Cultura na Primeira Página - Apocalípticos e Integrados

Carla Baptista, Dora Santos Silva

Resumo


Esta comunicação apresenta resultados do projecto de
investigação “A Cultura na Primeira Página - um estudo
dos jornais portugueses na primeira década do século XXI
(2000-2010)” (PTDC/CCI-COM/122309/2010).
Os dados recolhidos através da análise de conteúdo de
todas as notícias sobre temas culturais publicadas na
primeira página de seis publicações portuguesas, ao
longo da primeira década do século XXI (2000-2010),
nomeadamente Público, Diário de Notícias, Correio da
Manhã, Jornal de Notícias, Expresso e Visão, apontam
para uma mudança nas narrativas do jornalismo
cultural. Entre outras, destacamos as seguintes: a
redução do espaço e da visibilidade da cultura; o fim de
muitos suplementos culturais especializados; um maior
centramento nas notícias sobre música e cinema em
detrimento das restantes artes; o alargamento das antigas
editorias de cultura para espaços mais permeáveis a
outros conteúdos, como histórias sobre personalidades,
tendências de consumo e estilo de vida, viagens e lazer;
a transformação dos suplementos dedicados à crítica
especializada em roteiros orientadores do gosto e das
formas de ocupação do tempo livre.
A partir desta análise, iremos refletir, de forma
“apocalíptica” e “integrada”, sobre os impactos destas
alterações na qualidade do espaço público deliberativo
e no papel do jornalismo enquanto campo de reforço e
exercício de práticas cívicas de participação e escrutínio
democrático (Faro: 2009). Procuraremos ainda traçar
as distinções principais que continuam a marcar os
enquadramentos dominantes da cultura realizados por
jornais populares e por jornais de referência, definindo
o jornalismo cultural como uma das últimas marcas
distintivas da imprensa de qualidade, num contexto
marcado pelo esbatimento das fronteiras entre géneros
jornalísticos, pela convergência dos meios tecnológicos
e por novas formas de recepção e partilha dos conteúdos
culturais.
Concluímos que a forma como as publicações analisadas
tratam os temas de cultura não significa o fim do
jornalismo especializado nesta área mas obriga à sua
redefinição conceptual, integrando as potencialidades do
ambiente digital, a proliferação de meios de comunicação,
profissionais ou não, dedicados à cultura e a sua relação
com as indústrias culturais e criativas (Hartley: 2005;
Hesmondhalgh: 2007; Flew: 2010).


Palavras-chave


jornalismo cultural; cultura; primeira página; imprensa especializada

Texto Completo:

PDF

Referências


Faro, J. S. (2009). Dimensão e prática do jornalismo cultural, Revista Fronteiras – Estudos Mediáticos, 11:1, 54-62, Janeiro/Abril.

Flew T.; Cunningham, S. (2010). Creative Industries after the First Decade of Debate, The Information Society: An International Journal, 26:2, 113-123.

From, U. (2009). Reading cultural and lifestyle journalism in online and print newspapers. The future of journalism conference. Cardiff University, September 2009 (pp.

-10).

Hesmondhalgh, D. (2007). The Cultural Industries. London, Sage Publications.

Hartley, J. (2005). Creative industries. London, Wiley-Blackwell.

Janssen, S., Kuipers, G., & Verboord, M. (2008). Cultural Globalization and Arts Journalism: The International Orientation of Arts and Culture Coverage in Dutch, French, German, and U.S. Newspapers, 1955

to 2005. American Sociological Review, 73(5), 719-740. doi:10.1177/000312240807300502

Kristensen, N. N. (2010). The historical transformation of cultural journalism. Northern Lights, 8, 69-92. doi:10.1386/nl.8.69.

Rivera, Jorge B. (2003). El periodismo cultural. Buenos Aires: Paidós.

Santos Silva, D. (2009). “Tendências do Jornalismo Cultural em Portugal”, In 6º Congresso SOPCOM / 4.º Congresso Ibérico, Lisboa.

Santos Silva, D. (2012). Cultura e Jornalismo Cultural. Lisboa: Media XXI.