Brincar com o Scrach: uma experienciação privilegiada de comunicação na infância

Ana Patrícia Oliveira, Maria Conceição Lopes

Resumo


O projeto Scratch’ando com o sapo na infância é
desenvolvido com crianças do jardim-de-infância e
pretende demonstrar como o Scratch do MIT Media Lab
(aplicação e linguagem de programação para crianças dos
8 aos 12 anos) pode promover o brincar social espontâneo
(BSE) na infância, ainda que, na fase inicial as crianças
sejam assessoradas pela intervenção mediadora dos
adultos.
A metodologia de suporte ao projeto é a investigaçãoação,
sendo esta complementada pela metodologia de
promoção do BSE, que evolui iterativamente ao longo de
vários estádios e fases sequenciais, permitindo, ao longo
do processo de aprendizagem da autonomia, identificar
qual é o nível do brincar social espontâneo em que as
crianças se encontram, quando brincam com o Scratch.
As sessões de intervenção-formação-experienciação com
a programação Scratch decorrem na Cooperativa de
Educação e Ensino A Torre em Lisboa, e são realizadas
em duas fases, a primeira é desenvolvida com crianças
de 5 e 6 anos de idade e a segunda com crianças de 4 e
5 anos de idade.
Em 2009 também foram criados, com a coparticipação
das crianças, um conjunto de onze tutoriais que estão
disponíveis no portal SAPO Kids (http://kids.sapo.pt/
scratch/formacao), bem como personagens (guardiões
do Scratch’ando com o sapo) que guiam as crianças
na narrativa e nas tarefas tutoradas para o domínio
da programação Scratch. Nas sessões de intervençãoformação-
experienciação utilizam-se estes tutoriais, de
forma a apoiar as crianças a explorarem o brinquedo, do
mesmo modo que se percebe como as crianças alvo do
estudo interagem e se expressam brincriando no Scratch.


Palavras-chave


brincar; comunicação; infância; scratch

Texto Completo:

PDF

Referências


Altman, I. and Taylor, D. (1973). Social penetration: The development of interpersonal relationships. New York: Holt.

Berger, C. and Bradac, J. (1982).Language and Social Knowledge: Uncertainty in Interpersonal Relations (Social Psychology of Language). Hodder Arnold.

Berger, C. and Calabrese, R. (1975). Some explorations in initial interaction and beyond: Toward a developmental theory of interpersonal communication. Human Communication Research, Vol 1, 99-112.

Burgoon, J.K. (1978). A communication model of personal space violations: Explication and an initial test. Human Communication Research, Vol. 4, 1978, pp. 129-142.

Hall, E. (1966). The Hidden Dimension. Anchor Books.

Lemish, D. (2008). ‘The Mediated Playground: Media in Early Childhood’. In K. Drotner and S. Livingstone (eds). The International Handbook of Children, Media and Culture. Sage, Los Angeles. pp. 152–167.

Lopes, C. (1998). Comunicação e Ludicidade. Tese de Doutoramento em CTC. Universidade de Aveiro.

Lopes, M. (2006a). Transparências: a essência da técnica nada tem de técnico mas de humano. Revista Animus, revista interamericana de comunicação mediática. Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Ciências Sociais e Humanas. Vol. V, nº1 (Jan/Jun 2006), pp.

-182.

McLuhan, M. (1964). Understanding Media. New York: Mentor.

McLuhan, M. (2004). Understanding Me: Lectures and Interviews. Edited by Stephanie McLuhan and David Staines, Foreword by Tom Wolfe. MIT Press.

McLuhan, M. and Fiore, Q. (1967). The Medium is The Message: an inventory of Effects. New York: Bantam Books.

Monroy-Hernández, A. and Resnick, M. (2008). Empowering kids to create and share programmable media. Interactions Magazine (ACM), 15, 2, pp. 50–53.

Postman, N. (1970). ‘The Reformed English Curriculum’. In A.C. Eurich (eds), High School 1980: The Shape of the Future in American Secondary Education.

Resnick, M., Maloney, J., Monroy-Hernández, A., Rusk, N., Eastmond, E., Brennan, K., Millner, A., Rosenbaum, E., Silver, J., Silverman, B., and Kafai, Y. (2009). Scratch: programming for all. Commun. ACM 52, 11, pp. 60-67.

Rusk, N., Resnick, M. and Maloney, J. (2003). Learning with Scratch, 21st Century Learning Skills. Lifelong Kindergarten Group, MIT Media Laboratory.

Strate, L. (1999). Understanding MEA. In Medias Res, Vol. 1, nº1, Fall.

Thorn, W (2008). Preschool Children and the Media. Communication Research Trends, Vol. 27, No. 2, pp. 3–28.