Consumo cultural de jovens em tempo de convergência midiática

Marcília Luzia Gomes da Costa Mendes, Bárbara Marina Almeida dos Santos, Kildare de Medeiros Gomes Holanda

Resumo


A convergência midiática, conceito proposto por Henry
Jenkins (2009) engloba o fluxo de conteúdo através
de múltiplos suportes, a cooperação entre mercados
midiáticos e o comportamento das audiências. Por
isso, para entender o processo de convergência que
vivemos atualmente, é preciso compreendê-lo como uma
transformação cultural, que altera a lógica pela qual a
indústria midiática opera e pela qual os consumidores
processam o conteúdo recebido. Nesse sentido, a nossa
proposta de pesquisa está relacionada com a posse das ou
acesso às tecnologias digitais. Tomando como premissa
a ideia de que o processo de convergência midiática
não trata apenas da inserção de diferentes mídias ou
linguagens dentro de um único suporte, entende-se que
ela extrapola questões técnicas e passa a ter que ver
também com a ação de produtores e consumidores de
conteúdos midiáticos. Falar de convergência implica,
também, levar em consideração o atual contexto de
acesso móvel a web, por meio de aparelhos que possuem
convergência de funções. O acesso à web não se faz
apenas de modo isolado, de dentro de um escritório,
mas sim em qualquer lugar, para quem tem condições
técnicas e habilidades para estar conectado. A cultura da
mobilidade (SANTAELLA, 2007, p.18) é fruto das mídias
de comunicação sem fio, móveis, que falam da presença
mediada, tele presença, presença ausente, distância
virtual, ubiquidade, todas elas expressões que colocam
em questão antigas certezas sobre nossa corporeidade.
Como disse Jenkins (2009, p.8) estamos numa época de
grandes transformações, e todos nós temos três opções:
temê-las, ignorá-las ou aceitá-las. Desta forma, nossa
proposta aqui é pensar os espaços de circulação e fluxos de
consumo, que nesse panorama envolve a interatividade, a
participação e o encadeamento midiático (PRIMO, 2008),
potencializados pela configuração da Web 2.0 e a nova
cultura de acesso, propiciada pela mobilidade, atentando
para as táticas de apropriação, reconfiguração, produção
e interação dos públicos.


Palavras-chave


consumo; cultura; convergência midiática; juventude; Web 2.0

Texto Completo:

PDF

Referências


Barbero, J. M. (2001). Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro, UFRJ.

Bock, Ana (ed.) (1999). As psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. São Paulo, Saraiva. 5 “Pro” provém de producer (produtor) e “sumer” de consumer (consumidor).

Bourdieu, P. (1983). “A juventude é apenas uma palavra”, in: Questões de sociologia. Rio de Janeiro, Marco Zero, pp.112-121.

Canclini, N. G. (2010). Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro, UFRJ.

Castells, M. (1999). O poder da identidade: a era da informação. São Paulo, Paz e Terra.

Ferreira, L. (2011). Jovens e o uso de internet: análise bibliográfica a partir do referencial dos estudos sobre juventude. Seminário nacional Sociologia & Política – Repensando a desigualdade em novos contextos. http://www.seminariosociologiapolitica.ufpr.br/anais2011/9_481.pdf (acedido a 27 agosto de 2013

Gonçalves, M. S. (2006). “Ciberespaço, ciberamantes, ciberamigos”, in Rocha, E. (ed), Comunicação, consumo e espaço urbano: novas sensibilidades nas culturas jovens. Rio de Janeiro, PUC-Rio/Mauad Ed., pp. 89-101.

Hall, S. (2006). A identidade cultural na pósmodernidade. Rio de Janeiro, DP&A.

Jacks, N. (1999). Querência: cultura regional como mediação simbólica – um estudo de recepção. Porto

Alegre, Ed. Universidade/UFRGS.

Jenkins, H. (2009). Cultura da Convergência. São Paulo, Aleph.

Leitão, C. F. (2006). “Inventando novas vidas em novas realidades”, in Rocha, E. (ed), Comunicação, consumo e espaço urbano: novas sensibilidades nas culturas jovens. Rio de Janeiro, PUC-Rio/Mauad Ed., pp 71-87.

Neri, M. C. (2010). A nova classe média: o lado brilhante dos pobres. Rio de Janeiro, FGV/IBRE.

Rocha, E. & Pereira, C. (2009). Juventude e consumo: um estudo sobre a comunicação na cultura contemporânea. Rio de Janeiro, Mauad.

Sousa, M. W. (ed). (1995). Sujeito, o lado oculto do receptor. São Paulo,Brasiliense.

Telefónica (2013). Telefónica global millenial survy: global reports. http://survey.telefonica.com/globalreports/> (acedido a 28 junho de 2013)