Publicidade, Moda e Representações de Género em plena Globalização

Helena Figueiredo Pina

Resumo


Este artigo reflete sobre a influência que a Publicidade
e a Moda, e em particular a Publicidade de Moda têm
enquanto modelos de referência, tanto para a construção
da identidade pessoal (onde a aparência surge como
reflexo), como para a interiorização dos modelos
de conduta associados às representações de género
veiculadas que ajudam a interpretar a realidade social.
Publicidade e Moda são produtos culturais e a Publicidade
de Moda utiliza códigos, transmite mensagens numa
linguagem “quase“ silenciosa sendo expressão da cultura
atual.
Outrora símbolo de estatuto social, a Moda é agora
símbolo de criação identitária própria através dos olhos
dos outros, ou seja num contexto de relações sociais. A
busca é a diferenciação como indivíduo e os sinais das
marcas de moda são usados pelos indivíduos na afirmação
da sua unicidade, da sua originalidade. Particularmente
na imagética da publicidade de moda, há já algumas
décadas que a publicidade é palco do simbolismo sexual,
tanto na sensualidade ligada a determinados ideais de
aparência ou beleza, como no papéis e relações entre
géneros que são aprendidos e representados socialmente.
De facto, os efeitos da comparação entre as imagens do
corpo e a realidade do próprio corpo, podem resultar
em julgamentos negativos acerca da imagem corporal
e uma forte pressão para as mulheres, mas também
para os homens, na tentativa algo inglória para alcançar
um ideal, na maior parte das vezes irreal, porque é
o resultado de simulações várias transmitidas pelas
imagens publicitárias. Por outro lado, o género é um
traço identitário profundamente implicante para o ser
humano pois culturalmente liga-se a noção de género
aos papéis sexuais e sociais definidos para os indivíduos.
Ao nível das representações de género, este é um
tempo “em aberto”, tudo é possível, porque os papéis
femininos e masculinos veiculados pela publicidade se
vão gradualmente modificando, mas em coexistência
com os papéis mais estereotipados de outrora e os mais
revolucionários do amanhã, transformando o agora num
momento algo ambíguo.


Palavras-chave


publicidade; moda; representações de género; identidade pessoal; aparência; papéis sociais

Referências


Bandura, A. (1994) Social Cognitive Theory of Mass Communication, in Bryant, J. e Zillmann, D. (ed.) Media Effects: Advances in Theory and Research, New Jersey, LEA, pp. 61-90.

Barthes, R. (1967). Sistema da Moda, Lisboa, Ed.70.

Bourdieu, P. (1994). O Poder Simbólico, Lisboa, Difel.

Camilo, E. (2004). A moda na publicidade: apresentações com estilo e o estilo nas apresentações. Biblioteca Online Ciências da Comunicação. Disponível em http://

www.bocc.ubi [acedido a 21 de dezembro 2006].

Coats, J. F. (2005). From my perspetive. The future of clothing. Internet Science@Direct. Disponível em http://www.sciencedirect.com [acedido a 20 de dezembro 2006].

Eco, U. etali (1982). Psicologia do Vestir, Lisboa, Assírio e Alvim.

Goffman, E. (1979). Gender Advertisements, Nova Iorque, Harper e Row.

Gonçalves, R. (2002). Histórias com Sentidos, Lisboa, Terramar.

Jhally, S. (1995). Os Códigos da Publicidade, Porto, Asa.

Kempf, D. S., Laczniak, R. N., e Smith, R. E. (2006). The effects of gender on processing advertising and product trial information. Marketing Letters, 17(1), pp. 5-16.

Léon, J. L. (1996). Los efectos de la publicidade, Barcelona, Ariel Comunicación.

Lindner, K. (2004), Images of Women in General Interest and Fashion Magazine Advertisements from 1955 to 2002. Sex Roles, 51(7/8), pp.409-421.

Lipovetsky, G. (1999). La tercera mujer, Barcelona, Anagrama.

Merskin, D. (2004), Reviving Lolita? A Media Literacy Examination of Sexual Portrayals of Girls in Fashion Advertising. American Behavioral Scientist, 48 (1), pp. 119-129.

Morrison, M. M. e Shaffer, D. R. (2003). Gender-Role Congruence and Self-Referencing as Determinants of Advertising Effectiveness. Sex Roles, 4(5/6), pp. 265-275.

National Eating Disorders Association (2002), The Media, Body Image and Eating Disorders. Disponível em http://www.nationaleatingdisorders.org [acedido a 26 de dezembro 20 0 6 ] .

Obalk, H., Soral, A. e Pasche, A. (1984). Les Mouvements de Mode Expliqués aux Parents, Paris, Robert Laffont.

Pérez, R. A. (2001) Estrategias de Comunicación, Barcelona, Ariel Comunicación .

Pina, H. F. (2008). Deco-identidades: a composição da aparência como expressão da identidade pessoal, Trajectos, 13/14, pp. 97-102.

Ravazzolli, S. (1998). O poder discursivo na sexualidade. Biblioteca On-line de Ciências da Comunicação. Disponível em http://www.bocc.ubi [acedido a 21 de dezembro 2006].

Schroeder, J. E. e Zwick, D. (2004). Mirrors of masculinity: Representation and identity in advertising images. Consumption Markets & Culture, 7(1), pp.21-52.

Séguela, J. (1998). O Futuro tem Futuro, Mem Martins, Pub. Europa - América.

Severiano, M. F. V. (2005), Narcisismo Y Publicidade. Un análisis psicosocial de los ideales del consumo en la contemporaneidad, Buenos Aires, Siglo XXI.

Smith, G. (1996). Gender Advertisements Revisited: a visual sociology classic. Electronic Journal of Sociology, 2, pp. 1-16. Disponível em http://www.sociology.org./content/vol002.001/smith.html [acedido a 27 de novembro 2006].

Veríssimo, J. (2005). A metamorfose da mulher em «objeto» na publicidade. Comunicação Pública, 2 (1), pp.109-119.

Wilson, E. (1985). Enfeitada de Sonhos, Lisboa, Ed.70.