Escritas cinematográficas de Karim Aïnouz: roteiro, trânsitos migratórios e arquivamentos literários no filme O Céu de Suely (2006)

Calila das Mercês

Resumo


A presente comunicação propõe o destaque de reflexões sobre as características das escritas cinematográficas do roteirista e diretor de filmes, Karim Aïnouz, a partir do olhar ao longa-metragem O céu de Suely (2006). O filme, cujo argumento inicial esteve em Rifa-me (curta-metragem dirigido por Aïnouz em 2000), apresenta um diálogo contemporâneo no que abarca o “entrelugar” da forma e do conteúdo cinematográficos, evidenciado pela soma criativa entre as linguagens literária e do cinema e que torna impossível a dissociação da influência de uma na outra, tanto na execução do roteiro quanto no conteúdo imagético e sonoro em destaque na produção. E através das escolhas de abordagem do enredo e das imagens, iluminadas pelo que pode-se chamar de arquivamento das dinâmicas e ações sociais contemporâneas, Karim Aïnouz valoriza as contradições históricas da população de baixa renda do nordeste como forma de combater, resistir e evidenciar povos que tradicionalmente estão invisibilizados pela História, ao mesmo tempo, ameaçados pelas construções culturais que costuram as suas origens e os seus destinos.

Palavras-chave


arquivo; cinema; literatura; narrativas contemporâneas; roteiro; trânsitos migratórios

Texto Completo:

PDF

Referências


Agamben, G. (2008). O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha. Homo Sacer III. São Paulo: Editora Boitempo.

Aïunouz, K. (2002). Madame Satã. Produção: VideoFilmes. Direção: Karim Aïnouz. Brasil/França, 35mm, 105 min, som dolby digital, cor.

Aïunouz, K. (2006). O céu de Suely. Produção: Videofilmes/ Celluid Dreams/ Shotgun Pictures, Direção: Karim Aïnouz. Brasil/ França/ Alemanha/ Portugal, 35 mm, 88 min, som dolby digital, cor.

Aïunouz, K. (2008). O céu de Suely / argumento de Simone Lima, Karim Aïnouz e Maurício Zacharias; roteiro de Karim Aïnouz, Felipe Bragança e Maurício Zacharias – São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo.

Benjamin, W. (2011). Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura (Obras escolhidas v.1, 8ª ed. revista). Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense.

Canclini, N. G. (2004). Culturas híbridas (4ª ed.). São Paulo: EDUSP.

Derrida, J. (2001). Mal de arquivo: uma impressão freudiana. Tradução de Cláudia de Moraes Rego. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Derrida, J. (2005). Fidelidade a mais de um: merecer herdar onde a genealogia falta. In Tradução manifesta: double bind & acontecimento. Autoria e Tradução: Paulo Ottoni. Campinas, SP: Editora da UNICAMP. São Paulo, SP: Edusp.

Figueiredo, V. L. F. (2010). Narrativas migrantes: literatura, roteiro e cinema. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio.

Gonçalo, P. (2015). O cinema como refúgio da escrita: ekphrasis e roteiro, Peter Handke e Wim Wenders, arquivos e paisagens (Tese de doutorado). Pós-Eco, UFRJ.

Kristeva, J. (2013). Diez principios para el humanismo del siglo XXI. Traducción de Cristina García Navas. Cuadernos de literatura, XVII (33), 407-412.

Said, E. W. (2007). Humanismo e crítica democrática. Tradução de Rosaura Einchenberg. São Paulo: Companhia das Letras.

Sarlo, B. (2010). Modernidade periférica: Buenos Aires 1920 e 1930. Tradução e posfácio de Júlio Pimentel Pinto. São Paulo: Cosac Naify.