A Visão na ponta dos dedos: o desafio dos novos recursos tecnológicos móveis na aprendizagem das crianças cegas

Iolanda Sousa, Lurdes Guerreiro, Rosário Lourenço

Resumo


Relacionando conceitos como os de
comunicabilidade, sociabilidade, individualidade,
autonomia, deficiência, perceções, ritmos de
aprendizagem, competências, integração, entre outros,
neste estudo consubstancializa-se a potencialidade
sociocognitiva da criança cega com o paradoxo da
interpretação do “diferente” por uma sociedade
construída de e para pessoas escorreitas, num continuum
de educação tiflo-socio-comunicacional. Correlacionando
a tiflologia com as estratégias da infoinclusão, com
o acesso aos recentes recursos tecnológicos móveis,
perspetiva-se assegurar às crianças cegas o acesso à
informação através do estímulo às suas competências
literárias promovendo a garantia da igualdade de
oportunidades. Com recurso aos sentidos remanescentes
que envolvem as perceções não visuais, como a audição, o
tato ou sistema háptico, a cinestesia, a memória muscular
e o sentido vestibular, numa ótica integradora e inclusiva
é apresentada a dinamização de um protótipo de software
de introdução ao braille.


Palavras-chave


tifloperceptibilidade; desenvolvimento sociocognitivo; comunicação; recursos tecnológicos móveis; literacia

Texto Completo:

PDF

Referências


Apple (2013). Accessibility. In http://www.apple.com/accessibility/osx/#vision

Assunção, B., Kuczynski, E., Sprovieri, H. & Aranha, G. (2000). Escala de avaliação da qualidade de vida (AUQEI – Autoquestionnaire Qualité de vie Enfant Imagé) – Validade e confiabilidade de uma escala para a qualidade de vida em crianças de 4 a 12 anos. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, 58 (1), 119-127.

Beirante, J. (2011). Sistematização de tecnologia aumentativa e alternativa para pessoas com limitações visuais severas. In A., D. Guerreiro (Organizador), Comunicar e Interagir: um novo paradigma para o direito à participação social das pessoas com deficiência (1ª ed., pp 430-444). Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas.

Bruno, M. (1999). O significado da deficiência visual na vida cotidiana: análise das representações dos pais-alunos-professores. Dissertação apresentada à Comissão Julgadora da Universidade Católica Dom Bosco para a obtenção do grau de mestre, orientada pelo professor doutor Eduardo José Manzini, Campo Grande.

Cardoso, M. (2011). O Bebé cego no primeiro ano de vida: Intervenção precoce no seu desenvolvimento e interacção. In A., D. Guerreiro (Organizador), Comunicar e Interagir: um novo paradigma para o direito à participação social das pessoas com deficiência (1ª ed., pp 51-75). Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas.

Cavalcanti, S. & Silva, J. (2010). O desenvolvimento da criança deficiente visual e suas adaptações educacionais. Caderno Multidisciplinar de Pós-graduação da UCP. Pitanga, 1(2), 171-189.

Centro de Pesquisa, Documentação e Informação do Instituto Benjamin Constant [IBCENTRO/MEC]. (1996, Setembro). The Effects of Congenital Blindness on the Development of the Infant and Young Child Community Based Program for Blind Children. Community Based Program Boston Center for Blind Children — Boston, Massachussets/EUA. In http://www.ibc.gov.br/?catid=4&itemid=46. Acedido a 17 de Maio de 2013 em www.ibc.gov.br.

Dias, M. (1995). Ver, não ver e conviver (nº6). Lisboa: Secretariado Nacional para a Reabilitação e Integração das Pessoas com Deficiência. Dissertação apresentada ao Instituto Politécnico de Castelo Branco para obtenção do grau de mestre, orientada pela professora doutora Maria

Helena Ferreira de Pedro Mesquita, Castelo Branco.

Direção-Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular [DGIDC] (2008). Alunos cegos e com baixa visão – Orientações curriculares. Lisboa: DGIDC.

Empowering Users Through Assistive Technology [EUSTAT] (1999). Educação em tecnologias de apoio para utilizadores finais: Linhas de orientação para formadores. Milão: Comissão Europeia.

