Materiais Audiovisuais para a Educação a Distância: a Contribuição dos Estilos de Aprendizagem

Vanessa Matos dos Santos

Resumo


A compressão do tempo-espaço ocasionada
pelas novas tecnologias da informação e comunicação
somada à constante necessidade de especialização gerada
pelo mundo do trabalho têm feito com que antigas
demandas populacionais pressionem cada vez mais o
sistema público de ensino em busca de aperfeiçoamento.
O sistema educacional, por sua vez, é pressionado para
atender Sujeitos com necessidades diferentes e em
tempos diversos. Neste cenário, a educação a distância
(EAD) tem sido resgatada como uma importante aliada
na tarefa de democratizar o acesso à educação. Além de
outras ferramentas, a EAD tem feito uso intensivo dos
audiovisuais como forma de potencializar a compreensão
da mensagem, principalmente quando os Sujeitos
do processo educativo estão separados fisicamente.
Os estilos de aprendizagem permitem dar relevo às
diferenças individuais e nortear os usos dos materiais
audiovisuais que sejam mais adequados, segundo as
necessidades específicas dos alunos. Assim sendo,
esta pesquisa teve como objetivo geral compreender
os materiais audiovisuais educativos de acordo com
os estilos de aprendizagem, indicando caminhos e
estratégias de utilização. Soma-se a este aspecto, o fato
de que os audiovisuais educativos podem proporcionar
o desenvolvimento de estilos menos desenvolvidos nos
alunos, ampliando as oportunidades de aprendizagem.
Partindo destes pontos, e tendo como respaldo teórico a
Teoria dos Estilos de Aprendizagem, a pesquisa aponta
como os audiovisuais podem ser utilizados para situações
de aprendizagem em EAD, assim como também apresenta caminhos para pensar a gestão de conteúdos educativos de forma mais personalizada, ensejando uma relação mais próxima entre Comunicação e Educação.


Palavras-chave


audiovisuais; educação; comunicação; estilos de aprendizagem; educação a distância

Texto Completo:

PDF

Referências


ALONSO, Catalina; GALLEGO, Domingo; HONEY, Peter. (2007). Los estilos de aprendizaje: procedimientos de diagnóstico y mejora. Madrid:

Mensajero.

FERRES, Joan.Video y educación. (1994). Ediciones Paidós.

GARCIA CUÉ, José Luis. (2008). Identificación del uso de la tecnología computacional de profesores y alumnos de acuerdo a sus estilos de aprendizaje. Revista de Estilos de Aprendizaje. N. 1, v. 1, abril de 2008.

KERBAUY, Maria Teresa Miceli; SANTOS, Vanessa Matos. (2011). Redes sociais mediadas por computadores In: BARROS, D.M.V. et al. Educação e tecnologias: reflexão, inovação e práticas. Lisboa, 2011: [s.n.] ISBN: 978-989-20-2329-8.

LAGO, Baldomero; COLVIN, Lilian; CACHEIRO, María Luz. (2008). Estilos de aprendizaje y actividades polifasicas: modelo AEEP. Revista Estilos de Aprendizaje, n. 2. v. 2. Outubro.

MATOS DOS SANTOS, Vanessa. (2013). Materiais audiovisuais para a educação a distância: a contribuição dos estilos de aprendizagem. Tese. (Doutorado em Educação Escolar). Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Faculdade de Ciências e Letras, Campus de Araraquara, Brasil.

MCMILLAN, James H.; Schumacher, Sally. (2011). Investigación educativa: una introducción conceptual. 5. ed. Pearson Addison Wesley, 2011.

MENDONCA, Heloisa M. Nobrega. (1974). Os meios audiovisuais e a aprendizagem. Rio de Janeiro: Ed. J. Olympio.

MOORE, Michael G.; KEARSLEY, Greg. (2007). Educação a distancia: uma visão integrada. São Paulo: Pioneira Thomson.

MORAN, José Manuel. (2001). Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias audiovisuais e telemáticas. 2001. Disponível em: www.vanzolini-ead.org.br/wwwescola/.../int01_material_de_apoio.d.. Acesso em: 2 de setembro de 2013.

PASK, G. (1976). Styles and Strategies of Learning. J. Educ. Psychol. n.46, 128-148, 1976. (System Research Ltd., Richmond, Surrey).

PEREIRA, Eva Waisros; MORAES, Raquel de Almeida. (2009). História da educação a distância e os desafios na formação de professores no Brasil. In: SOUZA, A. M.; FIORENTINI, L. M. R.; RODRIGUES, M. A. M. (Orgs.). Educação superior a distância: comunidade de trabalho e aprendizagem em rede (CTAR). Brasília: Universidade de Brasília, Faculdade de Educação.

PETERS, Otto. (2009). A educação a distância em transição: tendências e desafios. Editora Unisinos.

SANCHO, Maria Juana. (Org). (2001). Para uma tecnologia educacional. Porto Alegre: Artmed.