Sustentabilidade nas indústrias farmacêuticas: ajustes entre discursos e práticas gerenciais

Devani Salomão

Resumo


O discurso dos gestores nas indústrias farmacêuticas
sobre sustentabilidade é dirigido a seus colaboradores
e busca vincular práticas gerenciais ambientais,
econômicas e sociais a uma imagem positiva da empresa.
Diversas organizações têm dificuldade em associar seus
discursos às práticas da gestão sustentável, ou seja,
“o comprometimento permanente dos empresários
de adotar um comportamento ético e contribuir
para o desenvolvimento econômico, melhorando,
simultaneamente, a qualidade de vida de seus empregados
e de suas famílias, da comunidade local e da sociedade
como um todo, para sua sustentabilidade”. (Melo Neto
& Froes, 1999:90).
Devido ao aspecto diversificado destes discursos
dos gestores, às vezes ambíguos e conflitantes nos
seus enfoques (ambientais, econômicos e sociais), os
funcionários das organizações podem ter entendimento
impreciso sobre o que é sustentabilidade e quais atitudes
se esperam dele dentro e fora da organização para estar
comprometido com este conceito.
Objetivo: Os propósitos dessa pesquisa foram verificar
e analisar quais fatores influenciam a interpretação
do conceito de sustentabilidade dos gerentes e seus
funcionários nas indústrias farmacêuticas, sejam eles
ambientais, econômicos ou sociais, e o que impede que
os discursos organizacionais se transformem em práticas
mais sustentáveis.


Palavras-chave


comunicação; discurso organizacional; formação acadêmica; indústrias farmacêuticas; práticas gerenciais; sustentabilidade

Texto Completo:

PDF

Referências


Alirol, Philippe. Como iniciar um processo de integração. In: Vargas, Heliana C.; Ribeiro, Helena (Org.). Novos instrumentos de gestão ambiental urbana. São Paulo: Editorada Universidade de São Paulo (Edusp), 2001. P. 21-42.

Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT. NBR ISSO 14001 Sistema de Gestão Ambiental: Especificações e diretrizes para uso. Rio de Janeiro: ABNT 1996 a.

Banerger, P. e Mashoulam, I. Human resource strategy: Formulation, implementation, and Impact. Sage Publication (Thousand Oaks, Califórnia), Ed. Sponsors. 2000.

Chiavenato, Idalberto. Gestão de pessoas: O novo papel dos recursos humanos nas organizações. 9a. Tiragem. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

___________________. Recursos Humanos. Edição compacta. 7a. edição. São Paulo: Atlas, 2002.

Comissão Mundial para o Meio Ambiente e Desenvolvimento – CMMAD. Nosso futuro comum. 2ª. Ed. Rio de janeiro. FGV, 1991.

Conselho Nacional de Saúde. Resolução no. 196, de 10/10/1996. Disponivel em https://www.google.com.br/search?q=taxa+de+rotatividad

e+na+indústria+farmacêutica&ie=utf-8&oe=utf-8&rls=org.mozilla:pt-BR:official&client=firefoxa&channel=np&source=hp&gws_rd=cr&ei=NbUsUuf4BIzw8ASj0oHgAw#. Acedido em 8 de setembro de 2013.

E 2014, Brasil deve assumir 6ª. posição no mercado farmacêutico. Disponível em< http://saudeweb.com.br/24181/em-2015-brasil-deve-assumir-6-posicao-nomercado-farmaceutico/>. Acedido em 27 de agosto de 2013.

Fiorelli, José Osmir. Psicologia para Administradores: Integrando Teoria e Prática. São Paulo: Atlas, 2000.

Gliessman, S.R. Agroecology – ecological processes in sustainable agriculture. Boca Raton: LevinPublishers, 2000. 358 p.

Guia 2012 – Interfarma, Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa. www.interfarma.org.br

Guia de comunicação e sustentabilidade. Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável. Disponível em . Acedido em 25 de maio de 2011.

Guia Exame 2010. Sustentabilidade. Ed. Abril. Dezembro, 2010.

Hays Recruting experts in Life Sciences. Um mercado com espaço para crescer. News life Sciences. 20 I Novembro 2012.

Hunt, C.; Auster, E. Proactive environmental management: avoiding the toxic trap. Sloan Management Review, Cambridge, v.31, n.2, p.7-18, winter 1990.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. . Acesso em: 17 de setembro de 2010 e 23 de janeiro de 2011.

Melo neto, F.P. Froes. C. Responsabilidade Social & Cidadania Empresarial: a Administração do Terceiro Setor. Rio de Janeiro: Qualymart, 1999.

Moritz, Gilberto. O & Pereira, Maurício P. Processo decisório. Disponível em http://www.uapi.edu.br/conteudo/material_online/disciplinas/pro_dec/

download/Processo_Decisorio_final_18_12_06.pdf. Acedido em 13 de setembro de 2013.

Nonaka, I.; Toyama, R. The theory of the knowledgecreating firm: subjectivity, objectivity and synthesis. Industrial and Corporate Change, Oxford, v.14, n.13, p.419-436, June 2005.

O Triple Bottom Line e a sustentabilidade corporativa. Disponível em < http://www.sustentabilidaderesultados.com.br/o-triple-bottom-line-e-a-sustentabilidadecorporativa/>. Acedido em 14 de setembro de 2013.

Paula. Gildom Nunes. Os desafios da indústria farmacêutica global e o redesenho do negócio pela Merck. Disponível em

Pereira. C. Maurício. Artigos científicos: como redigir, publicar e avaliar. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012.

Reis, Devani Salomão de Moura. A questão da saúde pública: um enfoque comunicacional. Dissertação de Mestrado, Escola de Comunicações e Artes/USP. 1999.

__________. Comunicação Pública dos Serviços de Saúde para o Idoso: Análise da Produção e Percepção da Cartilha “Viver Mais e Melhor”. Tese de Doutorado, Escola de Comunicações e Artes/USP. 2005.

Sanches, C.S. Gestão ambiental proativa. Revista de Administração de Empresa (RAE), São Paulo, v.40, n.1, p.76-87, jan./mar. 2000.

Ulrich, D. (Org.). Recursos humanos estratégicos: novas perspectivas para os profissionais de RH. São Paulo: Futura, 2000.

__________________________. Os campeões de recursos humanos: inovando para obter os melhores resultados. 7a. ed. São Paulo: Futura, 2002.

Trabalhadores do setor farmacêutico em estado de greve. Disponível em , acedido em 27 de agosto de 2013.

Wright, P. e G. McMahan (1992), Theoretical perspectives for strategic human resource management, Journal of Management 18, 295-320.

Zanini, Marco Túlio (org.). Gestão Integrada de Ativos Intangíveis. São Paulo: Editora Qualitymark, 2009. 304p.