"A gente aprende a ouvir, a tocar e a saber como a gente faz a música": processos lúdico-criativos em uma oficina de música com crianças

Camila Costa Zanetta, Maria Teresa Alencar de Brito

Resumo


Este trabalho intenta refletir acerca da importância de processos criativos e lúdicos na educação musical. Para tal, lançaremos mão de dados coletados no decorrer de uma Oficina de Música para crianças, prática que integrou uma pesquisa de Mestrado concluída no ano de 2014. A pesquisa, de abordagem qualitativa, investigou as contribuições das vivências de jogos de improvisação para a formação integral da criança. Durante o desenvolvimento da Oficina, foram articulados diferentes instrumentos de coleta de dados, tais como registros audiovisuais, entrevistas semiestruturadas, além de protocolos confecionados pelos participantes. Neste artigo, expomos os eixos teóricos que fundamentaram o trabalho, refletindo acerca de uma educação menor, de uma educação musical em modo menor e da importância do jogo na educação, focalizando vivências de jogos de improvisação na educação musical. Paralelamente, as falas das crianças participantes da Oficina serão expostas e analisadas, revelando, sob suas perspectivas, as aprendizagens desenvolvidas em processos lúdicos de criação musical. Os resultados obtidos permitem-nos pensar que uma educação musical voltada aos jogos e ao criar é propícia não apenas a aprendizados musicais, mas à formação integral do ser humano.


Palavras-chave


processos criativos; jogo; oficina de música

Texto Completo:

PDF

Referências


Bellodi, J., & Fonterrada, M. (2006). Criatividade e educação musical: uma proposta composicional numa escola de música da cidade de São Paulo. In Congresso Nacional da ABEM, Vol 15. Anais do XV Congresso Nacional da Abem (pp.264-268).

Beineke, V., & Zanetta, C. (2014). “Ou Isto ou Aquilo”: a Composição na Educação Musical para Crianças. Revista Música Hodie, 14(1). doi:https://doi.org/10.5216/mh.v14i1.32978

Bresler, L. (2000). Metodologias qualitativas de investigação em Educação Musical. Revista CIPEM, 2.

Brito, T. (2003). Música na educação infantil: propostas para a formação integral da criança. São Paulo: Peirópolis.

Brito, T. (2007). Por uma educação musical do Pensamento: novas estratégias de comunicação (Doctoral dissertation, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo).

Brougère, G. (1998). Jogo e educação (P. C. Ramos, Trad.). Porto Alegre: Artes Médicas.

Burnard, P. (2006). Understanding children’s meaning-making as composers. In I. Deliège & G. Wiggins (Eds), Musical Creativity: multidisciplinary research in theory and practice (pp. 111–133). New York: Psychology Press US.

Deleuze, G., & Guattari, F. (1977). Kafka: por uma literatura menor (J. Guimarães, Trad.). Rio de Janeiro: Imago.

Deleuze, G. (1992). Conversações (P. Pelbart, Trad.). São Paulo: Editora 34.

Deleuze, G. (2006). Lógica do sentido. São Paulo: Perspectiva.

Flick, U. (2009). Desenho da pesquisa qualitative. Porto Alegre: Artmed.

Fonterrada, M. (2008). De tramas e fios: um ensaio sobre música e educação. São Paulo: Ed. Unesp.

Fonterrada, M. (2015). Ciranda de sons: práticas criativas em Educação Musical. São Paulo: UNESP .

Gallo, S. (2000). O que é filosofia da educação? Anotações a partir de Deleuze e Guattari. Perspectiva, 18(34), 49-68. doi:http://dx.doi.org/10.5007/%x

Gallo, S. (2014). Deleuze, Filosofia e Educação. Verbo 21. Retrieved from

http://www.petpsi.ufc.br/Documentos/Entrevista%20com%20S%EDlvio%20Gallo.rtf

Griffin, S. (2009). Listening to children’s music perspectives: in-and-out-of-school thoughts. Research Studies in Music Education, 31(2), 161–177.

Stake, R. (2011). Pesquisa Qualitativa: estudando como as coisas funcionam (K. Reis, Trad.). Porto Alegre: Penso.

Huizinga, J. (2012). Homo ludens (J. P. Monteiro, Trad.). São Paulo: Perspectiva.

Januzelli, Antonio. (2003). A aprendizagem do ator. São Paulo: Ática.

Kishimoto, T. M. (1996). Jogo, brinquedo e a educação, São Paulo: Cortez.

Kishimoto, T. M. (1998). O brincar e suas teorias, São Paulo: Pioneira.

Koellreutter, H-J. (1997). O espírito criador e o ensino pré-figurativo. Educação Musical:Cadernos de estudo, Atravéz 6, 53–59.

Lima, J. (2008) O jogo como recurso pedagógico no contexto educacional. São Paulo: Cultura Acadêmica.

Luckesi, C. (2000). Educação, ludicidade e prevenção das neuroses futuras: uma proposta pedagógica a partir da biossíntese. Coletânea Educação e Ludicidade, Ensaios 01, 09–41.

Luckesi, C. (2002). Ludicidade e atividades lúdicas: uma abordagem a partir da experiência interna. Coletânea Educação e Ludicidade, Ensaios 02, 22–60.

Pereira, L. H. P. (2004). Ludicidade em sala de aula: montando um quebra-cabeça com novos sabores e saberes. Coletânea Educação e Ludicidade, Ensaios 03, 81–97.

Sarmento, M. J. (2003). Imaginário e Culturas da Infância. In Araújo, A. F. & Araújo, J. M. (Org.), (2003). História, Educação e Imaginário. Actas do IV Colóquio. Braga. Universidade do Minho, pp. 55-72.

Spolin, V. (2008). Improvisação para o Teatro (I. D. Koudela & E. Almeida, Trad.). São Paulo: Perspectiva.

Spolin, V. (2012a). Jogos teatrais na sala de aula: um manual para o professor (I. D. Koudela, Trad.). São Paulo: Perspectiva.

Spolin, V. (2012b). Jogos teatrais: o fichário de Viola Spolin (I. D. Koudela, Trad.). São Paulo: Perspectiva.

Zanetta, C., & Brito, T. (2013). Espaços para a Criação: a improvisação em jogos cênico-musicais. In Congresso Nacional da ABEM, Vol 21. Anais do XXI Congresso Nacional da Abem (pp. 1020- 1031).




Copyright (c) 2018 Music for and by children

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.