A Cartografia e a Pintura Setecentista no Norte da Europa

Jorge Bruno Ventura

Resumo


A ‘arte de pintar’ de Vermeer é uma das
referencias quando o propósito é abordar a arte da
cartografia em junção com pintura setecentista no Norte
da Europa1. Nesta obra surge um grande mapa que não
passou despercebido aos historiadores de arte e que
apresenta indícios de uma analogia entre a cartografia
(mapas) e pintura (no caso a holandesa). Esta obra de
Vermeer , que apresentamos na figura 1 do presente texto,
é considerada a maior e mais complexa obra do autor e é
também uma das suas preferidas, tal como prova a recusa
da sua venda mesmo em tempos de crise do pintor. É uma
pintura óptica com a capacidade de oferecer uma visão
realista. Na cena representada, apesar dos vários motivos
de interesse apresentados pela obra, interessa colocar o
foco da nossa atenção no mapa que pendurado numa das
paredes do atelier do pintor. (...)


Palavras-chave


cartografia; pintura; topografia; Quattrocenti; perspectiva

Texto Completo:

PDF

Referências


Alpers, S. (1983). The Art of describing: Dutch Art in the Seventeenth Century. Chicago. The University of Chicago Press.

Alpers, S. (1999). A Arte de Descrever: A Arte Holandesa no Século XVII. São Paulo. Editora da Universidade de São Paulo.

Berger, J. (1996). Modos de Ver. Lisboa: Edições 70. Glucksmann, C. B. (1996). L’oeil Cartographique De L’Art.

Paris. Galilee.

Janson, H.W. (1998). História da Arte. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Jay, M. (1988). “Scopic Regimes of Modernity”, Vision and Visuality. Seattle: Bay Press, pp 3-23.

King, I.W. (2007). Straightening our Perspective: The Logos of the Line. Sage.

Levin, D.M. (1993). Introduction In Modernity and the hegemony of Visions. University of California Press.

Pallasmaa, J. (2008). The eyes of the skin. West Sussex: Wiley and sons.

Thun-Hohenstein, F. (2009). From a cartographic Glance to Synchronistic Experiences. In Cartwright, W et al

(Org.), Cartography and Art (pp. 35-41). Berlin. Springer.