O papel do Desporto na Sociedade: uma oportunidade para as Relações Públicas?

César Neto

Resumo


O presente artigo assenta na ideia de que o jogo,
nomeadamente o desporto, desempenha um papel
relevante na sociedade vigente. Baseado em revisão de
literatura de várias áreas científicas, pretende analisar-se
a relação entre desporto e sociedade. Toda esta análise
tem como objetivo perceber se o desporto, devido ao
seu papel na sociedade, pode ser uma mais-valia para a
comunicação das organizações.
O jogo e os seus princípios marcam profundamente os
tipos de sociedade, como também são influenciados pela
sociedade. Nem todos os jogos têm um papel civilizador,
mas a verdade é que continuam a ter uma grande
importância na sociedade (cf. Callois, [1958] 1990).
O jogo é de imensa importância para o jogador, mas
também para os espectadores, que o vivem tão ou
mais intensamente do que o jogador. Isto é visível
principalmente nos jogos que implicam aplicação,
conhecimento, habilidade, coragem e força, onde a tensão
sentida pelo jogador se transmite para o espectador (cf.
Huizinga, [1938] 2003).
Um exemplo deste tipo de jogo é o Desporto. O Desporto
envolve uma maior tensão devido ao elemento Agôn e
à presença constante do desejo de vitória. Quando se
compete, compete-se «por», «em» e «com» alguma coisa,
facto que afeta os atletas, mas também os espectadores
(cf. Huizinga, [1938] 2003).
Vivemos numa sociedade onde cada vez mais pessoas
utilizam uma parte considerável do seu tempo de lazer
a participar ou a assistir a confrontos desportivos, onde
cada vez mais pessoas sentem “prazer, quer como atores
ou espectadores, em provas físicas e confrontos de tensões
entre indivíduos ou equipas, e na excitação criada por
estas competições” (Elias, [1985] 1992: 40).
Para além disso, o facto de os atletas serem vistos
como heróis, adquire grande importância na sociedade
moderna. As funções míticas dos desempenhos
desportivos são a base [ou pelo menos fortalecem] da
força de atração do desporto para os atletas e o seu
fascínio para os espectadores. Este carácter mítico
atribuído aos desportistas e aos desempenhos desportivos
faz com que o Desporto exerça uma grande influência
social. O Desporto é visto como uma visão moderna das
lutas dramáticas e os atletas são vistos como heróis, com
os quais os espectadores se identificam (cf. Barthes in
Lenk, 1990).
Percebe-se assim o potencial comunicativo do Desporto.
O desempenho mais elevado conseguido apresenta um
fascínio e uma provação para todos, é algo apelativo e
que representa a superação e a corporificação do desejo
de eternidade e de deixar uma marca.
Entende-se que, tendo em conta a relevância social,
política e cultural do Desporto, este pode desempenhar
um importante papel nas estratégias de Relações Públicas.
Nesse sentido, este artigo abre então portas para que os
académicos e profissionais de Relações Públicas reflitam
sobre o papel e a importância que o Desporto pode ter
nas estratégias de Relações Públicas das organizações.


Palavras-chave


jogo; desporto; sociedade; relações públicas

Texto Completo:

PDF

Referências


Apel, Karl-Otto (2007) O Significado Ético do Desporto na perspectiva de uma Ética do Discurso Universalista. Ética e Responsabilidade: O problema da passagem

para a moral pós-convencional. Lisboa, Instituto Piaget, pp. 163-188.

Austin, M.W. (2013) Sport as a Moral Practice: An Aristotelian Approach. Royal Institute of Philosophy Supplement. Volume 73 - October 2013. Eastern Kentucky University, pp 29-43

Caillois, R. ([1958] 1990) Os Jogos e os Homens. Lisboa, Edições Cotovia.

Carrito, A.; Carvalho, A. M. (1988) Jogos Olímpicos: um tratamento interdisciplinar, Revista Horizonte – Revista de Educação Física e Desporto. Vol. V – nº 26 – Julho-

Agosto. Lisboa, pp. VIII a XII.

Coombs, W. T. e Holladay, S. J. (2007) It’s Not Just PR – Public Relations in Society. Malden, Blackwell Publishing.

Cutlip, S., Center, A. e Broom, G. (1985) Effective Public Relations. 6ªed. New Jersey, Prentice-Hall.

Garcia, R. P. (1994) Mito: seu significado e função na corrida da Maratona. Revista Horizonte – Revista de Educação Física e Desporto. Vol. XI – nº 62 – Julho-

Agosto. Lisboa, pp. 57-60.

Dunning, E. ([1985] 1992) Prefácio, A Busca Da Excitação. Lisboa, Difel – Difussão Editorial, pp. 11-38.

Elias, N. ([1985]1992) A Busca Da Excitação. Lisboa, Difel – Difussão Editorial.

Filipe, R.G. (2003) Introdução: Para uma geneologia do agôn em Nietzsche. A competição em Nietzcshe (Selecção de textos de Nietzsche sobre Agôn). Lisboa, Passagens,

pp. 7-38.

Grunig, J. E., Hunt, T. (1984) Managing Public Relations. New Jersey, Lawrence Erlbaum Associates.

Huizinga, J. ([1938] 2003) Homo Ludens. Lisboa, Edições 70.

Lenk, H. (1990) Princípio do desempenho produtivo e crítica do Esporte. Razão Pragmática: A filosofia entre a ciência e a praxis. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro,

pp. 145-168.

Lenk, H. (1990) Heracleico ou Prometéico? Elementos Míticos no Esporte. Razão Pragmática: A filosofia entre a ciência e a praxis. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro,

pp. 169-189.

Lesley, P. (1997). Lesley’s Handbook of Public Relations and Communications. Chicago, Contemporary Books.