A performance musical em sala de concerto realizada por crianças e jovens: uma arte de espetáculo intitulada Música Feliz

Maria Beatriz Licursi, Levi Leonido Silva, Elsa Morgado, Mário Aníbal Cardoso

Resumo


“Música Feliz” é um Evento de Extensão vinculado à Pró-Reitoria de Extensão da Universidade Federal do Rio de Janeiro apresentado semestralmente desde 1995 na Escola de Música sem sofrer solução de continuidade. O objetivo da arte espetáculo é estimular crianças e jovens para se apresentarem em público, o que demanda aprimoramento técnico, desenvolvimento intra e interpessoal, crescimento de habilidades artísticas requisitadas para performance, autocontrole emocional assim como a ampliação do conhecimento cultural, musical e de repertório. Destacamos que o comportamento musical compreende os fatores biológico, social e psíquico. Como uma ação extensionista o público alvo compreende discentes e docentes da Instituição, público externo (alunos do ensino fundamental e médio de escolas públicas e particulares) e demais interessados em eventos dessa natureza. Os vinte e dois anos ininterruptos de atividades com um atendimento estimado de novecentos e oitenta e cinco participantes se justificam pela natureza de congregar diferentes níveis sociais, artísticos e acadêmicos numa realização de proporções muito próximas às de um músico concertista profissional, oportunizando a atuação em uma sala de concertos com a exposição de apresentações artísticas. As obras apresentadas são de livre escolha sem restrição quanto ao estilo musical, ou seja, pode ser música erudita, popular e composições dos alunos. Embora o título faça referência à apresentação musical, o espetáculo é aberto às demais representações artísticas. O evento tem três meses de preparação que inclui o estudo das obras selecionadas, treinamento em sala de aula de um breve repertório para uma finalização do espetáculo em forma de coral onde todos se confraternizam no palco podendo, além disso, ocorrer formação semelhante a uma pequena orquestra com os instrumentistas da turma. Realiza-se ensaio geral no Salão Leopoldo Miguez da Escola de Música da UFRJ, onde o espetáculo acontece, e sob a orientação da coordenadora do evento são realizados comentários pertinentes ao desempenho dos alunos, seja de ordem técnica, musical ou emocional. Dessa forma os alunos adquirem mais confiança para se exporem publicamente com apoio em todos os sentidos. Os resultados demonstram que a cada ano os alunos têm interesse em participar pela primeira vez ou não, a demanda pelo evento é maior, o temor pela exibição pública é atenuado e os participantes apresentam visível crescimento inter e intrapessoal, constatado pelas iniciativas de atuação em duo ou demais formações camerísticas. Observamos que no âmbito deste evento, que é um celeiro de futuros profissionais, muitos participantes conquistaram sucesso em suas carreiras de dimensão nacional ou internacional. Sendo um Evento de Extensão cuja proposta da Universidade é expandir as atividades culturais e o conhecimento produzido para além dos muros universitários, participantes não vinculados à Instituição são bem-vindos. Acreditamos que a nossa estratégia motivacional impulsiona a comunidade acadêmica e o público em geral para atuarem numa sala de concerto, o que para muitos participantes é uma oportunidade única.


Palavras-chave


música; educação musical; performance musical; atividade de extensão

Texto Completo:

PDF

Referências


Costa, C.M. (2010). Musicoterapia no Rio de Janeiro: A Produção de Saber. Rio de Janeiro.

Czegledy, N. (2003). Arte como Ciência: Ciência como Arte. In: Domingues, D. (Org.) Arte e vida no século XXI. São Paulo: UNESP. p. 125-146.

Dewey, John. (1974). A Arte como experiência. In: Os pensadores. Trad. Murilo Leme. São Paulo: Abril S.A. Cultural e Industrial.

Freire, P. (1999). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro. Paz e Terra. 20ª ed.

Fórum de pró-reitores de extensão das instituições públicas de educação superior brasileiras (Forproex). (2012). Política Nacional de Extensão Universitária. Gráfica da UFRGS. Porto Alegre, Coleção Extensão Universitária; v. 7.

Ilari, B. (2010). Cognição musical: origens, abordagens tradicionais, direções futuras. In: ILARI, B.; ARAÚJO, R.C. (Orgs.). Mentes em música. Editora da Universidade Federal do Paraná.

Larrosa, J. (2001). Notas sobre a experiência e o saber da experiência. I Seminário Internacional de Educação de Campinas. Traduzido e publicado por João Wanderley Geraldi. Revista Brasileira de Educação.

Penna, M. (2010). Música(s) e seu ensino. Porto Alegre: Sulina.

Sloboda, J. A. (2008). A mente musical: psicologia cognitiva da música; tradução de Beatriz Ilari e Rodolfo Ilari. Londrina: Eduel.

Sekeff, M. de L. (2002). Da música, seus usos e recursos. São Paulo: UNESP.




Copyright (c) 2018 Music for and by children

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.