Especificidades Educomunicacionais Inclusivas num Desenvolvimento Humano mais Universal

Augusto Deodato Guerreiro

Resumo


O desenvolvimento humano e o progresso em geral
acontecem, desde que alicerçados no impulso e
dinamização do equacionamento e funcionamento de
uma estrutura sinergética positiva e de contemplação
ilimitadamente abrangente e sem exceções.
As especificidades educomunicacionais inclusivas
ajudam a promover e a instaurar esse novo paradigma
educomunicacional, numa dimensão mais universal e
com lugar para todos.
Através do diálogo, empenho e desempenho na socialização
e comunicabilidade de todos, podem conceber-se
e implementar-se especificidades comunicacionais
aumentativas e alternativas e as necessárias condições
inclusivas em todas as áreas do conhecimento, de forma
a sentirmo-nos todos confortavelmente envolvidos num
abraço inclusivo desse mundo de diferenças, em que
todos cabemos.
A educomunicação, consubstanciada no polinómio
educação-comunicação/TIC-cultura inclusiva-pedagogia
comunicacional, é o caminhar livre e digno, ético e
socializante, numa perspetiva ecoevolutiva humana
profícua e eticizante da vida).


Palavras-chave


comunicação; educação; cultura; educomunicação; desenvolvimento biopsicossocial

Texto Completo:

PDF

Referências


AMARAL, M. Augusta, et al. (1994). Para uma Gramática da Língua Gestual Portuguesa. Lisboa, Caminho.

BALTAZAR, A. (2010). Ideias incorrectas sobre a LGP e as pessoas surdas. “Surdos Notícias”, vol. 2.

BATESON. G. (1989). Metadiálogos. Lisboa, Gradiva.

BATESON, G. (1987). Natureza e Espírito. Lisboa, Publicações Dom Quixote.

BATESON. G., et al. (1981). La Nouvelle Communication. Paris, Seuil.

BERTALANFFY, L. von (1972). Théorie Général des Systèmes. Paris, Dunod.

BRONFENBRENNER, U. (1987). La Ecología del Desarrollo Humano. Barcelona, Paidós.

CARDOSO, G. (2006). Os Media na Sociedade em Rede. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian.

CASTELLS, M. (2005). A Sociedade em Rede. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian.

CITELLI, A. O., e COSTA, M. C. C., Orgs. (2011). Educomunicação: Construindo uma Nova Área de Conhecimento. São Paulo, Editora Paulinas.

DESCHEPPER, J. (1992). Saber Comunicar com os Jornalistas de Imprensa, Rádio e Televisão. Lisboa, Edições CETOP.

FONSECA, Vítor da (1999b). Perturbações do Desenvolvimento e da Aprendizagem, Tendências Filogenéticas e Ontogenéticas. Lisboa, Faculdade de Motricidade Humana/UTL.

FONSECA, Vítor da (1999a). Aprender a Aprender a Educação Cognitiva. Lisboa, Editorial Notícias.

GUERREIRO, A. Deodato (2013). Educomunicação inclusiva no século XXI: desafios e propostas. In: Atas do Seminário Nacional “Especificidades Comunicacionais na Educomunicação no Século XXI: Relacionamento e Interação no desenvolvimento Humano Inclusivo”, realizado nos dias 14 e 15 de junho, Lisboa, organizado pela ECATI/ULHT.

GUERREIRO, A. Deodato (2012a). Comunicação e Cultura Inclusivas. Lisboa, Edições Universitárias Lusófonas da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.

GUERREIRO, A. Deodato (2012b). Comunicação e cultura inclusivas no desenvolvimento humano. In: livro

de Atas do LIC’12 - Lusofona International Congress: Perspetivas Internacionais (Evento realizado nos dias 8 a

de novembro). ISLA-Gaia, Portugal, Editores António Lencastre Godinho e José Joaquim Moreira; 33-45.

GUERREIRO, A. Deodato (2012c). Comunicação, educação e cultura inclusivas nos media. In: “Atas do X Congresso Lusocom” (Evento realizado nos dias 27 a 29 de setembro). Lisboa, ISCSP/UTLisboa.

GUERREIRO, A. Deodato, Org. (2011a). Comunicar e Interagir: Um Novo Paradigma para o Direito à Participação Social das Pessoas com Deficiência. Lisboa, Edições Universitárias Lusófonas da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.

GUERREIRO, A. Deodato (2011b). Literacia Braille e Inclusão: Para um Estudo Histórico-Cultural e Científico da Tiflografia, Tiflologia, Infotecnologia e Equipamentos Culturais em Portugal. Lisboa, Câmara Municipal - DMC/GRC.

LINDSTONE, J. (1994). Como Lidar com os Media. Lisboa, Edições CETOP.

MARTINS, M. Lemos (2002). A Linguagem, a Verdade e o Poder: Ensaio de Semiótica Social. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian/Fundação para a Ciência e Tecnologia.

MARTINSEN, S. T. H. (2000). Introdução à Comunicação Aumentativa e Alternativa. Porto, Porto Editora.

MIRANDA, J. A. Bragança de. (2002). Teoria da Cultura. Lisboa, Edições Século XXI.

MIRANDA, J. A. Bragança de, e CRUZ, M. Teresa, Orgs. (2002). Crítica das Ligações na Era da Técnica. Lisboa,

Tropismos.

MITTLER, P. (2003). Educação Inclusiva: Contextos Sociais. São Paulo, Artmed Editora.

PARSONS, T. (1984). Sociedades: Perspectivas Evolutivas e Comparativas. São Paulo, Livraria Pioneira.

PIAGET, J. (1989). A Linguagem e o Pensamento da Criança. São Paulo, Martins Fontes.

PIAGET, J. (1986). O Nascimento da Inteligência na Criança. Lisboa, Publicações Dom Quixote.

POPPER, K. (1992). Em Busca de um Mundo Melhor: Ensaios. Lisboa, Fragmentos.

REI, J. N. Esteves (2002). A Comunicação Estratégica. Vila Nova de Gaia, Estratégias Criativas.

RODRIGUES, A. Duarte (1999). As Técnicas da Comunicação e da Informação. Lisboa, Presença.

RODRIGUES, David, Org. (2003). Perspectivas Sobre a Inclusão: da Educação à Sociedade. Porto, Porto Editora.

VERDUGO ALONSO, M. A. (1996). Como Mejorar la Calidad de Vida de las Personas con Discapacidad: Instrumentos y Estrategias de Evaluación. Salamanca, Amaro Ediciones.

VYGOTSKY, L. S. (1998). Pensamento e Linguagem. São Paulo, Livraria Martins Fontes.

VYGOTSKY, L. S. (1992). A Formação Social da Mente: Psicologia e Pedagogia, o Desenvolvimento dos Processos Psicológicos Superiores. São Paulo, Livraria Martins Fontes.

WATZLAWICK, P., et al. (1993). A Pragmática da Comunicação Humana. São Paulo, Editora Cultrix.