A construção discursiva do sofrimento de crianças e adolescentes em jornais impressos brasileiros: Um estudo de caso dos jornais O Globo e Extra de 2000 a 2013

Ivanise Hilbig de Andrade

Resumo


Este trabalho é parte de uma pesquisa em andamento no
âmbito do Programa de Pós-graduação em Comunicação
e Cultura Contemporânea da Universidade Federal da
Bahia (UFBA) que tem como objetivo geral analisar
como o sentido do sofrimento de crianças e adolescentes
é construído em um jornal de referência, O Globo (RJ),
e em um jornal popular, o Extra (RJ), verificando
comparativamente o posicionamento discursivo e as
estratégias enunciativas de cada publicação. Parte-se do
entendimento de que o sentido do sofrimento de crianças
e adolescentes é construído no interior de uma semiose
que é social, histórica, cultural e infinita, tendo os meios
de comunicação papel importante nesse processo. A
pesquisa tem como bases teórica e metodológica os
estudos de Linguagem, da Análise do(s) Discurso(s) e
da Enunciação.


Palavras-chave


análise de discurso; enunciação; jornal impresso; violência infanto-juvenil

Texto Completo:

PDF

Referências


Amaral, M.F. (2006). Jornalismo Popular. São Paulo, Contexto.

Andi. (2001). Balas perdidas: um olhar sobre o comportamento da imprensa brasileira quando a criança e o adolescente estão na pauta da Violência. Brasília, ANDI.

Andi. (2005). Imprensa, infância e desenvolvimento humano: uma retrospectiva de sete anos de análise de mídia ANDI/IAS. Brasília, ANDI. http://www.andi.org.br/infancia-e-juventude/publicacao/imprensa-infanciae-desenvolvimento-humano (Acesso em 24 de janeiro

de 2013).

Andi. (2006) A cobertura da violência contra crianças e adolescentes na imprensa Latino-americana. Brasília, ANDI, 2006. . (Acesso em:

/01/2013).

Àries, P. (1981). História social da criança e da família. 2ª ed. Rio de Janeiro, LTC.

Badinter, E. (1985). Um amor conquistado: o mito do amor materno. Tradução Waltensir Dutra. Rio de Janeiro, Nova Fronteira.

Barthes, R. (1970). Crítica e verdade. São Paulo, Editora Perspectiva.

Charaudeau, P. (2010). Discurso das Mídias. Trad. Angela S. M. Corrêa. 2ª ed. São Paulo, Contexto.

Doretto, J. (2012). Criança de jornal: representações de infância e juventude em Brasil e em Portugal. Estudos em Jornalismo e Mídia - Vol. 9 Nº 2 – Julho a Dezembro

de 2012.

Ferreira, G.M. (ed) (2012). A construção da Violência na Televisão e em Jornais Impressos na Bahia. Salvador, Edufba.

Maingueneau, D. (1997). Novas Tendências em análise do discurso. 3ª ed. Campinas, Pontes.

Maingueneau, D. (2001). Análise de textos de comunicação. São Paulo, Cortez Editora.

Micó, J.; Masip, P. and Barbosa, S. (2009). Modelos de convergência empresarial na indústria da informação. Um mapeamento de casos no Brasil e na Espanha.

Brazilian Journalism Research. v. 5, n. 1.

Mouillaud, M. and Porto, S.D. (ed) (2012). O Jornal: da forma ao sentido. 3ª ed. Brasília, UnB.

Pinto, M.J. (1999). Comunicação & Discurso. São Paulo, Hacker Editores.

Ponte, C. (2002). Cobertura jornalística da infância: definindo a “criança internacional”. Sociologia, problemas e práticas, n.º 38, pp. 61-77.

Ponte, C. (2007). Mudam-se os tempos, mudam-se as notícias? A cobertura jornalística de crianças no Público e Diário de Notícias em 2000 e 2005. Media &

Jornalismo, v. 11. pp. 51-71

Priore, M.D. (ed) (2010). História das Crianças no Brasil. 5ª ed. São Paulo, Contexto.

Ramos, S. and Paiva, A. (2007). Mídia e violência: tendências na cobertura de criminalidade e segurança no Brasil. Rio de Janeiro, IUPERJ.

Salaverría, R. García Avilés, J.A. and Masip, P. (2010). Concepto de convergencia periodística. In: Lópes Garcías, X. and Pereira Fariña, X. (ed). Convergencia Digital. Reconfiguración de los medios de comunicación en

España. Santiago de Compostela, Servizo de Publicacións da Universidade de Santiago de Compostela.

Sedh/PR (2011). Relatório Disque Direitos Humanos – módulo Criança e Adolescente. Brasília. . (Acesso em: 18 de agosto de 2012).

Verón, E. (2004). Fragmentos de um tecido. São Leopoldo, UNISINOS.

Vizeu, A.; Lordêlo, T. and Medeiros, P. (2012). Telejornalismo e convergência: Rumo a um telejornal de marca de grupo?. In: Brazilian Journalism Research. v. 8, n. 2. pp 28-43.

Waiselfisz, J.J. (2012). Mapa da Violência 2012 – crianças e adolescentes do Brasil. Rio de Janeiro, Cebela e Flasco Brasil.

Wolf, M. (2003). Teorias das comunicações de massa. Trad. Karina Jannini. São Paulo, Martins Fontes.

Zecchetto, V. (ed) (2008). Seis semiólogos en busca del lector. Buenos Aires, La Crujía Ediciones.