O corpo simbólico masculino

Wilson Pereira Dourado

Resumo


Fruto de investigações iniciadas para tese de
doutoramento na Pontifícia Universidade Católica de
São Paulo, na linha de pesquisa em análise das mídias,
este trabalho tem por objetivo demonstrar como está
hoje sendo representada a imagem do masculino em
revistas impressas. Investiga o dilema contemporâneo
instalado pela mídia que aponta o narcisismo como
traço característico de uma sociedade de consumidores
e instala um homem simbólico, fetichizado, com metas e
desafios sobre-humanos ditados pelo discurso mediático
que promete revelar uma vida saudável e de gozo pleno.
Metodologicamente, esse estudo baseia-se na análise dos
pôsteres da revista Men’s Health com seu aparato signico
que compõe a imagem desse homem tomando como
princípio o referencial narcisista veiculado pelos meios de
comunicação que transformam o sujeito no seu próprio
ideal, em uma dimensão efetivamente simbólica. Intentase
analisar alguns padrões discursivos estabelecidos para
a construção da imagem desse novo tipo de homem que
eram, aparentemente, e até então, característicos do
universo feminino.


Palavras-chave


publicidade; consumo; semiose; mídia; corpo e imagem

Texto Completo:

PDF

Referências


Barthes, R. 2003. Mitologias. São Paulo, Difel.

Baudrillard, J. 1995. A sociedade de consumo. Lisboa, 70.

_____. 1991. Simulacros e simulação. São Paulo, Relógio D´Água.

Bauman, Z. 2008. Medo Líquido. Rio de Janeiro, Zahar.

Bourdieu, P. 2006. O poder simbólico. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil.

Cesarotto, O. A. e Leite, M. P. 2001. Jacques Lacan: Uma biografia intelectual. São Paulo, Iluminuras.

_____. O. 2010. A. Ideias de Lacan. São Paulo, Iluminuras.

Corbin, A. (Org.), Courtine, J.J. (Org), Vigarello, G. (Org). 2008. História do corpo. Da renascença às Luzes. Vol. 1. Rio de Janeiro, Vozes.

_____. 2008. História do corpo. Da revolução à grande guerra. Vol. 2. Rio de Janeiro, Vozes.

_____. 2008. História do corpo. As mutações do olhar: O século XX. Vol. 3. Rio de Janeiro, Vozes.

Debord, G. 1997. A sociedade do espetáculo – comentários sobre a sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro, Contraponto.

Freud, S. 2012. Totem e tabu, contribuição à história do movimento psicanalítico e outros textos. (1912–1914). São Paulo, Companhia das Letras.

_____. 2010. Introdução ao narcisismo, ensaios de matapsicologia e outros textos (1914 -1916). São Paulo, Companhia das Letras.

_____. 2010. O mal-estar na civilização, novas conferências introdutórias e outros textos. (1930 -1936). São Paulo, Companhia das Letras.

_____. 2011. Psicologia das massas e análise do eu e outros textos (1920-1923). São Paulo, Companhia das Letras.

Haug, W. F. 1997. Crítica da estética da mercadoria. São Paulo, UNESP.

Santi, P. L. R. 2011. Desejo e Adição nas Relações de Consumo. São Paulo, Zagodoni.

Zielinski, S. and Eckhard F. 2010. Variantology 4 – On Deep Time Relations of Arts, Sciences and Technologies in the Arabic-Islamic World and Beyond. Cologne, Walther Koenig.

Žižek, S. 2010. Como Ler Lacan. São Paulo, Zahar.