Os formatos audiovisuais nos produtos jornalísticos exclusivos para tablets: apontando algumas tendências

Juliana Fernandes Teixeira

Resumo


O artigo pretende identificar algumas tendências mais
evidentes e/ou recorrentes com relação aos formatos
audiovisuais nos produtos jornalísticos exclusivos
para tablets. Nosso objetivo, portanto, não é realizar
uma conceituação ou classificação de formatos; em
vez disso, busca-se compreender, a partir de uma
análise exploratória, as tendências referentes ao uso
do audiovisual nos produtos autóctones para tablets.
A hibridização será a primeira a ser abordada. Em
seguida, discutiremos a tendência de manutenção
dos formatos clássicos, a qual é exemplificada pela
permanência da lógica da rádio ilustrada e de cenários
que registram como fundo de cena as redações. Por fim,
apresentaremos constatações relacionadas aos formatos
mais experimentais, com destaque para os conteúdos
centrados nos personagens. Para empreender essa
pesquisa, utilizamos a revisão bibliográfica e o estudo
de caso enquanto principais estratégias metodológicas.
A amostragem de casos estudados foi composta
por produtos jornalísticos autóctones, produzidos
exclusivamente para tablets, entre os quais incluímos as
revistas ProjectWeek (Reino Unido) e Katachi (Noruega),
e os jornais diários La Repubblica Sera (Itália), O Globo
a Mais (Rio de Janeiro/BR), Estadão Noite (São Paulo/
BR) e Diário do Nordeste Plus (Fortaleza/BR).


Palavras-chave


jornalismo audiovisual; ciberjornalismo; dispositivos móveis; tablets

Texto Completo:

PDF

Referências


AGUADO, Juan. De la cuarta pantalla al medio líquido. Disponível em . Acesso: 30/nov/2009.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Trad: Maria Galvão. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BELOCHIO, Vivian. Convergência e a atualização do contrato de comunicação de veículos noticiosos multiplataforma. Intexto, Porto Alegre, UFRGS, p.

-37, jul/2012.

BOCK, Mary. Video Journalism. New York: Peter Lang, 2012.

______. Newspaper journalism and video. New media & society, 14(4). SAGE, 2011, p.600-616.

BOLTER, David; GRUSIN, Richard. Remediation. Cambridge: MIT Press, 2002.

BOGOST, Ian; FERRARI, Simon; SCHWEIZER, Bobby. Newsgames. Massachusetts: MIT Press, 2010.

BRIGGS, Asa; BURKE, Peter. Uma história social da mídia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

CANAVILHAS, João. Da remediação à convergência. BJR, vol.8, no., 2012, p.7-21.

CANAVILHAS, João; SANTANA, Douglas. Jornalismo para plataformas móveis de 2008 a 2011. Líbero – São Paulo, p. 53-66, dez/2011.

CAPANEMA, Letícia. A televisão no ciberespaço. Dissertação (Mestrado) em Comunicação e Semiótica. Orient.: Arlindo Machado. PUC-SP. São Paulo, 2009.

CARABALLO, Cristian. Nuevas narrativas en las tics. La producción informativa audiovisual en Internet. In: IRIGARAY, Fernando; CEBALLOS, Dardo; MANNA, Matias (Eds.). Webperiodismo en un

ecosistema líquido. Rosario: Laborde Libros Editor, 2013, p.129-143.

CARMO, Fernando. Jornalismo móvel: um estudo do noticiário produzido para celulares. Dissertação (Mestrado) em Comunicação na Contemporaneidade.

Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero. Orient.: Prof. Walter Lima. São Paulo, 2008.

CARVALHO, Vânia. Conteúdos vídeo nos jornais online. Portugal: Universidade de Aveiro, 2009. Dissertação (mestrado). Departamento de Comunicação

e Arte. Orients.: Maria Antunes e Ana Veloso.

CHARAUDEAU, Patrick. Discurso das mídias. São Paulo: Contexto, 2009.

CHION, Michel. Audio-vision: sound on screen. New York: Columbia University Press, 1994.

FIDLER, Roger. Mediamorphosis. Thousand Oaks: Pine Forge Press, 1997.

FLING, Brian. Mobile design and development. EUA: O’Reilly, 2009.

FORSBERG, Kerstin. Mobile Newsmaking. Papers in Informatics, Paper 9. Suécia: Göteborg University, dez/2001.

GARCÍA, Mario. iPad Design Lab – basic: storytelling in the age of the tablet. Kindle Edition. Nova Iorque: North Light Books, 2012.

