A discreta presença dos Galegos em Aveiro

Manuel Ferreira Rodrigues

Resumo


Entre 1835 e 1862, passaram por Aveiro muitos galegos, com destino a diversas vilas e cidades portuguesas, ou a caminho da América Latina. Deixando familiares no Porto, Espinho e Estarreja, alguns desses “peregrinos do trabalho” fixaram-se em Aveiro, deixando marca (discreta) na toponímia, na antroponímia e em diversas atividades económicas, nomeadamente no trato do sal, na pesca, no comércio ambulante ou de “porta aberta”. Testemunham de forma eloquente uma excelente integração económica, social e cultural, facilitada pelas origens históricas e linguísticas comuns, pela proximidade geográfica, pela identidade cultural. Na verdade, “todo o Portugal é mais ou menos galego”. Essa familiaridade chegou aos nossos dias, não obstante o “carácter assimétrico das relações entre Portugal e a Galiza”, até há poucas décadas.

Palavras-chave


migrações; Galegos; comércio ambulante; integração social; Aveiro

Texto Completo:

PDF

Referências


ADAVR. (1832). Casamentos. Requeixo. Fundo Paroquial, liv. 17, fl. 106.

Administração do Concelho de Aveiro. (1855). Livro de Registo de Passaportes, 1851-1855. Arquivo Municipal de Aveiro, liv. 1504.

Alonso Estraviz, I. (1998). A Galiza, os galegos e a língua segundo Rodrigues Lapa. Agália, 53. Disponível em http://agal-gz.org/faq/lib/exe/fetch.php?media=agalia:n53_a_galiza_os_galegos_e_a_lingua_segundo_rodrigues_lapa.pdf

Alves, J. F. (1997). Peregrinos do traballo. Perspectivas sobre inmigración galega en Porto. Estudios Migratorios, 4, 69-82.

Alves, J. F. (2002). Imigração de galegos no norte de Portugal (1500-1900): algumas notas. In A. E. Roel & D. G. Lopo (Eds.), Movilidade e migrácions internas na Europa Latina (pp. 117-126). Santiago de Compostela: Catedra Unesco. Disponível em http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/artigo11211.pdf

Alves, J. F. (1994). Os Brasileiros. Emigração e retorno no Porto oitocentista. Porto: Gráfica Reunidos.

Amorim, I. (1996). Aveiro e sua provedoria no séc. XVIII (1690-1814). Estudo económico de um espaço histórico. Coimbra: Comissão de Coordenação da Região Centro.

Amorim, R. (1987). Da mão à boca. Para uma história da alimentação em Portugal. Lisboa: Salamandra.

Barreira, M. (1993). As marinhas de sal e a barra de Aveiro na crise do séc. XVII. Revista Portuguesa de História, XXVIII, 95-141.

Câmara Municipal de Aveiro. (1834). Livro de Vereações e Acórdãos da Câmara Municipal de Aveiro, 1833-1840. Arquivo Municipal de Aveiro, liv. 12.

Câmara Municipal de Aveiro. (1859). Livro de Apresentação de Passaportes, 1852-1865. Arquivo Municipal de Aveiro, liv. 1510.

Câmara Municipal de Aveiro. (1866). Livro de Termos de juramento dos juizes de Paz. Arquivo Municipal de Aveiro, liv. 1361.

Camões, L. V. D. (2000). Os Lusíadas (4ª ed.). Lisboa: Instituto Camões.

Carballo de Wiessing, B. G. (s. d.). A orillas de Miño [Texto policopiado].

Dinis, A. C. (1986). Tipos e factos da Lisboa do meu tempo: 1900-1974. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

Felgueiras, G. (1980). O Galego – tipo popular da fauna lisboeta. Boletim Cultural da Assembleia Distrital de Lisboa, III (86-1).

Figueira, H. (2010). Sentido depreciativo de galego. Consultado em http://www.flip.pt/Duvidas-Linguisticas/Duvida-Linguistica/DID/4388

Fontenla, J. L. (2003). O mito de Babel: contra a desagregação da Língua Portuguesa. Babilónia-Revista Lusófona de Línguas, Culturas e Tradução, 1. Disponível em http://revistas.ulusofona.pt/index.php/babilonia/article/download/1770/1420

Fortuna, A. A. A. (1853). Livro de Actos e Contratos. Arquivo Distrital de Aveiro, liv. 688-49.

García de Cortazar, F., & González Vesga, J. M. (2012). Breve Historia de España. Madrid: Alianza Editorial.

Gonzales Blasco, L. (1997). Luta dos Galegos em defesa da unidade cultural comuns. Uma visão de ambas as partes. In Galiza-Portugal, uma só nação (pp. 61-80). Lisboa: Nova Arrancada.

González Liaño, I. (2007). Socioloxía das literatas na Galicia do Rexurdimento: a singularidade do pensamento feminista de Rosalía de Castro.

González Lopo, D. L. (1993). La emigracion a Portugal desde el suroeste de Galicia en los siglos XVIII al XX. In M. B. N. D. Silva, M. I. Baganha, M. J. Maranhão, & M. H. Pereira (Eds.), Emigração/Imigração em Portugal- Actas do Colóquio Internacional sobre Emigração e Imigração em Portugal (séc. XIX-XX) (pp. 373-391). Lisboa: Editorial Fragmentos.

