A comunicação pelos audiovisuais educativos: a relação pensada a partir do metáporo

Marília da Silva Franco, Vanessa Matos dos Santos

Resumo


As transformações ocorridas no mundo contemporâneo
tem alterado a estrutura das sociedades, modificando
a forma como as pessoas vivem, trabalham, estudam
e, sobretudo, operam seus processos cognitivos. O
desenvolvimento das tecnologias de comunicação e
informação resultou em uma nova percepção espaçotemporal
que determina novas dinâmicas sociais,
políticas e econômicas. A concepção de uma Nova Teoria
da Comunicação tem revisitado a pesquisa científica
no Brasil com uma proposta de trabalho que respeita a dinâmica dos acontecimentos e dos contextos em que
ocorrem. Um dos pontos mais instigantes dessa nova
teoria está justamente concentrado na ideia de realizar
a pesquisa com base no metáporo. Os audiovisuais, de
acordo com essa lógica, podem ser compreendidos além
das fronteiras cotidianamente conhecidas, o que abre
um novo horizonte de investigação científica. Este artigo
aborda as possibilidades desse novo horizonte de pesquisa
para o entendimento dos audiovisuais nos processos
educativos. O cenário até aqui exposto corrobora o
pensamento de que o maior desafio implicado na
produção desses materiais está justamente em re-pensar
e compreender o fenômeno comunicativo audiovisual.


Palavras-chave


acontecimento comunicacional; audiovisuais; educação; metáporo; nova teoria da comunicação

Texto Completo:

PDF

Referências


DANTAS, E. (2012). Apresentando o Metáporo, o meio de estudar a comunicação como Acontecimento. Anais do X Congresso da LUSOCOM – Comunicação, Cultura

e Desenvolvimento.

DIEUZEIDE, Henri. (1965). Les Techniques audiovisuelles dans l’Enseignement, col. Nouvelle Encyclopédie Pédagogique, Paris, Presses Universitaires de France.

FRANCO, MARILIA. (2013). O cinema jamais foi mero entretenimento [jul. 2013]. Entrevistador: Marcus Tavares. Ouro Preto-MG. Disponível em: http://www.revistapontocom.org.br/entrevistas/o-cinemajamais-

foi-e-ou-sera-mero-entretenimento Acesso em 2 setembro de 2013. Entrevista concedida à Revista Pontocom.

FRANCO, Marilia. (2010). Hipótese-cinema: múltiplos olhares. In: Revista Contemporânea de Educação – Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio

de Janeiro. RJ., v.5, n.9. janeiro/julho 2010 Disponível em: http://www.educacao.ufrj.br/artigos/ Acesso em: 9 nov 2012.

FRANCO, Marília. (1997). Linguagens audiovisuais e cidadania. Comunicação & Educação, São Paulo, (91: 32 a 35, maio/ago).

FRANCO, Marília. (1989). Cinema e educação. In: Imagem/Tecnologia/Educação, nº 1, ago/out de 1989, p. 46-9.

FRANCO, Marília. (1988). Escola audiovisual. 1988. Tese de doutorado (Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo). São Paulo: Universidade

de São Paulo.

KIEFFER, R. E.; COCHRAN, L. W. Manual of audiovisual techniques. (1962). Prentice-Hall.

LEFRANC, Robert. Las técnicas audiovisuales al servicio de la enseñanza. (1980). Buenos Aires: El Ateneo.

MARCONDES FILHO, Ciro. (2008). Para entender a comunicação: contatos antecipados com a nova teoria. São Paulo: Paulus.

MARCONDES FILHO, Ciro. (2010). Princípio da razão durante, vol.III, tomo 5, “O conceito de comunicação e a epistemologia metapórica” .São Paulo, Paulus.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. (1999). São Paulo: Martins Fontes.

MORIN, Edgar; ROUCH, Jean. (1961). Crônica de um verão. (filme / obra cinematográfica).

NÓBREGA, Terezinha Petrucia. (2008). Corpo, percepção e conhecimento em Merleau-Ponty. Estudos de Psicologia, 13(2), 141-148.

WITTICH, Walter A.; SCHULLER, Charles F. (1979). Instructional technology: its nature and use. 6ª ed. Harper & Row Publishers.