Para além de “Vigiar e Punir”: a prática de piano numa experiência em contexto prisional

Inês Lamela

Resumo


Em Vigiar e Punir, Michel Foucault identifica a disciplina e a “docilização" como os dois
principais processos utilizados nas prisões para moldar e controlar os corpos e a vontade dos
indivíduos, tentando dessa forma reconstruir identidades que correspondam aos padrões de
comportamento exigidos para viver em sociedade. Estas estratégias são, no entanto, criticadas
por muitos, e diferentes sistemas prisionais procuram atividades e programas que possam
contribuir positivamente para a experiência de reclusão.
Este artigo descreve o projeto "Nas asas de um piano... aprendo a voar" desenvolvido em 2013-
2014 numa prisão feminina em Portugal. Partindo de atividades como a improvisação, composição
e memorização de peças simples, abordando também princípios básicos de leitura de partitura
numa fase posterior, as sessões individuais evoluíram até à apresentação de 3 diferentes
concertos, dentro e fora da prisão.
Com base nesta experiência, é feita uma reflexão sobre o fosso que separa a experiência vivida
neste projecto e o ambiente hostil descrito por Foucault, encontrando evidências claras de que a
música é uma poderosa ferramenta para o Desenvolvimento Humano: catalisa emoções, abre
canais de comunicação entre indivíduos, promove a autoeficácia, a confiança, o perdão e
motivação para descobrir e experimentar outras experiências.


Palavras-chave


música na comunidade; música nas prisões; piano; desenvolvimento humano

Texto Completo:

PDF

Referências


Cohen, Mary L. (2010) “Risk taker extraordinaire: An interview with Elvera Voth”. International Journal of Community Music, 3(1): 151-156.

Cox, A. e Gelsthorpe, L. (2008) Beats & Bars. Music in Prisons: an evaluation. London: The Irene Taylor Trust.

Cross, I. (2001) “Music, mind and evolution”. Psychology of Music, 29(1): 95-102.

_______ (1999) “Is music the most important thing we ever did? Music, development and evolution”. In Yi, Suk Won (Ed.) Music, Mind and Science. http://wwwpersonal.mus.cam.ac.uk/~ic108/MMS/index.html [consultado em 10/2/2015]

Cunha, Manuela Ivone (2008) “Disciplina, controlo, segurança: no rasto contemporâneo de Foucault” in Frois, Catarina (org.) A sociedade vigilante: ensaios sobre privacidade,

identificação e vigilância. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais. (67-81)

Emonts, Fritz (1992) Europäische Klavierschule. Mainz: Schott Music.

Foucault, Michel (2013) Vigiar e Punir. Lisboa: Edições 70.

Henley, Jennie et al. (2012) “Good Vibrations: positive change through social musicmaking”. Music Education Research, 14(4): 499-520.

Higgins, Lee (2012) Community Music: In theory and in practice. New York: Oxford University Press.

Mendonça, Maria (2010) “Gamelan in Prisons in England and Scotland: Narratives of Transformation and the ‘Good Vibrations’ of Educational Rhetoric”. Ethnomusicology,

(3): 369-394.

Rodrigues, Helena et al. (2010) “Music for mothers and babies living in a prison: A report on a special production of ‘BebéBabá’”. International Journal of Community Music, 3(1): 77-90.

Santa Casa da Misericórdia do Porto (2015) “Dez anos de afirmação de um projeto penitenciário moderno e humanista”.

http://www.scmp.pt/assets/misc/ftp/Dez%20anos%20de%20Afirmação-EPSCBF%20total.pdf [consultado 23/2/2016]

Silber, Laya (2007) “Bars behind bars: the impact of a women’s prison choir on social harmony”. Music Education Research, 7(2): 251-271.

Wacquant, Loïc (2009) Prisons of Poverty. Minneapolis: University of Minnesota Press.

Warfield, Duane (2010) “Bowing in the right direction: Hiland Mountain Correctional Center women’s string orchestra programme”. International Journal of Community Music, 3(1):

–110.

Welch, G. (2005) “We are musical”. International Journal of Music Education, 23(2): 117-120.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.