O efeito perverso das mensagens publicitárias e a importância da comunicação na gestão de crise

Maria José Cunha

Resumo


O intuito desta comunicação é analisar conteúdos
publicitários que resultaram em casos de estudo de gestão
de crise, sofrendo o efeito ricochete e a imprevisibilidade
do seu impacto negativo junto dos públicos. Pretendese
com estes elementos refletir sobre a propagação das
mensagens publicitárias nas redes sociais, assim como
a importância da gestão da reputação online. Para
este efeito, procedeu-se a uma recolha de campanhas
publicitárias relevantes nacionais e internacionais,
bem como a uma prospeção das reações negativas do
público e das respostas das respetivas organizações
responsáveis junto dos media, esperando, desta forma,
avaliar ferramentas e metodologias adequadas para uma
correta gestão da comunicação e manutenção da imagem
das marcas.


Palavras-chave


publicidade; gestão de crise; redes sociais; públicos; reputação

Texto Completo:

PDF

Referências


a) Livros

Baudrillard, J. (1991). Simulacros e Simulação. Lisboa, Relógio D’Água.

Bauman, Z. (1999). Globalização: as consequências humanas. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor.

Castells, M. (2009). Communication Power. New York, Oxford University Press.

Godin, S. (2006). As Mentiras do Marketing. Lisboa, Editorial Presença.

Hall, S. (1997). Representation: cultural representations and signifying practices. London, Sage.

Jenkins, H. (2006). Convergence Culture: Where Old and New Media Collide. New York, New York University Press.

McConnell, B. and Huba, J. (2008). Citizen Marketers. São Paulo, MBooks.

McLuhan, M. (1964). Os meios de comunicação como extensão do homem. São Paulo, Editora Cultrix.

Moura, S. (2013). Marca e Entretenimento. Product Placement em televisão. Importância na estratégia integrada de comunicação. Lisboa, Guerra e Paz, Editores, S.A.

Ruão, T. (2006). Marcas e identidades: Guia de concepção e gestão das marcas comerciais. Porto, Campo das Letras.

Toscani, O. (2005). A publicidade é um cadáver que nos sorri. Rio de Janeiro, Ediouro.

b) Capítulos de obras coletivas

Camargo, R. Z. (2007). “A publicidade como possibilidade”, in Perez, C. e Barbosa, I. S. (org.), Hiperpublicidade: fundamentos e interfaces – volume 1. São Paulo, Thomson Learning.

Lannon, J. (1993). “Asking the right questions: what do people do with advertising?”, in Aaker, D. A. e Biel, A. L. (eds.) Brand Equity and Advertising, advertising’s role in building strong brands. Hillsdale, NJ, Lawrence Erlbaum Associates.

Smothers, N. (1993). “Can products and brands have charisma?”, in Aaker, D. A. e Biel, A. L. (eds.) Brand Equity and Advertising, advertising’s role in building strong brands. Hillsdale, NJ, Lawrence Erlbaum Associates.

c) Artigos online

Jhally, S. (2000). Advertising at the edge of apocalypse. www.sutjhally.com/articles/advertisingattheed Amherst, Department of Communication University of Massachusetts at Amherst (acedido a 3 de setembro de 2013).