Testemunhos de cuidadores informais de familiares com doença de Alzheimer em corpus latente da Internet

Evelyn Santos, Dayse Neri de Souza, Roselane Lomeo, Isabel Ramos, Lisneti Castro, Helena Teixeira, Laurinda Mendes, Ana Catarina Leite

Resumo


O aumento da perspetiva de vida tem possibilitado avanços à população mundial, contudo, no que diz respeito a saúde, essa realidade tem tornado as pessoas mais suscetíveis às doenças incapacitantes, como a Doença de Alzheimer (DA). Neste contexto, verifica-se cada vez mais a necessidade de cuidar do outro, destacando-se o cuidado exercido pelos Cuidadores Informais (CI) enquanto familiares, amigos e vizinhos, que despendem esta tarefa de uma forma espontânea e sem formação profissional. Centrados nesta realidade, a partir de um estudo qualitativo, apresentamos as vivências de CI sobre o ato de cuidar de um familiar com a DA, através de 20 testemunhos em Corpus Latente da Internet, disponibilizados no site de uma Associação Portuguesa. Concluiu-se que os relatos dos CI contribuem para a compreensão da prestação de cuidados às pessoas com DA e evidencia-se a carência de apoio, de informação e ações interventivas para a melhoria do bem-estar do CI.

Palavras-chave


cuidadores informais; Alzheimer; Corpus Latente na internet; familiares

Texto Completo:

PDF

Referências


Argimon, I., L. & Trentini, C., M. (2006). A presença da doença de Alzheimer e suas repercussões na dinâmica familiar. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano, 857-865.

Bardin, L. (2006). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bradley, W.G., Daroff, R.B., Fenichel, G.M. & Jankovic, J. (2004). Neurology in Clinical Practice. Massachusetts: Butterworth-Heinemann.

Caldas, C. P. (2002). Contribuindo para a construção da rede de cuidados: trabalhando com a família do idoso portador de síndrome demencial. Textos sobre Envelhecimento, 4(8),39-56.

Cassis, S. V. A., Karnakis, T., Moraes, T. A., Curiati, J. A. E., Quadrante, A. C. R. & Magaldi, R. M. (2007). Correlação entre o estresse do cuidador e as características clínicas do paciente portador de demência. Revista da Associação Médica Brasileira, 53(6), 497-501.

Delgalarromdo, P. (2008). Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais (2.ed). Porto Alegre: Artmed.

Entidade Reguladora de Saúde – ERS. (2015). Acesso, qualidade e concorrência nos cuidados continuados e paliativos. Porto. Retrieved from www.ers.pt

Falcão, D. V. & Bucher-Maluschke, J. S. (2008). Filhas que cuidam de pais/mães com provável/possível Doença de Alzheimer. Estudos de Psicologia, 13(3), 245-256.

Fernandes Marques, M. J., Cardoso Teixeira, H. J. & Neri de Souza, D. (2012). Cuidadoras informais de Portugal: vivência do cuidar de Idosos. Trabalho Educação e Saúde, 10(1), 147-159.

Glendinning, C., Arksey, H., Tjadens, F.,Morée, M., Moran, N. & Nies, H. (2009). Care provision within families and its socioeconomicimpact on care providers acrossthe European Union, Research Works, 2009-05, Social Policy Research Unit, University of York, York.

Hoffmann, F. & Rodrigues, R. (2010). Informal Carers: Who take care of them? Policy Brief.

INE. (2014). Estatísticas demográficas. Lisboa: Portugal.

Machado, A. L. G. (2007). O fazer do cuidador familiar: significados e crenças. Revista Brasileira de Enfermagem, 60(5), 530-534.

Mauerberg-deCastro, E. (2011). Atividade Física Adaptada (2.ed). Ribeirão Preto: Novo Conceito Editora.

Matos, P. C. & Decesaro, M. (2012). Características de idosos acometidos pela doença de Alzheimer e seus familiares cuidadores principais. Revista Eletrônica de Enfermagem, 14(4), 857-865.

Mestheneos, E. & Triantafillou, J. (2005). Supporting Family Carers of Older People in Europe – the Pan-European Background: EUROFAMCARE.

