O ensino de rádio no Brasil: sobre a superação de modelos

Luciano V. Barros Maluly, Suely Maciel

Resumo


Este trabalho apresenta metodologias e práticas
pedagógicas no ensino de rádio e radiojornalismo de
um grupo de professores e pesquisadores de algumas
das principais universidades públicas e privadas do
Brasil, em especial da região Sudeste, a qual concentra
mais da metade das escolas de comunicação do país. Os
depoimentos mostram que, a despeito das conhecidas
e tradicionais dificuldades de infraestrutura, baixa
valorização do meio rádio nos programas dos cursos
e o contumaz desinteresse dos estudantes pelo meio
(mais grave ainda quando se trata da produção
jornalística), as diferentes propostas buscam garantir
o amplo desenvolvimento do aluno como profissional
multimídia, multitarefa, empreendedor, autônomo e
responsável, ciente de seu papel na consolidação, nas
mídias sonoras, de uma produção diversificada, criativa,
ética e comprometida com as demandas do público nas
esferas local, regional e global.


Palavras-chave


ensino de radiojornalismo; radiojornalismo; rádio multiplataforma; jornalismo; mídia sonora; webrádio

Texto Completo:

PDF

Referências


Barbosa Filho, A. (2003). Gêneros radiofônicos: Os formatos e os programas em áudio. São Paulo, Paulinas.

Benjamin, W. (1986). Documentos de cultura, documentos de barbárie: escritos escolhidos. São Paulo, Cultrix/Edusp.

Brecht, B. (2005). “Teorias do Rádio (1927-1932)”, in Meditsch, E. B. V. (org.). Teorias do rádio – textos e contextos. Volume 1. Florianópolis, Insular, pp.35-45.

Galvão Jr., L. C. (2012). A formação em Radiojornalismo na Universidade de Taubaté: um estudo sobre as atividades teórico/práticas e o uso das tecnologias

digitais. I Simpósio Brasileiro de Radiojornalismo. Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo. (comunicação oral).

Lopez Vigil, J. I. (2003). Manual urgente para radialistas apaixonados. São Paulo, Paulinas.

Lucht, J. M. P. (2009). Gêneros Radiojornalísticos – análise da Rádio Eldorado de São Paulo. (Tese de doutorado). São Paulo, Umesp. Disponível em http://ibict.metodista.br/tedeSimplificado/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=2132 (acedido a 25 de junho de 2013).

Maciel, S. (2009). A interatividade no discurso de vivavoz na comunicação radiofônica. (Tese de Doutorado). São Paulo, ECA-USP. Disponível em http://www.pos.eca.usp.br/sites/default/files/file/bdt/2009/2009-domaciel_suely.pdf (acedido a 23 de junho de 2013).

Moraes Jr., E. (2011). O ensino do interesse público na formação de jornalistas: elementos para a construção de uma pedagogia. (Tese de Doutorado). São Paulo, ECA-USP. Disponível em http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27153/tde-23092011-185859/pt-br.php.

(acedido a 11 de agosto de 2013).

Ortriwano, G. (1985). A informação no rádio – os grupos de poder e a determinação dos conteúdos. São Paulo, Summus.

_____. (1998). “Rádio: interatividade entre rosas e espinhos”. Revista Novos Olhares, 1 (2), São Paulo, ECA-USP, pp.13-30.

Peruzzo, C. M. K. (2005). Rádios Comunitárias: entre controvérsias, legalidade e repressão, in Anais do Seminário Mapa da Mídia Cidadã. São Bernardo do

Campo, Umesp. Disponível em www2.metodista.br/unesco/agora/pmc_forum_iluminando_peruzzo.pdf. (acedido a 20 de agosto de 2011).

Piernes, G. (1990). Comunicação e desintegração na América Latina. Brasília, Ed. UnB.

Portela, P. (2006). Rádio na Internet em Portugal: a abertura à participação num meio em mudança. (Dissertação de Mestrado). Braga, Uminho. Disponível

em https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/6251/1/pedro%20portela.pdf. (acedido a 27 de julho de 2011).

Silva, J. L. O. (2012). A experiência da Fecap e da Unisa no ensino de rádio. I Painel Paulista sobre o Ensino de Radiojornalimo. São Paulo, ECA/USP. (comunicação oral)

Zucoloto, V. R. M. (2012). A programação de rádios públicas brasileiras. Florianópolis, Insular.