveitando os recursos disponibilizados pela
ferramenta, de modo a reduzir erros, na actualização do
conteúdo com o intuito de melhorar a sua eficácia para os
diversos públicos para os quais está destinado.


Palavras-chave


novos social media; comunicação de crise; gestão de comunicação de crise

Texto Completo:

PDF

Referências


Coombs,W.T. (1999). Ongoing crisis communication: Planning, managing, and responding. Los Angeles:Sage.

Fearn-Banks,K. (2011). Crisis Communications. A casebook approach. New-York, Routledge.

Hermann, C. (1993). «Some Consequences of crisis which limit the viability of organizations». Administrative Science Quarterly,8, 61-82. in Mendes,

A.M. & Pereira, F.C. (2006). Crises, de ameaças a oportunidades, Lisboa, Edições Sílabo.

Holmes, W. (2011). Crisis Communications and Social Media: Advantages, Disadvantages and Best Practices, University of Tennessee, Knoxville.

Mendes, A.M. & Pereira, F.C. (2006). Crises, de ameaças a oportunidades, Lisboa, Edições Sílabo.