Gonzalez, J. D. (2005). A condição de Portuguesa da língua da Galiza. MÁRIO VILELA, 469. Disponível em http://scholar.googleusercontent.com/scholar.enw?q=info:PRlhiyZUjN0J:scholar.google.com/&output=citation&scisig=AAGBfm0AAAAAWCxVPwThgwcA-P4x71cAsyKuFAIndpCq&scisf=3&ct=citation&cd=0&hl=pt-PT

Henríquez Salido, M. D. C. (1997). O reintegracionismo cultural e linguístico galego-português. In Galiza-Portugal, uma só nação (pp. 33-39). Lisboa: Nova Arrancada.

Houaiss, A., & Villar, M. D. S. (2003). Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa (2). Lisboa: Temas & Debates.

Infopédia. (2016). Manuel Boullosa. Consultado em em https://www.infopedia.pt/????manuel-boullosa

Jazente, A. D. (2009). Poesias de Paulino Cabral de Vasconcelos, abbade de Jazente (I). Amarante: Câmara Municipal de Amarante.

Justino, D. (1988). A formação do espaço económico nacional, 1810-1913. Lisboa: Vega.

Leira, X. (2007). Historias dunha emigración difusa. 500 anos de emigración galega a Lisboa. Santiago de Compostela: Acuarela Comunicación.

Lôpes Facal, J. (2001c). A euro-região económica de Galiza, Norte de Portugal. Revista Portuguesa de Gestão, 3. Disponível em http://agal-gz.org/faq/lib/exe/fetch.php?media=gze-ditora:a_euro--regiao_economica.pdf

López, T. (1997). O Neotrobadorismo. Vigo: Edicións A Nosa Terra.

Machado, J. P. (1981). Grande Dicionário da Língua Portuguesa (V). Lisboa: Amigos do Livro Editores.

Mello, M. D. (2013c). Teixeira de Pascoaes e Rosalía de Castro. Diário do Minho. Disponível em http://www.juventudedagaliza.com/comunicacion-y-prensa/2013/teixeira-pascoaes-rosalia-castro.html

Mourato, A. C. (1994). Tipos citadinos. In F. Santana & E. Sucena (Eds.), Dicionário da História de Lisboa (pp. 911-922). Lisboa: s. n.

Oliveira, C. (1989). Oliveira Salazar e a política externa portuguesa: 1932-1968. In Salazar e o Salazarismo.

Pacheco, F. A. (1994). Trabalhos e paixões de Benito Prada. Lisboa: Círculo de Leitores.

Pereira, C. M. (1995). Famílias portuenses na viragem do século (1880-1910). Porto: Edições Afrontamento.

Pereira, M. D. C. M. (2008). Legislação sobre emigração para o Brasil na Monarquia Constitucional. In M. I. Matos, F. D. Souza, & A. Hecker (Eds.), Deslocamentos & Histórias: os Portugueses (pp. 35-47). São Paulo: EDUSC. Disponível em http://scholar.googleusercontent.com/scholar.enw?q=info:oESglW8LLE0J:scholar.google.com/&output=citation&cisig=AAGBfm0AAAAAWCxrHh5XUNilvjDPuXX7FvaPEouoHO87&scisf=3&ct=citation&cd=0&hl=pt-PT

Rodrigues, M. F. (S. d.). O Teatro em Aveiro, 1856-1881. [Em preparação para publicação].

Rodrigues, M. F., & Barreira, M. (1994). Toponímia do concelho de Aveiro. Elementos para o seu estudo. Estudos Aveirenses, 3, 167-194.

Santana, F., & Sucena, E. (1994). Jerónimo Martins (Estabelecimento de). In F. Santana & E. Sucena (Eds.), Dicionário da História de Lisboa (p. 477). Lisboa: s. n.

Sarabando, J. (1997). Cagaréus e Ceboleiros. Aveiro – usos e costumes. Porto: Campo das Letras.

Seivane Tápia, B. (1997). Galiza: ontem e hoje de um genocídio linguístico. In Galiza-Portugal, uma só nação (pp. 79-100). Lisboa: Nova Arrancada.

Sequeira, A. D. M. (1967). Depois do Terramoto. Subsídios dos bairros ocidentais de Lisboa (II). Lisboa: Academia das Ciências de Lisboa.

Silva, A. D. P. (1901). Actos e contratos. Arquivo Distrital de Aveiro, liv. 1095-22.

Silva, J. A. D. (2004). Caminhos de Santiago. Theologica, 39, 331-357. Disponível em http://scholar.googleusercontent.com/scholar.enw?q=info:Nip8wN7FfrYJ:scholar.google.com/&output=citation&scisig=AAGBfm0AAAAAWDH2z6JXjv0mboeD_D399Qu1zNTepxDk&scisf=3&ct=citation&cd=0&hl=pt-PT

Silva, M. J. V. B. M. D. (1991). Aveiro medieval. Aveiro: Câmara Municipal de Aveiro.

Sousa, A. D. (1992). Relojoeiro Isla. O Aveiro.

Tavares, M. J. F. (1997). A expulsão dos Judeus de Portugal: conjuntura peninsular. Oceanos, 29.

Torres Cabajo, F. (2009). El Vigo de otra epoca. Vigo: Ediciones Cardeñoso.

Torres Feijó, E. J. (1999). Cultura portuguesa e legitimaçom do sistema galeguista: historiadores e filólogos (1880-1891=. Ler História, 36, 273-318. Disponível em http://agal-gz.org/faq/lib/exe/fetch.php?media=gze-ditora:cultura_portuguesa_e_legitimacom_do_sistema_galeguista.pdf

Vázquez Cuesta, P. (1995). Portugal-Galicia, Galicia-Portugal: un diálogo asimétrico. Colóquio-Letras. Nós: a Literatura Galega, 137-138, 5-21.

Villares, R. (1991). História da Galiza. Lisboa: Livros Horizonte.