Setor Cultural e Criativo: Relação entre Formas de Financiamento e Comunicação

Nuno Moutinho, Ana Margarida Carvalho

Resumo


O setor cultural e criativo (SCC) português, estruturado
em três esferas - “Atividades Nucleares”, “Indústrias
Culturais” e “Atividades Criativas” - foi responsável
por 2,8% da riqueza criada em Portugal em 2006. No
SCC persistem profundas diferenças e oportunidades
no que respeita às fontes de financiamento. Neste
estudo, vão ser analisados seis projetos financiados de
forma distinta: público, privado, mecenato, patrocínio,
financiamento coletivo e business angels. O objetivo é
verificar se a fonte de financiamento altera a forma de
comunicação. A análise empírica desenvolveu-se de
outubro de 2011 a setembro de 2012, a partir de análise
de conteúdo a entrevistas realizadas aos promotores
dos projetos. Houve o cuidado de incluir as novas
possibilidades de financiamento, como o financiamento
coletivo (crowdfunding) e os business angels. Procurouse
definir o modelo de negócios para cada caso,
enquanto reflexo da sua identidade e da forma como
pretende implementar-se. A partir das entrevistas
semi-estruturadas, aplicou-se o modelo de negócios
baseado nos nove blocos do Business Model Canvas, um
modelo visual, prático, diferenciador e tangível, assente
na ideia do storytelling, onde todas as mensagens
são transmitidas com recurso a imagens, palavras ou
pequenas frases. Quem tem uma ideia precisa de a
sintetizar num modelo de negócios para posteriormente
passar à sua implementação. A comparação dessa
síntese elaborada a partir das entrevistas permitirá
a resposta às questões de investigação. É expectável
que as formas de financiamento alterem o modelo de
negócios e a forma de comunicação interna e externa
dos projetos. Os resultados alcançados sugerem que,
contrariamente ao esperado, nos seis casos analisados,
as opções de comunicação da proposta de valor são
semelhantes. As tendências principais têm por base
o contacto direto e formatos online de comunicação.
Outra análise, fortemente ligada com a comunicação,
permite constatar que o mote dos projetos passa por
envolver pessoas e protagonizar mudança pela oferta
de produtos e experiências únicas que culminam numa
transformação da vida das pessoas. A experiência
encerra a ligação entre a criatividade e as pessoas e é
nesta experiência que reside a proposta de valor do SCC
e dos seus projetos.


Palavras-chave


setor cultural e criativo; fontes de financiamento; modelos de negócio

Texto Completo:

PDF

Referências


Byrnes, W.J. (2009). Management and the Arts. Oxford, Focal Press.

Carvalho, A. & Seabra, D. (2011). Microfilantropia - O financiamento coletivo ao serviço da Cultura. Atas - 7º SOPCOM - Meios Digitais e Indústrias criativas - Os efeitos e desafios da globalização, pp. 3519-3531. http://sopcom2011.up.pt/media/SOPCOM_2011_Atas.pdf (Acedido a 11 de julho de 2013).

CE (2010). Livro Verde - Realizar o potencial das indústrias culturais e criativas, [e-book] Disponível em: http://ec.europa.eu/culture/documents/greenpaper_creative_industries_pt.pdf (Acedido a 11 de julho de 2013)

Čopic, V. (2011). Incentivos ao investimento privado no setor da cultura. [e-book] Direção Geral das Políticas Internas da União. Disponível em http://www.europarl.europa.eu/committees/en/cult/studiesdownload.html?languageDocument=PT&file=54427 (Acedido a 11 de julho de 2013).

Eisenhardt, K. M. (1989). Building Theories from Case Study Research. Academy of Management Review, 14(4), pp. 532-550.

Guerra, I.C. (2006). Pesquisa Qualitativa e Análise de Conteúdo: Sentidos e Formas de Uso. Lisboa, Principia.

Ilczuk, D. (2011). A few remarks on financing of culture. Turin, Fondazione Rosselli.

KEA (2006). The Economy of Culture in Europe. [e-book] Directorate General for Education and Culture. Disponível em http://www.keanet.eu/ecoculture/studynew.pdf (Acedido a 11 de julho de 2013)

KEA (2009). The Impact of Culture on Creativity. [e-book], European Comission, Disponível em http://ec.europa.eu/culture/documents/study_impact_cult_creativity_06_09.pdf (Acedido a 11 de julho de 2013)

Klamer, A. (sd). Value of culture, mimeo.

Klamer, A., Mignosa, A., Petrova, L. (2006). Financing the arts and culture en the European Union. [e-book] Disponível em: http://www.europarl.europa.eu/activities/expert/eStudies.do?language=EN (Acedido a 11 de julho de 2013)

Klamer, A., Mignosa, A., Petrova, L. (sd). The relationship between public and private financing of culture in the EU, mimeo.

Kotler, P., Kartajaya, H., Setiawan, I. (2010). From Products to Customers to the Human Spirit: Marketing 3.0, John Wiley & Sons, 2010

Mateus, A. (2010). O Setor Cultural e Criativo em Portugal: Estudo para o Ministério da Cultura, [e-book] Disponível em: http://www.mincultura.gov.pt/SiteCollectionDocuments/Imprensa/SCC.pdf (Acedido a 11 de julho de 2013)

Moutinho, N.; Leite, P. (2012). How to Crowdfund an Idea in Digital Platforms. Livro de Atas do III COBCIBER realizado na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, pp. 374-394. http://cobciber3.files.wordpress.com/2013/03/livro-de-atas-iii-cobciber-moutinho_leite.pdf (Acedido a 11 de julho de 2013)

Osterwalder, A. e Pigneur, Y. (2010). Business Model Generation. Portland, HTF Mercury

Tóth, Á. (2012). The Economic Performance of the Cultural Setor in the European Union: an Institutional perspetive, The Association for Cultural Economics International 2012 Conference. http://www.jace.gr.jp/ACEI2012/usb_program/pdf/6.8.4.pdf (Acedido a 11

de julho de 2013)

Yin, R. K. (1989). Case study research: Design and methods. Newbury, Sage