Ferreira, H. & Valdéz, M. Efdesportes.com, revista digital, ano10 nº87, agosto de 2005. In http://www.efdeportes.com, acedido em 25 de Janeiro de 2013.

Figueira, M. (2000, Dezembro). Assistência fisioterápica à criança portadora de cegueira congénita. Revista Benjamin Constant, nº 5. In http://www.ibc.gov.br/?catid=4&itemid=59, acedido a 17 de Maio de 2013 em www.ibc.gov.br.

Fontes, M. (1991). Vygotsky, L. S. - O Desenvolvimento Psicológico na Infância. São Paulo

Gleison, L. (2013). A NNSolutions faz parceria com a ABBYY para desenvolver a solução de leitura para celulares para pessoas com deficiência visual no Brasil. In http://www.abbyy.com.br/Default.aspx?DN=1702a019-282c-4349-8126-6e2cbf9c967c (acedido a 21 de Julho de 2013).

Grifin, H. & Gerber, P. (1996, Dezembro). Desenvolvimento tátil e suas implicações na educação de crianças cegas. Revista Benjamin Constant, nº5 In http://www.ibc.gov.br/?catid=4&itemid=46. Acedido a 17 de Maio de 2013 em www.ibc.gov.br.

Guerreiro, A. (2000). Para uma Nova Comunicação dos Sentidos. (nº16). Lisboa: Secretariado Nacional para a Reabilitação e Integração das Pessoas com Deficiência.

Guerreiro, A. (2001). Cultura dos sentidos e ampliação do paradigma comunicacional: uma vertente especial na interlocução e interacção humana. Caleidoscópio: Revista de Comunicação e Cultura, nº1, 97-107

Guerreiro, A. (2011a). Literacia Braille e inclusão: Para um estudo histórico-cultural e científico da tiflografia, tiflologia, infotecnologia e equipamentos culturais em Portugal. Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa.

Guerreiro, A. (2011b). Tifloperceptibilidade avançada vs sociocomunicabilidade, inclusão e qualidade de vida. In A., D. Guerreiro (Organizador), Comunicar e Interagir: um novo paradigma para o direito à participação social das pessoas com deficiência (1ª ed., pp 15-49). Lisboa:

Edições Universitárias Lusófonas.

Guerreiro, A. (2012). Comunicação e Cultura Inclusivas (1ª ed.). Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas.

Hoffmann, S. (2013). Criança com deficiência visual e suas relações com o outro social. In http://www.cmdv.com.br/lermais_materias.php?cd_materias=461. Acedido a 17 de Maio de 2013 em http://www.cmdv.com.br || http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/11140/1/Enquadramento%20te%C3%B3rico%20para%20integra%C3%A7%C3%A3o%20das%20tecnologias%20m%C3%B3veis-%20Moura%20%26%20Carvalho-2010.pdf (acedido a 21 de Setembro de 2013).

Keller, H. (1903, 2008). “A história da minha vida: com suas cartas (1887-1901) e um relato suplementar sobre sua educação, incluindo trechos das narrativas e cartas da professora, Anne Mansfield Sullivan. In http://deficienciavisual9.com.sapo.pt/r-HistoriaDaMinhaVida-HelenKeller.htm, acedido a 30 de Maio de 2013.

Lora, T. (2003). Descobrindo o real papel das outras percepções além da visão, para a Orientação e Mobilidade. In Mota, M. (Coordenadora), Orientação e Mobilidade: Conhecimentos básicos para a inclusão da pessoa com deficiência visual. (pp 58-67). Brasilia: Ministério da

Educação Secretaria da Educação Especial.

Machado, E. (2003). Desenvolvimento da criança e políticas públicas de inclusão. In Mota, M. (Coordenadora), Orientação e Mobilidade: Conhecimentos básicos para a inclusão da pessoa com deficiência visual. (pp 22-37). Brasília: Ministério da Educação Secretaria da Educação

Especial.

Miranda, J. & Senra, L. (2012). Aquisição e desenvolvimento da linguagem: contribuições de Piaget, Vygotsky e Maturana. In http://www.psicologia.pt, acedido a 25 de Janeiro de 2013.

