A diáspora africana através da música hip-hop portuguesa: um estudo de caso

Federica Lupati

Resumo


A cultura hip hop surgiu nos anos 70 nos bairros pobres das periferias de Nova York, em particular no Bronx. Tendo as suas raízes na Jamaica, encontrou um importante espaço de desenvolvimento nas festas de quarteirão onde um DJ tocava seleções de músicas para entreter a comunidade. Num primeiro momento tratou-se duma manifestação apenas estética; contudo, não demorou muito para que se transformasse numa ferramenta política para as novas gerações que encontraram formas diferentes de expressar-se nas artes do deejaing, mcing, breakdancing e do graffiti. Estas novas formas de ação política prepararam o terreno para o que se virou num movimento cultural muito mais amplo, profundamente consciente e globalmente espalhado. Em Portugal, o primeiro contacto com a cultura hip hop remonta à década de 1980, através da dança. É precisamente nesta década que o fluxo migratório dos PALOP para Lisboa se torna mais intenso. Contudo, os imigrantes africanos foram objeto de uma integração apressada que deixou de lado as suas diferenças culturais, continuando desta forma a viver na clandestinidade e a agarrar-se à esperança de voltar para a terra nativa. Embora naquela altura o hip hop não tivesse muita ressonância nos media portugueses, foi através da rádio e da televisão que os residentes das áreas periféricas de Lisboa tiveram acesso aos trabalhos dos rappers norte-americanos. Tomaram assim consciências das suas condições parecidas e das estratégias de resistência que a música lhes proporcionava: surgiu assim o rap em Portugal. Finalmente, a cultura hip hop visa negociar entre as experiências da marginalização, da opressão e do preconceito étnico através dum exercício constante de metalinguagem que lhe permite traduzir o sentimento de injustiça vivido pelos jovens afrodescendentes e nas margens da sociedade. No presente trabalho tencionamos aprofundar estas reflexões e observar como é reconstruída a
perceção e a memória da África e da diáspora africana pelo rapper Valete, artista filho de santomenses mas a viver em Lisboa.

Palavras-chave


cultura hip hop; diáspora africana; música da diáspora africana; diáspora africana em Portugal; Hip hop português; Valete

Texto Completo:

PDF

Referências


Albertazzi S., V. R. (2004). Abbecedario postcoloniale. Venti voci per un lessico della postcolonialità.

Macerata: Quodlibet.

Barbosa, C. E. (2011). A música rap e espaços de representação juvenil negra em Portugal. O Cabo dos Trabalhos: Revista Electrónica dos Programas de Doutoramento do CES/ FEUC/ FLUC, III (5), 1-20.

Chang, J. (2005). Can’t stop, won’t stop: a history of the hip-hop generation. New York: St. Martin’s Press.

Charry, E. (2012). Hip hop Africa: new African music in a globalizing world. Bloomington: Indiana University Press.

Cidra, R. (2002). “Ser real”: o rap na construção de identidades na área metropolitana da Lisboa. Ethnologia, 12 (14), 189-223.

Cidra, R. (2010). Enciclopédia da música em Portugal no século XX. (S. Castelo-Branco, A cura di) Lisboa: INET.

Contador, A. C. (1998). Conciência de geração e etnicidade: da segunda geração aos novos luso-africanos. Sociologia – Problemas e práticas (26), 57-83.

Fradique, T. (2003). Fixar o movimento nas margens do rio: duas experiências de construção de um objecto de estudo em terreno urbano em Portugall. In G. V. (Ed.), Pesquisas urbanas: desafios do trabalho antropológico (p. 99-117). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Francavilla, R. (2012). Non chiediamo permesso. Sfondiamo la porta’. La letteratura e la favela. In R. Francavilla, Voci dal margine – La letteratura di ghetto, favela, frontiera (p. 77-88). Roma: Artemide.

Lourenço, E. (2010). O labirinto da saudade. Lisboa: Gradiva.

Morgan M., B. D. (2011). Hip-hop & the global imprint of a black cultural form. Deadalus, 140 (2), 176-196.

Norfleet, D. M. (2001). Hip-hop and rap. In E. Koskoff, The Garland Encyclopedia of World Music: The United States and Canada (Vol. 3, pp. 692-735). New York and London: Garland Publishing, Inc.

Pardue, D. (2012). Cape Verdean Creole and the Politics of Scene-Making in Lisbon, Portugal. Journal of Linguistic Anthropology, 22 (2), 42-60.

Perry, M. D. (2008). Global Black Self-Fashionings: Hip Hop as Diasporic Space. Identities: Global Studies in Culture and Power, 15 (6), 635-664.

Sajnani, D. (2013). Troubling the Trope of “Rapper as Modern Griot”. The Journal of Pan African Studies, vol. 6 (no. 3), 156-180.

Shusterman, R. (2000). Pragmatist aesthetics: living beauty, rethinking art. New York: Rowman Littlefield Publishers, Inc.

Shusterman, R. (2005). Rap aesthetics: violence and the art of keeping it real. In D. Darby, & T. Shelbie, Hip Hop and Philosophy: Rhythm 2 Reason (p. 54-64). Peru, IL: Carus.

Tang, P. (2012). The rapper as modern griot. Reclaiming ancient traditions. In E. Charry, Hip hop Africa. New African music in a globalizing world (p. 79-91). Bloomington and Indianapolis: Indiana University Press.