Estratégias enunciativas e retóricas do jornalismo cultural

Marisa Torres da Silva

Resumo


O jornalismo cultural constitui-se como uma área em que
os deveres do jornalista e do especialista se confundem
(Tubau, 1982; Harries & Wahl-Jorgensen, 2007),
caracterizando-se como um espaço de confluência entre
repórteres, intelectuais ou mesmo criadores, tornandose
por isso distinto de outras formas convencionais de
produção jornalística. Também aqui existe uma maior
liberdade em relação à linguagem utilizada, permitindose
a utilização de recursos mais criativos, estéticos ou
coloquiais, dada a ligação afectiva que se estabelece entre
o jornalista de cultura e os seus leitores (Golin & Cardoso,
2009: 77). No entanto, o jornalismo cultural é, antes
de mais, jornalismo, não prescindindo de um vínculo
com a atualidade e, por outro lado, com as convenções
associadas ao estilo de escrita jornalística (Lopez & Freire,
2007: 6-8).
No âmbito de um projeto mais alargado que tem como
objectivo efetuar um retrato profundo da cobertura
cultural dos principais jornais portugueses durante
a primeira década do século XXI, pretende-se neste
trabalho analisar as narrativas que compõem o jornalismo
cultural, observando as formas discursivas utilizadas
pelos jornalistas em peças jornalísticas que se enquadrem
dentro do estilo informativo (notícia, reportagem e
entrevista), sobre o tema música, em quatro jornais
portugueses, durante o ano de 2010. Este estudo coloca,
assim, as seguintes questões: até que ponto é que as
regras de escrita jornalística se aplicam ao jornalismo
cultural? Será que podemos falar, além de um “jornalês”,
de um “culturês”? Para dar uma resposta a estas
interrogações, mobilizamos aqui algumas das categorias
utilizadas pela análise crítica do discurso, metodologia de
carácter qualitativo que presta uma particular atenção à
linguagem enquanto prática discursiva – a escolha de
palavras (lexicalização), sobretudo ao nível da predicação
(atributos) e da pressuposição; e o tipo de linguagem
utilizada, particularmente no que diz respeito aos
recursos retóricos.


Palavras-chave


jornalismo cultural; jornalismo de música; análise de discurso

Texto Completo:

PDF

Referências


Forde, E. (2001). Music Journalists, music press officers & the consumer music press in the UK. Tese de doutoramento, Universidade de Westminster.

Gadini, S. (s.d.). Jornalismo Cultural nos Diários Portugueses. Biblioteca on-line de Ciências da Comunicação, Labcom.

Gadini, S. (2006). Grandes estruturas editoriais dos cadernos culturais. Principais características do jornalismo cultural nos diários brasileiros. Revista Fronteiras – Estudos mediáticos, 8 (3), pp. 233-240.

Golin, C.; Cardoso, E. (2009). Cultural journalism in Brazil: academic research, visibility, mediation and news values. Journalism, 10 (1), pp. 69-89.

Harries, G.; Wahl-Jorgensen, K. (2007). The culture of arts journalists. Elitists, saviors or manic depressives? Journalism, 8 (6), pp. 619-639.

Lopez, D.; Freire, M. (2007). O jornalismo cultural além da crítica: um estudo das reportagens da revista Raiz. Biblioteca on-line de Ciências da Comunicação, Labcom.

Madeira, C. (2002). Novos Notáveis, Os Programadores Culturais. Oeiras, Celta.

Nunes, P. (2003). ‘É Português? Não gosto’: Ideologias e Práticas dos Jornalistas de Música face à Música Portuguesa. Fórum Sociológico, 7/8, pp.145-168.

Nunes, P. (2004). Popular music and the public sphere: the case of Portuguese music journalism. Tese de Doutoramento, Universidade de Stirling.

Nunes, P. (2011). Os Jornalistas de Música e a Indústria Musical: entre o gatekeeping e o “cheerleading’. Trajectos, 18, pp. 53-69.

Ponte, C. (2004). Leituras das Notícias. Contributos para uma análise do discurso jornalístico. Lisboa, Livros Horizonte.

Rivera, J. (2003). El periodismo cultural. Buenos Aires, Paidós.

Tubau, I. (1990). Teoria y pratica del periodismo cultural. Barcelona, A T E, Fontes.

Referências – artigos de jornal

Almeida, S. (2010). Coura a ferver até sábado. Jornal de Notícias, Porto. 28 de Julho. Cultura.

Andrade, S. C. (2010). Orquestra do Porto jogou fora e ganhou. Público, Lisboa. 6 de Setembro. Caderno P2.

Belanciano, V. (2010). Grammys: em Los Angeles a noite foi delas. Público, Lisboa. 2 de Fevereiro. Caderno P2.

Bóleo, P. (2010). Músicas do Mundo – Um festival diferente dos outros (e ainda bem). Público, Lisboa. 2 de Agosto. Caderno P2.

Branco, R. (2010). “Hoje a imagem é muito importante”. Jornal de Notícias, Porto. 33 de Outubro. Cultura.

Caetano, M. J. (2010). Colombiana Shakira traz o sol ao Pavilhão Atlântico. Diário de Notícias, Lisboa. 21 de Novembro. DN Artes.

Cruz, C. (2010). Para os pais e para os filhos. Jornal de Notícias, Porto. 4 de Outubro. Cultura.

Fernandes, C. (2010). Chopin e Georges Sand: espelhos de um mito. Público, Lisboa. 1 de Março. Caderno P2.

Lopes, M. (2010). Rock in Rio? O Rock in Rio é um outro mundo. Público, Lisboa. 21 de Maio. Caderno P2.

Moço, J. (2010a). 30 anos depois Ian Curtis ainda é uma referência. Diário de Notícias, Lisboa. 18 de Maio. DN Artes.

Moço, J. (2010b). A primeira enchente com o fado na memória. Diário de Notícias, Lisboa. 22 de Maio. DN Artes.

Pereira, C. (2010). Portugal dos pequeninos. Jornal de Notícias, Porto. 30 de Maio. Cultura.

Pinheiro, D.; Carmo, P. (2010). U2 em Coimbra. Diário de Notícias, Lisboa. 3 de Outubro. DN Artes.

Ribeiro, A. M. (2010). Mr Wilson é o maior baterista brasileiro do séc. XX. Público, Lisboa. 4 de Outubro. Caderno P2.

Vila-Chá, P. (2010). “Os Mão Morta fazem todo o sentido”. Jornal de Notícias, Porto. 17 de Abril. Cultura.

Vitória, A. (2010a). Guardador de canções. Jornal de Notícias, Porto. 23 de Janeiro. Cultura.

Vitória, A. (2010b). “É um elogio quando dizem que soa a GNR”. Jornal de Notícias, Porto. 27 de Junho. Cultura.