A arte do looping: a loop station como instrumento de prática performativa musical

Alexsander Jorge Duarte

Resumo


Neste artigo procuro refletir sobre a prática performativa musical que tem por característica utilizar a loop station - máquina que permite a gravação e reprodução de áudio de forma cíclica (o loop).
Em 2001, a empresa Boss lançou no mercado a primeira loop station. Foi desenvolvida como pedal, ou seja, para se oeprar com ospés, de forma a possibilitar aos instrumentistas um auto acompanhamento. A loop station permite ao performer construir camadas de áudio de forma a criar uma estrutura (ritmo, linhas de baixo, harmonia, etc.) sobre a qual performa seu solo. Essa vertente é comummente designada por live loops.
Assim, este trabalho propõe perceber em que sentido a tecnologia da loop station põe em questão o conceito de prática performativa musical (Béhague, 1984) e suas implicações no e para o mercado da música. Parto da reflexão de minha situação enquanto looper (performer que incorpora a loop station em seu setup), de entrevistas com outros loopers e da análise de publicações científicas que abordem a utilização da loop station em performance musical, além dos websites e comunidades virtuais acerca desse tema.


Palavras-chave


loop station; looper; live loops; performance musical

Texto Completo:

PDF

Referências


Béhague, Gerard (1984) “Introduction” in Béhague, Gerard (ed) Performance Practice: Ethnomusicological Perspectives. London: Greenwood Press. (03-12)

François Pachet, Pierre Roy, Julian Moreira, and Mark d'Inverno (2013) “Reflexive loopers for solo musical improvisation” in Proceedings of the SIGCHI Conference on Human Factors in Computing Systems (CHI '13). ACM, New York, NY, USA. (2205-2208) DOI=http://dx.doi.org/10.1145/2470654.2481303

Portovedo, Henrique Daniel (2012) Sistemas musicais interativos no ensino especializado da música. Dissertação de mestrado, Universidade de Aveiro. http://ria.ua.pt/handle/10773/10144 [acedido em 08/03/2016]

Zan, José Roberto (2001) “Música popular brasileira, indústria cultural e identidade”. Eccos. Revista Científica, 3 (1): 105-122. http://www.nics.unicamp.br/muspop/Musica_Popular/Publicacoes_files/71530108.pdf [acedido em 10/10/2012]

Zumthor, Paul (2007) Performance, recepção, leitura. São Paulo: Cosac Naify.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.