Plataformas digitais: benefícios para a educação do século XXI

Elbênia Marla Ramos Silva

Resumo


São recorrentes as transformações sociais ocasionadas pelaS influências das novas tecnologias digitais. Consequentemente surgem novas plataformas que exigem habilidades e competências dos professores para auxiliar em sua prática docente. Essas novas ações fazem parte do que chamamos de comportamento infocomunicacional, determinado pelas novas tecnologias digitais. Assim como diversos campos sociais sofrem com estas novas formas de interação, o campo educacional também passa por transformações e apresenta novas possibilidades de interação com os recursos da web 2.0. Neste seguimento, o presente artigo pretende apresentar um estudo analítico sobre os exemplos de plataformas digitais educacionais que possam auxiliar na prática docente e auxiliar com novas possibilidades de interação entre professor-aluno e aluno-aluno. As plataformas digitais educacionais selecionadas para este estudo são: Sapo Campus, Moodle e Edmodo.

Palavras-chave


Web 2.0; plataformas digitais educacionais; paradigma infocomunicacional; educação; contemporaneidade

Texto Completo:

PDF

Referências


Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bianchetti, L. & Ferreira, S. de L. (2005). As tecnologias de informação e de comunicação e as possibilidades de interatividade para a educação. In N. Pretto, Tecnologias e novas educações. Salvador: EDUFBA.

Cardoso, G. (2007). Os Media na Sociedade em Rede. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Castells, M. (2004). A galáxia da internet. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Castells, M. (2013). A sociedade em rede – a era da informação: economia sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra.

Creswell, J. W. (2007). Projeto de Pesquisa: Métodos Qualitativo, Quantitativo e Misto (2 ed.). Porto Alegre: Artmed. Dix, A.; F., Janet; A., Gregory D. & Beale, R. (1998). Human-Computer Interaction. NewYork. Edmodo. (2014). Edmodo. Retrieved 08 de fevereiro, from https://www.edmodo.com/

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. (3 ed.). São Paulo: Artmed. Gil, A.C. (2002). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Editora Atlas.

Mealha, Ó.; Veloso, A. I.; Martins, F., & Raposo, R. (2014). Paradigmas de Interação: Mediação Tecnológica.Programa doutoral em informação e comunicação em Plataformas Digitais. Aveiro, Portugal: Universidade de Aveiro. Moodle. (2014). Moodle. Retrieved 14 de fevereiro 2016, from http://elearning.ua.pt/

Morin, E. (2005). Ciência com consciência. (8 ed.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Morin, E. (2001). Introdução ao pensamento complexo. Porto: Instituto Piaget. Preece, J.; R., Y. & Sharp, H. (2005). Design de Interação: Além da Interação homemcomputador. São Paulo: Editora Bookman. Preece, J. (2001). Online Communities: Designing Usability, Supporting Sociability. Chichester, England: John Wiley & Sons.

Santos, C.; Pedro, L. & Almeida, S. (2012). Promover a comunicação e partilha em ambientes pessoais de aprendizagem: O caso do Sapo Campus. Indagatio Didactica, 4(3), 65-91, [Online], disponível a partir de http://revistas.ua.pt/index.php/ID/article/view/1405 Siemens, G. (2008). PLEs - I Acronym, Therefore I Exist. elearnspace. Disponível em http://www.elearnspace.org/blogue/2007/04/15/ples-iacronym-therefore-i-exist/[acedido em 21-01-2016]. SP2014http://campus.sapo.pt/

Silva, E. (2016). Estudo analítico sobre plataformas digitais: possibilidades para a educação. In Atas Ciaiq 2016. 5º Congresso Ibero-americano em investigação qualitativa. Vol. 1, 906-911. Porto: Universidade Lusófona do Porto.

Thompson. J. B. (2009). O escândalo Político: poder e visibilidade na era da mídia. Petrópolis: Vozes.