GOGGIN, Gerard. Global mobile media. New York: Routledge, 2011.

GOMES, Itania (Org.) Gêneros televisivos e modos de endereçamento no telejornalismo. Salvador: EDUFBA, 2011.

GONÇALVES, Jorge. Narrativas Audiovisuais para Dispositivos Móveis. Dissertação (Mestrado) em Comunicação Multimédia. Universidade de Aveiro. Orients.: Pedro Almeida, Jorge Abreu e Fernando Rubio. 2009.

GONZÁLEZ, Ángeles; TRIVIÑO, Ana. Tabletas, smartphones, medios online, contenidos y consumos. In: I Congreso Comunicación y Educación. Universidad Autónoma de Barcelona. 11-13 maio/2011.

GORDILLO, Immaculada. La hipertelevisión: géneros y formatos. Quito, Equador: Intiyan Ediciones Ciespal, 2009.

GRUSIN, Richard. Premediation. New York: Palgrave Macmillan, 2010.

KATZ, James. Introduction. In: KATZ, James (Ed.) Handbook of mobile communication studies. Cambridge: MIT Press, 2008, p.1-11.

KILPP, Suzana; FERREIRA, Lorena. Estatuto do audiovisual de TV na internet. Contemporanea. UFBA: maio-ago/2012, p.289-301.

KOLODZY, Janet. Practicing Convergence Journalism. Nova Iorque/Londres: Routledge, 2013.

LANCASTER, Kurt. Video Journalism for the Web. Nova Iorque/Londres: Routledge, 2013.

MACHADO, Arlindo. A televisão levada a sério. 2ª ed. São Paulo: SENAC, 2001.

MARTÍN, José; MAS, Juan. Análisis Cuantitativo de la Televisión y el Vídeo en Internet (Webtv).

Fonseca, Journal of Communication, 2011, p. 41-71.

MICÓ, Josep. Informar a la TDT. Barcelona: Ramon Llull, 2007.

NOCI, Díaz. Online News: Narrative, Hypertext and Interactivity. Tese de Cátedra. Universitat Pompeu Fabra, 2011.

PALACIOS, Marcos. Jornalismo Online, Informação e Memória. Disponível em Acesso: mar/2008.

PELLANDA, Eduardo. A conexão entre lugares e espaços proporcionada pela rede Foursquare. Intexto, Porto Alegre: UFRGS, jan/jun 2011, p. 164-175.

PEW RESEARCH CENTER. YouTube & News: a new kind of visual journalism. Disponível em: http://www.journalism.org/analysis_report/youtube_news#_ftnref4. Acesso: 16/jul/2012.

PICCININ, Fabiana. Veja a seguir: a transição do telejornal entre a linha de montagem e a rede. Tese (Doutorado) em Comunicação Social. PUC-RS. Orient. Doris Haussen. Porto Alegre, 2007.

REZENDE, Guilherme. Telejornalismo no Brasil. São Paulo: Summus, 2000.

RIBAS, Beatriz. A Narrativa Webjornalística. Dissertação (Mestrado) em Comunicação e Cultura Contemporânea. UFBA. Orient: Elias Machado. 2005.

SALAVERRÍA, Ramón; NEGREDO, Samuel.Periodismo integrado. Barcelona: Sol90Media, 2008.

SEIXAS, Lia. Redefinindo os gêneros jornalísticos. Portugal: LabCom Books, 2009.

SILVA, Edna; ROCHA, Liana. Telejornalismo e Ciberespaço. In: VIZEU, Alfredo; PORCELLO, Flávio; COUTINHO, Iluska (Orgs.). 60 anos de telejornalismo no Brasil. Florianópolis: Insular,

, pp.197-214.

SODRÉ, Muniz. A Narração do Fato. Petrópolis: Vozes, 2009.

SOUZA, Aronchi de. Gêneros e formatos na televisão brasileira. São Paulo: Summus, 2004.

STEINBOCK, Dan. The mobile revolution. Londres: Kogan Page, 2005.

TEMER, Ana. A mistura dos gêneros e o futuro do telejornal. In: VIZEU, Alfredo; PORCELLO, Flávio; COUTINHO, Iluska (Orgs.). 60 anos de telejornalismo no Brasil. Florianópolis: Insular,

, pp.101-126.

URETA, Ainara. The Challenge of Online Journalistic Language to Narrative Forms. In: Zer, 2007, pp.41-61.