A formação de sujeitos nas redes sociais em contexto escolar

Arisnaldo Adriano da Cunha, Andrea Brandão Lapa

Resumo


A formação crítica pode estar pautada em atitudes como autoria e cooperação fomentadas pelas redes sociais e projetos criativos mediados pelo professor, como proposta para superação da pedagogia da transmissão. Este artigo apresenta um modelo de investigação que permite analisar como as redes sociais podem contribuir para a formação crítica. Consiste em uma metodologia qualitativa de pesquisa cuja finalidade é selecionar e definir indicadores de investigação para os conceitos de autoria e cooperação a partir do referencial teórico, e desenvolve métricas para a análise de conteúdo das trocas comunicativas entre alunos e professores no grupo fechado criado no Facebook. Os resultados apontam que utilizar redes sociais conservando a lógica conteudista e reprodutivista do livro didático, reduzindo o aluno a olhar, ouvir, copiar e prestar contas, não dará conta de formar sujeitos críticos imersos da cultura digital.

Palavras-chave


autoria; cooperação; metodologia qualitativa; rede social

Texto Completo:

PDF

Referências


Belloni, M. L. (2001). O que é Mídia – Educação. Polêmicas de nosso tempo. Campinas: Autores Associados.

Belloni, M. L. & Gomes, N. G. (out. 2008) Infância, mídias e aprendizagem: Autodixia e Colaboração. Educ. Soc., Campinas, v. 29, n. 104 - Especial, 717-746. Acedido em 25 de julho de 2015 de .

Castells, M. (2003). A galáxia da internet – reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Zahar.

Castells, M. (2013). Manuel Castells analisa as manifestações civis brasileiras. Fronteiras do Pensamento. Acedido em 20 julho,2016 de http://www.fronteiras.com/artigos/manuel-castells-analisa-as-manifestacoes-civis-brasileiras.

Cunha, A. A. & Lapa, A. B. (2016). Uma Proposta de Investigação da Autoria e Cooperação no uso educativo das Redes Sociais. Atas CIAIQ2016, Investigação Qualitativa em Educação. Acedido em 08 de Nov. de 2016 de http://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2016/article/view/631.

Demo, P. (2010). A força sem força do melhor argumento: ensaio sobre “novas epistemologias virtuais” [PDF]. Brasília: Ibict. Acedido em 27 de julho de 2015 de http://livroaberto.ibict.br/bitstream/1/959/1/For%C3%A7a%20sem%20for%C3%A7a.pdf.

Fantin, M. & Rivoltella, P. C. (Jun.2010). Crianças na Era Digital: Desafios da Comunicação e da Educação. REU, Sorocaba, v. 36, n. 1, p.89-104. Acedido em 15 out. de 2015 de .

Freire, P. (1980). Educação como prática da Liberdade. (11. ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Jenkins, H., Green, J. & Ford, S. (2014). Cultura da conexão – criando valor e significado por meio da mídia propagável. São Paulo: Editora Aleph.

Mendes Junior, W. L. M. (2010). O Sujeito – arquiautor: conflitos do discurso urbano e midiático. Rio de Janeiro: Lamparina Editora.

Moran, J. M. (2007). A Educação que Desejamos: novos desafios e como chegar lá. São Paulo: Papirus.

Morin, E. (2010). A cabeça bem-feita – repensar a reforma, reformar o pensamento. Bertrand Rio de Janeiro: Brasikl. Recuero, R. (2014). A conversação em Rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina.

Rojo, R. & Moura, E. (2012). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial.

Rojo, R. (2013). Escola Conectada: os Multiletramentos e as TICS. São Paulo: Parábola.

Rüdiger, F. (2011). As teorias da cibercultura, perspectivas, questões e autores. Porto Alegre: Editora Sulina.

Silva, M. (2000). Interatividade: uma mudança fundamental do esquema clássico da comunicação. Acedido em 17 de out. de 2015 de http://www.senac.br/informativo/bts/263/boltec263c.htm.

Silva, M. (2006). Sala de aula interativa. Rio de Janeiro: Quartet.

Zuin, A.S. (2013). Copiar, colar e deletar: a Internet e a atualidade da semiformação. Pro-Posições, v. 24, n. 3 (72), 139-159. Acedido em 10 maio 2016 de .