Estudo sobre associações semânticas à marca Novo Banco

Mariana Vieira Martins, Maria Teresa Roberto, Nuno Miguel Fortes

Resumo


Este artigo tem como objetivo estudar as associações semânticas à marca Novo Banco,
a partir de dados recolhidos para o desenvolvimento de uma dissertação de mestrado dirigida à
eficácia da identidade visual do Novo. Nesta investigação foram utilizados conceitos de várias
áreas científicas, incluindo a semântica, que teve um papel decisivo na análise de resultados.
Neste sentido, o presente artigo realça o contributo da semântica, explorando sobretudo o conceito de
significado associado. O Novo Banco surgiu da aplicação da medida de resolução ao Banco Espírito
Santo, na sequência da crise no Banco Espírito Santo, cujas consequências, algumas delas ainda sem
resolução, revestem todo o contexto com uma forte carga emotiva. De forma a melhor compreender
esta componente emocional estudaram-se, então, as associações semânticas à marca com foco no
significado afetivo (parte do significado associado), que reflete as atitudes e sentimentos do emissor
relativamente a dado assunto.


Palavras-chave


Novo Banco; crise; perceção do público geral; associações semânticas; significado afetivo

Texto Completo:

PDF

Referências


Banco de portugal (2014), Comunicado do Banco de Portugal sobre a aplicação da medida de resolução ao Banco Espírito Santo. URL: https://www.bportugal.pt/pt-PT/OBancoeoEurosistema/ComunicadoseNotasdeInformacao/Paginas/combp20140803.aspx. [Acesso em fevereiro de 2015].

— (2015), Comunicado do Banco de Portugal sobre a quarta fase do procedimento de alienação do Novo Banco, S.A.. URL: https://www.bportugal.pt/pt-PT/OBancoeoEurosistema/ComunicadoseNotasde Informacao/Paginas/combp20150819.aspx. [Acesso em abril de 2015].

— (2015), Comunicado do Banco de Portugal sobre o processo de venda do Novo Banco. URL: https://www.bportugal.pt/pt-PT/OBancoeoEurosistema/ComunicadoseNotasdeInformacao/Paginas/combp20150915.aspx. [Acesso

em abril de 2015].

Barroso, M. A. (2014), «Prejuízo histórico de 3.577 milhões no BES», Diário Económico. URL: http://economico.sapo.pt/noticias/prejuizo-historico-de-3577-milhoes-no-bes_198737.html. [Acesso em fevereiro de 2015].

Coombs, W. T. (2007), «Protecting organization reputations during a crisis: the development and application of situational crisis communication theory», Corporate Reputation Review, 10 (3), p. 163-176.

Crisóstomo, P./ Soares, R. (2015), «Os momentos mais importantes do banco que nasceu do colapso do BES», Público. URL: http://www.publico.pt/economia/noticia/cronologia-do-novo-banco-o-bes-bom-os-lesados-areconducao-de-costa-e-a-venda-1706544. [Acesso em abril de 2015].

Crystal, D. (2010), «Semantic targeting: part, present and future», Aslib Proceedings, 62 (4/5), p. 355-365.

Dutta, S. & Pullig, C. (2011), «Effectiveness of corporate responses to brand crisis: the role of crisis type and response strategies», Journal of Business Research, 64, p. 1281-1287.

Fereira, C. (2014), «A recta final», Público. URL: http://www.publico.pt/economia/noticia/a-recta-final-1673982. [Acesso em abril de 2015].

Fereira, C. (2014b), «Divergências com Carlos Costa e Governo sobre a estratégia do Novo Banco levam à demissão de Vítor Bento», Público. URL: http://www.publico.pt/economia/noticia/divergencias-com-carlos-costae-governo-sobre-estrategia-do-novo-banco-levam-a-demissao-de-vitorbento-1669588. [Acesso em fevereiro de 2015].

Fereira,C. & Pena, P. (2015), «Relatório do BES foi recebido com elogios no Parlamento». Público. URL: http://www.publico.pt/economia/noticia/relatorio-final-da-cpi-ao-bes-e-ges-tem-400-paginas-1692567. [Acesso em

março de 2015].

Hale, J. E./ Dulek, R. E./ Hale, D. P. (2005), «Crisis Response to communication challenges», Journal of Business Communication, 42 (2), p. 112-134.

Leech, G. (1976), Semantics. Penguin Books. Great Britain: Hazzel Watson & Viney Ltd.

Martins, M. (2015), A Eficácia da Identidade Visual do Novo Banco na Perceção e Associações Semânticas à Marca. Dissertação de Mestrado. Aveiro: Universidade de Aveiro.

Mwihaki, A. (2004), «Meaning as use: a functional view of semantics and pragmatics», SwahiliForum, 11, p. 127-139.

Novo Banco (2014), «Novo Banco lança primeira campanha de comunicação». URL: http://www.novobanco.pt/site/cms.aspx?srv=222&stp=1&id=5a4cab59-dc1a-4fd3-a854-95cb7a72f6b2&order=1&attach=No. [Acesso em fevereiro

de 2015].

Público/ Lusa (2014), «Irregularidades na Espírito Santo Internacional podem afectar a reputação e a cotação do BES», Público, 21-05. URL: http://www.publico.pt/economia/noticia/irregularidades-na-esi-podem-beliscarreputacao-e-cotacao-do-bes-1636836. [Acesso em janeiro de 2015].

Soares, R. (2014), «Perguntas e Respostas sobre o BES». Público. URL: http://www.publico.pt/economia/noticia/ainda-tem-duvidas-sobre-o-novobanco-1665362. [Acesso em fevereiro de 2015].

Valente, L. (2015), «As 17 principais conclusões do inquérito ao BES», Observador. URL: http://observador.pt/2015/04/29/as-17-principaisconclusoes-do-inquerito-ao-bes/. [Acesso em abril de 2015].

Van der Meer, T. G. L. A/ Verhoeven, J. W. M. (2014), «Emotional crisis communication», Public Relations Review, 40, p. 526-536.

Weick, K. E. (1998), «Enacted sensemaking in crisis situations». Journal of Management Studies, 25, p. 305-317.