Moura, A. & Carvalho, A. (2010). Enquadramento teórico para a integração de tecnologias móveis em contexto educativo. I Encontro Internacional TIC e Educação, pp. 1001 – 1006. In NNSolutions (2013). In http://www.nnsolutions.srv.br/site/ (acedido a 21 de Julho de 2013).

Padula, W. & Spungin, S. (1996, Maio). A criança visualmente incapacitada – do nascimento até a idade pré-escolar – a importância da estimulação visual. Revista Benjamin Constant, nº3. In http://www.ibc.gov.br/?itemid=109, acedido a 17 de Maio de 2013 em www.ibc.gov.br.

Palangana, I.C. (2001). Desenvolvimento e aprendizagem em Piaget e Vygotsky: a relevância do social (5ªed). São Paulo: Summus editorial.

Piaget, J. (1989). A linguagem e o pensamento da criança. São Paulo: Martins Fontes.

Piaget, J. (2007). Epistemologia genética. 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes. Priberam. Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. In

http://www.priberam.pt/

Rodrigues, A. (2011a). Factores de risco no desenvolvimento de uma criança cega ou com baixavisão. In A., D. Guerreiro (Organizador), Comunicar e Interagir: um novo paradigma para o direito à participação social das pessoas com deficiência (1ª ed., pp 78-100). Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas.

Rodrigues, A. (2011b). A Interacção Familiar e o Desenvolvimento da Criança com Problemas Visuais: Os pais como instrumento Promotor do Desenvolvimento Saudável da criança e da Qualidade de Vida familiar (da Gestação aos 10 Anos de Idade). Dissertação apresentada

ao Departamento de Comunicação, Artes e Tecnologias da Informação da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias para obtenção do grau de mestre, orientada pelo professor doutor Augusto Deodato Guerreiro.

Romeiras, M., & Fontes, R. (2011). Universalização de conteúdos digitais: o nono paradigma de integração. In A., D. Guerreiro (Organizador), Comunicar e Interagir: um novo paradigma para o direito à participação social das pessoas com deficiência (1ª ed., pp 464-478). Lisboa:

Edições Universitárias Lusófonas.

Ruivo, J. & Almeida, I. (2002). Contributos para o estudo das práticas da educação precoce em Portugal. Lisboa: Ministério da Educação.

Saint-Exupéry, A. (1995). O Principezinho. Lisboa: Europa-América.

Santos, H. & Falkenbach, A. (2008). Aprendizagem e desenvolvimento da criança com deficiência visual: os processos compensatórios de Vygotsky. In www.efdeportes.com. Acedido a 25 de Janeiro de 2013.

Secretariado Nacional para a Reabilitação e Integração das Pessoas com Deficiência [SNRIPD]. (2002). Resolução ResAP: Para a plena cidadania das pessoas com deficiência através de novas tecnologias inclusivas. Lisboa: SNRIPD.

Serrano, J. (2011). Deficiência, inclusão e qualidade de vida: evolução conceptual e novas lógicas de apoio. In A., D. Guerreiro (Organizador), Comunicar e Interagir: um novo paradigma para o direito à participação social das pessoas com deficiência (1ª ed., pp 311-336). Lisboa:

Edições Universitárias Lusófonas.

Silva, L. (2005) O Braille e a sua importância na educação dos cegos. In http://www.lerparaver.com, acedido em 25 de Janeiro de 2013

Sousa, J. (2009, Janeiro/Abril). O que percebemos quando não vemos? Revista de psicologia, 21(1), 179-184.

Tetzchner, S. & Martinsen, H. (2000). Introdução à Comunicação Aumentativa e Alternativa. Porto: Porto Editora.

Vygotsky, L.S. (1998). Pensamento e linguagem. 2ªed. São Paulo: Martins Fontes.

Vygotsky, L.S. (2007). A formação social da mente. 7ªed. São Paulo: Martins Fontes.

Weil, P. & Tompakow, R. (1997). O corpo fala: a linguagem silenciosa da comunicação não verbal. Petrópolis: Editora Vozes.