YouTube como palco virtual: estudo de caso da banda Boyce Avenue

Bárbara Marina Almeida dos Santos

Resumo


Desde o início da década de 90 o mundo vem se
familiarizando mais com a internet. Com ela não apenas
governos e grandes redes de comunicação obtiveram
grandes avanços, mas também o público/receptor/
consumidor, que também passou a ser estudado e
analisado com maior peculiaridade. Com a internet a
globalização ganhou um novo conceito juntamente com
a evolução da comunicação e do acesso ao conhecimento.
Em um período de vivência da web 2.0 a internet
ganhou novas proporções principalmente se tratando
do ponto de vista do internauta/consumidor, porque
através dessa nova fase a rede ganha plataformas que
aumentam a interação entre os homens. Dos anos 90
para os anos 2000, como era de se esperar, as redes de
relacionamento/interação também evoluíram através
dos recursos tecnológicos, tentando se aproximar ao
máximo de uma comunicação face a face. O YouTube
é uma (das muitas) forte ferramenta de propagação/
divulgação, utilizada densamente por “anônimos”,
artistas iniciante, mas não deixando de ser uma aliada das
grandes indústrias devido a sua popularidade. Tamanha
popularidade é vista pela velocidade de propagação de
uma mensagem, pelo número de “curtidas”, comentários,
compartilhamento e etc. O internauta passou a assumir
uma postura ativa frente à rede. Hoje o consumidor/
internauta é considerado como Consumer-Generated
Media (CGM). Ou seja, ele gera conteúdo para os
meios e plataformas e também os consome. Os sites se
aliam as redes sociais, infundem ferramentas em suas
estruturas que permitem uma participação maior do
público e acabam agregando assim um sentimento de
participação e empatia. Através de autores como Jenkins,
Barbero e Gallego são embasados assuntos relacionados
à convergência midiática, cultura participativa, consumo,
cultura de massa e meios de comunicação e sobre a
indústria fonográfica. Baseado nisso o presente trabalho
pretende analisar o site como palco virtual para bandas
iniciais, no caso específico a banda Boyce Avenue, e a que
se deve tamanha popularidade em suas visualizações e
de que forma a publicidade dos artistas é realizada nessa
plataforma.


Palavras-chave


YouTube; música; convergência midiática; publicidade online

Texto Completo:

PDF

Referências


Barbero, J. M. (2001). Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro, UFRJ.

Boyce Avenue. www.boyceavenue.com.br/ (acedido a 05 de outubro de 2012)

Boyce Avenue Brasil . www.boyceavenuebr.com.br/ (acedido a 05 de outubro de 2012)

(2007) Boyce Avenue canal. www.youtube.com/user/boyceavenue (acedido a 05 de outubro de 2012)

(2009) Boyce Avenue. https://www.facebook.com/BoyceAvenue?fref=ts (acedido a 05 de outubro de 2012)

Bressan, R. T. (2007). YouTube: intervenção e ativismo. http://www.petfacom.ufjf.br/wordpress/arquivos/artigos/Artigo_1_You_Tube.pdf (acedido a 05 de

outubro de 2012)

BURGESS, J. (2009). YouTube e a revolução digital: como o maior fenômeno da cultura participativa transformou a mídia e a sociedade. São Paulo, Aleph.

CHAS, T. M. P.; CORDEIRO, A. F.; HOLTHAUSEN, J. (2011). Redes sociais como estratégia de marketing para bandas. http://www.intercom.org.br/papers/regionais/sul2011/resumos/R25-0077-1.pdf (acedido em: 05 de outubro de 2012)

GALLEGO, J. I. (2011) “Novas formas de prescrição musical”, in HERSCHMAN, M. Nas bordas e fora do mainstream musical: novas tendências da música

independente no início do século XXI. São Paulo, Estação das Letras e Cores Editora.

(2007) Helena Maria music. https://www.youtube.com/user/helenamariamusic?feature=watch (acedido a 20 de fevereiro de 2013)

JENKINS, H. (2009). Cultura da Convergência. São Paulo, Aleph.

JÚNIOR, J. A. P. (2008). YouTube: recriação ou descaracterização da linguagem do videoclipe?. Revista Cambiassu. (4), pp. 233-244.

KERTSCHER, L. (2012). O YouTube penaliza gravadoras acusadas de inflar visualizações de vídeos. http://www.cifraclubnews.com.br/noticias/48176-youtube-penalizagravadoras-acusadas-de-inflar-visualizacoes-de-videos.html (acedido a 20 de fevereiro de 2013)

(2007) Kurt Hugo Schneider canal. http://www.youtube.com/user/KurtHugoSchneider (acedido a 20 de fevereiro de 2013)

MERIGO, C. (2012). YouTube: 1 hora de vídeo a cada segundo. http://www.brainstorm9.com.br/28248/social-media/youtube-1-hora-de-video-a-cada-segundo/ (acedido a 05 de outubro de 2012)

(2008). Tiffany Alvord canal. http://www.youtube.com/user/TiffanyAlvord (acedido a 20 de fevereiro de 2013)

WEB 2.0. http://pt.wikipedia.org/wiki/Web_2.0 (Acedido a 05 de outubro de 2012)