Publicidade, Sedução e Assertividade: A Comunicação de Marca, Hoje

Fernando Peixoto

Resumo


A publicidade constitui hoje uma atividade
fundamental nas modernas sociedades de consumo.
Representando um instrumento de
importância indelével na comunicação organizacional,
não só promove bens e serviços como também veicula
ideias, conceitos e imagens.
Enquanto poderosa indústria cultural, a
publicidade pode assumir várias facetas e múltiplas
formas, muitas vezes surpreendentes, consoante a
intenção prévia que subjaz uma determinada campanha.
Porém, duas características incontornáveis dever-se-ão
encontrar sempre presentes: a sedução, primeiro; a
assertividade, depois.
Na qualidade de instrumento privilegiado
de comunicação de uma dada marca, a publicidade
representa a principal técnica comunicacional no atual
paradigma da comunicação organizacional. Para muitos,
é mesmo considerada a mãe de todas as técnicas, ou
mesmo, a «técnica das técnicas».
Ao longo dos tempos, o fenómeno publicitário
tem vindo a evoluir exponencialmente, ao ponto de
se constituir hoje num paradigma comunicacional
autónomo e com uma idiossincrasia própria. Com
técnicas próprias. Com modelos próprios.
Face à dimensão espectral que a publicidade
hoje representa, problematizo o modo e a forma como
a comunicação de marca se faz no presente, bem como
equaciono quais os desafios, ameaças e oportunidades se
lhe colocam num futuro próximo.


Palavras-chave


publicidade; marca; sedução; promessa; imagem; identidade

Texto Completo:

PDF

Referências


Aaker, D. A. (1991). Managing Brand Equity. New York, The Free Press.

Aaker, D. A., Batra, R., Myers, J. (1992). Advertising Management. New Jersey, Prentice-Hall.

Bolter, J. e Grusin, R. (2002). Remediation – Understanding New Media. Cambridge, The New Press.

Brochand, B. et al. (1999). Publicitor. Lisboa, Publicações Dom Quixote.

Carvalho, N. (2000). Publicidade: A Linguagem da Sedução. São Paulo, Editora Ática.

Carvalho, S. (1999). “As Linguagens da Publicidade” in Brochand, B. et al, Publicitor. Lisboa, Publicações Dom Quixote, pp. 275.

Cowley, D. (1991). Como Planificar a Publicidade. Mem Martins, Edições Cetop.

Davidson, M. (1992). The Consumerist Manifesto – Advertising in Postmodern Times. London, Routledge.

De Plas, B. e Verdier, H. (1979). La Publicité. Paris, Presses Universitaires de France.

Dubois, B. (1993). Compreender o Consumidor. Lisboa, Publicações Publicações Dom Quixote.

Galhardo, A. (2006). A Sedução no Anúncio Publicitário. Porto, Edições Universidade Fernando Pessoa.

Gregório, R. (2007). A Bela e o Monstro – Publicidade, Sociedade da Informação e Tematização. Coimbra, MinervaCoimbra.

Jhally, S. (1995). Os Códigos da Publicidade. Porto, Edições Asa.

Joannis, H. (1990). O Processo de Criação Publicitária. Mem Martins, Edições Cetop.

Kapferer, J., (2004). Marcas à Prova de Prática. Porto Alegre, Bookman.

Klein, N. (2002). No Logo – O Poder das Marcas. Lisboa, Relógio d’Água.

Lampreia, J. M. (1992). A Publicidade Moderna. Lisboa, Editorial Presença.

Lipovetsky, G. (2010). A Felicidade Paradoxal. Lisboa, Edições 70.

Maffesoli, M. (2001). O Eterno Instante – O Retorno do Trágico nas Sociedades Pós-Modernas. Lisboa, Instituto Piaget.

Mollerup, P. (1997). Marks of Excellence: The History and Taxonomy of Trademarks. London, Phaidon Press.

Morgan, C. L. (1999). LOGOS – Logo, Identidade, Marca, Cultura. Lisboa, Destarte.

Olins, W. (1996). Corporate Identity. London, Thames and Hudson.

Peixoto, F. (2011). “Os Três Vértices da Publicidade: Consumo, Comunicação, Identidade”, in Azevedo, J. e Martins, M. L. (ed.s), Meios Digitais e Indústrias

Criativas – Os Efeitos e os Desafios da Globalização [e-book]. Atas do VII Congresso da SOPCOM. Porto, CETAC MEDIA, Universidade do Porto. Disponível em

http://sopcom2011.up.pt/media/SOPCOM_2011_Atas.pdf/ [acedido em 27 de Junho de 2013].

Peixoto, F. (2007) Técnica e Estética na Publicidade. Lisboa, Edições Sílabo.

Rasquilha, L. (2009). Publicidade. Lisboa, GestãoPlus Edições.

Santaella, L. & Nöth, W. (1998). Imagem: Cognição, Semiótica, Mídia. São Paulo, Iluminuras.

Stivers, R. (2001), A Tecnologia Como Magia. Lisboa, Instituto Piaget.

Volli, U. (2004). Semiótica da Publicidade. Lisboa, Edições 70.