Jogo de cena – documentário, representação e a história cultural

Andressa Deflon Rickli

Resumo


Este artigo pretende abordar o cinema e a historiografia.
Para o primeiro, trabalhando a teoria realista do cinema,
para a segunda, numa perspectiva cultural da história.
Para tal tarefa, recorre aos conceitos de Jacques Aumont,
Jean Louis Comolli e ainda, predominantemente na
abordagem da História Cultural, aos conceitos de
Chartier, na tentativa de estabelecer as relações da
representação com os princípios teóricos norteadores
desse documentário em específico. Além disso, apresenta
uma análise do documentário objeto deste trabalho, Jogo
de Cena, do documentarista Eduardo Coutinho.


Palavras-chave


cinema; documentário; história cultural; representação; jogo de cena

Texto Completo:

PDF

Referências


AUMONT, Jacques; MARIE, Michel. Dicionário teórico e crítico de cinema. Campinas, SP: Papirus, 2007.

ERGER, John. Modos de ver. Lisboa: Edições 70, 1999. 168 p.

CHARTIER, Roger. O mundo como representação. Estudos Avançados, São Paulo, v. 5, n.11, 1991.

________. Poderes e limites da representação Marin, o discurso e a imagem. In: _____. À beira da falésia: a história entre certezas e inquietudes. Porto Alegre: Ed.

UFRGS, 2002.

________. A nova história cultural existe? In: LOPES, Antonio Herculano; PESAVENTO, Sandra Jatahy; VELLOSO, Monica Pimenta. História e linguagens:

texto, imagem, oralidade e representações. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2006.

________. Poderes e limites da representação Marin, o discurso e a imagem. In:______. À beira da falésia: a história entre certezas e inquietudes. Porto Alegre: Ed.

UFRGS, 2002.

COMOLLI, Jean-Louis. Sob o risco do real. In: ______. Ver e poder: a inocência perdida – cinema, televisão e documentário. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

COSTA, Flávia Cesarino. O primeiro cinema. 1ª ed. São Paulo: Editora Scritta, 1995.

COUTINHO, Eduardo. Encontros - Eduardo Coutinho. Org. Felipe Bragança. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2008.

DELEUZE, Gilles. A imagem-tempo (Cinema 2). 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 2007.

GINZBURG, Carlo. Representação: a palavra, a idéia, a coisa. In: ______. Olhos de madeira: nove reflexões sobre a distância. São Paulo: Companhia das Letras,

GOMBRICH, E. H. A história da arte. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1983.

HOLANDA, Karla. Documentário brasileiro contemporâneo e a micro-história. Fênix – Revista de História e Estudos Culturais, Uberlândia, v. 3, n.

, jan./fev./mar. 2006. Disponível em: .

POMIAN, Krzysztof. Coleção. In: Enciclopédia Einaudi. Porto: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1997. v.1 (Memória-história), p. 51-86.

LINS, Consuelo. O documentário de Eduardo Coutinho: televisão, cinema e vídeo. 2. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2007.

LINS, Consuelo; MESQUITA, Cláudia. Filmar o real: sobre o documentário brasileiro contemporâneo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2008.

MORIN, Edgar; 1956, O Cinema ou o Homem Imaginário. Lisboa, Moraes, 1970.

NICHOLLS, Bill. Introdução ao documentário. 2. ed. Campinas, SP: Papirus, 2005.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2007.

ROSSINI, Miriam de Souza. As marcas do passado: o filme histórico como efeito de real. 1999. 409 f. Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal do Rio

Grande do Sul, Porto Alegre, 1999.