Perfumes vendidos na Internet – Moda ou fenómeno?

Paula Lopes, Filipe Rosário

Resumo


Os perfumes são considerados produtos de luxo por
um lado devido ao tipo de marcas que comercializa este
tipo de produto e por outro devido ao seu preço elevado.
Apesar disso tornaram-se essenciais no nosso modo de
vida actual. Ir a uma perfumaria tornou-se um ritual que
implica ao consumidor(a) experimentar os perfumes,
observar as embalagens sempre elegantes, deixar-se
envolver pelas diversas fragrâncias que se sentem no
espaço da perfumaria.
Se a escolha de um perfume pode ser um momento tão
agradável, então porque comprá-los numa loja online?
Actualmente as empresas não podem deixar de existir
na internet. A sua presença na internet e um site bem
conseguido permite ampliar e diversificar o mercado.
Também as empresas que comercializam os diferentes
tipos de perfumaria selectiva querem estar neste canal
digital.
Este trabalho de investigação tem por objectivo perceber
porque os consumidores compram perfumes em lojas
online. Para a realização deste estudo será aplicado
um questionário a um grupo de consumidores onde se
pretende perceber porque escolhem uma loja online
para comprar perfumes. Os resultados apontam para
um registo de uma tendência crescente na compra de
perfumes.


Palavras-chave


perfumes; comércio electrónico; perfumaria online

Texto Completo:

PDF

Referências


Abras, C., Maloney-Krichmar, D., e Preece, J. (2004). Usercentered design. Bainbridge, W. Encyclopedia of Human-Computer Interaction. Thousand Oaks: Sage Publications, 37(4), pp.445-56.

Amit, R. e Zott, C. (2001). Value creation in e-business. Strategic management journal, 22(6-7), pp.493-520.

Balakrishnan, A., Kumara, SRT e Sundaresan, S. (1999). Manufacturing in the digital age: exploiting information technologies for product realization. Information Systems Frontier. 1: 25–50.

Baumann, S. (2011). Marketing Communication 2.0: leveraging multimedia brands through social media networks. International Business and Economics Review, 2, 98-113.

Briot, E. (2011) From Industry to Luxury: French Perfume in the Nineteenth Century. Business History Review 85, pp. 273–294. doi:10.1017/S0007680511000389.

Carrillo, M., Castillo, A., e Gómez, L. (2005). Imagen y comunicación en las PYMES. España: Editorial Fragua.

Carrillo, M. V., Castillo, A., e Gómez, L. (2005). El estado actual de la comunicación empresarial en regiones con un tejido empresarial en incipiente desarrollo: el caso de las PYMES pacenses. Aveiro, Portugal: Livro de actas do IV Congresso SOPCOM, 561-569.

Costa, S. e Ruiz, J. (2011) Comércio Eletrônico. Revista Eletrônica Novo Enfoque. V. 13, n. 13, pp. 150 – 157.

Dutta S, Segev A. (1999). Business transformation on the Internet. European Management Journal. 17, pp. 466–476.

Evans PB e Wurster TS. (1999). Blown to Bits: How the New Economics of Information Transforms Strategy. Harvard Business School Press: Boston, MA.

Pino, C. del (2011). Redes sociales, comunicación publicitaria y usuario digital en la nueva era. Revista Comunicación, 1, 163-174. ISSN 1989-600X.

Preece, J., Nonnecke, B., e Andrews, D. (2004). The top five reasons for lurking: improving community experiences for everyone. Computers in human behavior, 20(2), pp.201-223.

Rosário, F. (2008) A motivação para a compra de um perfume. Universidade da Extremadura. Badajoz, Espanha.

Shapiro C e Varian HR. (1999). Information Rules: A Strategic Guide to the Network Economy. Harvard Business School Press: Boston, MA.

Stuart, H. e Jones, C. (2004). Corporate Branding in Markspace. Corporate Reputation Review, 7, 84–93. Disponível em: doi:10.1057/palgrave.crr.1540213. [acedido a: 12 de maio de 2011].