Linhas do tempo: A representação gráfica rumo a uma experiência topológica de tempo

Marina Boechat

Resumo


As representações visuais do tempo
estabelecem-se tradicionalmente como organizações
sequenciais e estáveis, de característica majoritariamente
unidimensional, onde não há muito espaço para a
problematização do encadeamento temporal. Por conta
deste aparente contraste com o contexto atual descrito,
tomamos as linhas do tempo como nosso objeto de
interesse, discutindo como, especialmente nas suas
variantes interativas, há uma quebra sua tendência
tradicional. Trabalha-se para a constituição de uma
experiência temporal mais complexa que comporta,
inclusive, uma ênfase maior na representação visual como
modelo de pensamento. Pretendemos fazer um pequeno
apanhado histórico de alguns formatos de representação
visual do tempo, começando pelas listas, tabelas e
cronologias, como estruturas precursoras da linha do
tempo moderna, que também participam dos processos
atuais de construção de representações visuais do tempo.
Vincularemos o formato moderno da linha do tempo com
os gráficos quantitativos de série histórica e, em última
instância com o plano cartesiano, para finalmente discutir
algumas características dessas representações conforme
mobilizadas e transformadas pelas visualizações de
informação interativas atuais. A primeira parte do
percurso envolve em especial uma referência a Serres e
a Lévy, ao discutir a abstração da experiência do tempo
quando é transferido para objetos de registro ou aparelhos
de medição. A partir daí discutiremos a instituição da
representação visual do tempo como linha e a constituição
de um plano de representação e de eventos isolados
como evidências visuais. Neste ponto faremos referência
especialmente a Latour, a Goody e a Roque, relacionando
nossa discussão com os métodos de constituição de
objetos de conhecimento por meio de representações
visuais. Por fim, discutiremos alguns níveis de experiência
do tempo, conforme a reflexão de Deleuze, procurando
apontar para sua constituição em conjunto com métodos
de visualização do tempo.


Palavras-chave


linha do tempo; tabelas; gráficos; topologia

Texto Completo:

PDF

Referências


CRARY, Jonathan. (1990) Techniques of the observer: on vision and modernity in the nineteenth century. October Books, MIT Press: Cambridge, Massachusetts.

GOODY, Jack. (1997). La raison graphique: la domestication de la pensée sauvage. Lonrai, Les Edition de Minuit.

LATOUR, Bruno. (2005). Reassembling the social: an introduction to actor-network theory. Oxford University Press: Oxford.

______ (org.). (1985). Vues de l’esprit, Culture & Technique no.14. Centre de Recherche sur la Culture Technique: Neuilly-sur-Seine.

LÉVY, Pierre. (1997) Tecnologias da inteligência. Ed. 34: São Paulo.

ROQUE, Tatiana. (2012). História da matemática: uma visão crítica, desfazendo mitos e lendas. Zahar Editores: Rio de Janeiro.

_____. (2006-2008). Sobre a noção de problema. In: Lugar Comum – Estudos de Mídia, Cultura e Democracia, n.23-24. LABTeC/ESS/UFRJ:Rio de Janeiro, jan2006- abr2008, p.135-146.

ROSENBERG, Daniel; GRAFTON, Anthony. (2010). Cartographies of time: a history of the timeline. Princeton Architectural Press: London.

SERRES, Michel. (2004). Les origines de la géométrie. Champs Sciences: Paris.

______. (2003). Hominiscências: o começo de uma outra humanidade? Bertrand Brasil: Rio de Janeiro.

TUFTE, Edward. (2001). The Visual Display of Quantitative Information. Connecticut: Graphics Press.

VIRILIO, Paul. (1993). O espaço crítico. Editora 34: São Paulo.