Moniz, J. M. N. (2003). A enfermagem e a pessoa idosa. Loures: Lusociência.

Neri, A. L. (2002). Desenvolvimento E Envelhecimento. Campinas: Papirus.

Neri de Souza, D., Neri de Souza, F., & Costa, A. P. (2014). Percepção dos Utilizadores Sobre o Software de Análise Qualitativa webQDA. Comunicação & Informação, 17(2), 104–118.

Neri de Souza, D.; Costa, N.; Abreu, M.; Torres, S. & Teixeira, H. J. C. (2011). The Informal Caregiver of the Elderly Person – from needs assessment to intervention in partnership. In E. G. Veloso, Paula; Martins, Fernanda; Silva, Daniela & Faria, Maria (Ed., Elderly, Education, Intergenerational Relationships and Social Development. Proceedings of 2nd Conference of ELOA. Braga: CIED - Centro de Investigação em Educação Instituto de Educação, Universidade do Minho Braga, Portugal.

Oliveira, M.A., Ribeiro, M., Borges, R., & Luginger, S., (2005). Doença de Alzheimer - Perfil Neuropsicológico e Tratamento. PSICOLOGIA – Portal dos Psicólogos, 1-21.

Oliveira, C. R., Rosa, M. S., Pinto, A. M., Botelho, A. S., Morais, A. & Veríssimo, M. T. (2008). Estudo do perfil da população portuguesa. Gabinete Editorial de Relações Públicas e Imagem da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra.

Payne, S. (2010). White Paper on improving support for family carers in paliative care. European journal of Palliative Care, 17(5), 238-245.

Pérez, T., Abanto, A. & Labarta, M. (1996). El síndrome del cuidador en los procesos de deterioro cognitivo (demencia). Atención Primaria, 8 (4), 194-202.

Alzheimer Portugal (2013). Doença de Alzheimer. Demência. Retrieved 6 de Novembro de 2013, from http://alzheimerportugal.org/pt/text-0-9-32-18-o-que-e-a-demencia.

Silva, A. L., Cardoso Teixeira, H. J., Teixeira, M. J. & Freitas, S. (2013). The needs of informal caregivers of elderly people living at home: a systematic literature review. Scandinavian Journal of Caring Sciences.

Santos, E., Neri de Souza, D., Lomeo, R., Ramos, I., Castro, L., Teixeira, H., Mendes, L. & Leite, A. C. (2016). Cuidadores Informais de familiares com Alzheimer: testemunhos em Corpus Latente da Internet. Atas CIAIQ2016-Investigação Qualitativa em Saúde/Investigación Cualitativa en Salud, 2, pp. 1366-1375.

Almeida, L.M. (1999). Crenças dos Enfermeiros Acerca do Envelhecimento Humano. Revista Referência, 3, 7-14.

Colliére, M. (1999). Promover a Vida: Da prática das mulheres de virtude aos cuidados de enfermagem, (3.º Ed). Lisboa: Sindicato dos Enfermeiros Portugueses.

Moniz, J. M. N. (2003). A enfermagem e a pessoa idosa. Loures: Lusociência.

Coutinho, C. (2011). Sociedade da informação, do conhecimento e da aprendizagem: desafios para educação no século XXI. Revista de Educação, 18(1), 5-22.

Amor, S., Peferoen, L. A. N., Vogel, D. Y. S., Breur, M., Valk, P., Baker, D. & Noort, J. M. (2013). Inflammation in neurodegenerative diseases – an update. Immunology, 142, 151–166.

Shima, K., Kuhlenbäumer, G. & Rupp, J. (2010). Chlamydia pneumoniae infection and Alzheimer's disease: a connection to remember?. Med Microbiol Immunol, 199(4), 283-9.

Oliveira, M. F., Ribeiro, M., Borges, R. & Luginger, S. (2005). DOENÇA DE ALZHEIMER: Perfil Neuropsicológico e Tratamento. Portal dos Piscólogos.

Diniz, M. A. A., Monteiro, D. Q. & Gratão, A. C. M. (2016). Educação em saúde para cuidadores informais de Idosos. Saúde & Transformação Social, 7 (1), 28.-40.