Identidades em obra: processos identitários na migração internacional de retorno ao Brasil

Isabela Bento dos Santos, Regina de Paula Medeiros

Resumo


O último Censo Demográfico Brasileiro (IBGE, 2010) constatou a entrada significativa de imigrantes internacionais no Brasil, porém o fluxo de pessoas para o país não é composto apenas por estrangeiros, mas também por brasileiros que retornaram após terem vivido no exterior. Tal
fenômeno é denominado migração internacional de retorno. O retorno equivale-se à primeira emigração, pois envolve, além da tomada de decisão para retornar e a interrupção dos laços de convivência diária no país de destino, alterações nas identidades, modos de vida e sistemas de significados. O migrante de retorno, mesmo que regresse ao país de origem, no caso desse artigo o Brasil, depara-se com possíveis transformações nos espaços sociais e físicos, assim como prováveis mudanças nas trajetórias dos personagens que anteriormente compunham o seu universo. Portanto, lida com o familiar estranho e com o estranho familiar. A questão do retorno é enigmática e de difícil compreensão, já que questiona o caráter unidimensional e definitivo das migrações (Durand, 2006), justificando o seu estabelecimento como
objeto de estudo, principalmente no campo das ciências sociais. Botega, Cavalcanti & Oliveira (2015) destacam a relevância em considerar o retorno nas políticas migratórias, já que ele se constitui em uma “nova migração para um local ainda mais desconhecido” (p.39). Regressar ao país de origem implica fatores que devem ser considerados como trabalho, família, finanças, entre outros, o que requer necessariamente novas adaptações, negociações de identidades e conciliações com o grupo local. Nossa proposta neste artigo é discutir a construção e negociação de identidade de migrantes brasileiros que retornam ao território nacional. Trata-se de parte de uma pesquisa qualitativa em desenvolvimento (dissertação de mestrado) a ser concluída em fevereiro/2017. Foram utilizadas análise documental e entrevistas em profundidade com retornados de diferentes países para o Brasil.

Palavras-chave


migração internacional brasileira; retorno; identidade; interculturalidade

Texto Completo:

PDF

Referências


Almeida, G.M.R, Baeninger, R. (2013). Modalidades migratórias internacionais: da diversidade dos fluxos às novas exigências conceituais. In R. Baeninger (Org.), Migração Internacional (pp. 23-34). Campinas: Núcleo de Estudos da População – NEPO/Unicamp.

Botega, T. Cavalcanti, L. Oliveira, A.T. (2015) (Orgs.). Migrações Internacionais de Retorno no Brasil. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego. Recuperado de http://acesso.mte.gov.br/obmigra/migracao-de-retorno/.

Castles, S. (2000) International Migration at the beginning of the twenty-first century: Global Trends and Issues. International Social Science Journal, 52(165), 269-281. Recuperado de http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/issj.2000.52.issue-165/issuetoc. doi: 10.1111/1468-2451.00258

Cuche, D. (1999). A noção de cultura nas ciências sociais. Bauru: EDUSC.

Durand, J. (2006). Los inmigrantes también emigran: la migración de retorno como corolario del proceso. Revista Interdisciplinar de Mobilidade Humana, Brasília, 14 (26/27), 167-189. Recuperado de http://www.csem.org.br/remhu/index.php/remhu/article/view/40.

Gmelch, G. (1980) Return Migration. Annual Review of Anthropology, 9, 135-159. Recuperado de http://www.jstor.org/stable/2155732.

Hall, S. (2005). A identidade cultural na pós-modernidade (10ª ed.). Rio de Janeiro: DP&A.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Censo Demográfico 2010. Nupcialidade, fecundidade emigração: resultados da amostra. Rio de Janeiro: IBGE Recuperado de http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/98/cd_2010_nupcialidade_fecundidade_migracao_amostra.pdf.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Censo Demográfico 2010. Questionário da Amostra CD 2010. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado de http://censo2010.ibge.gov.br/images/pdf/censo2010/questionarios/questionario_amostra_cd2010.pdf.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2011). Censo Demográfico 2010. Características da População e dos Domicílios. Resultados do Universo. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado de http://www.brasileirosnomundo.itamaraty.gov.br/a-comunidade/estimativas-populacionais-das-comunidades/estimativas-do-ibge/censo-demografico-ibge-2010.pdf/view.

Oliveira, A. T. (2013). Um panorama da migração internacional a partir do censo demográfico de 2010. Revista Interdisciplinar de Mobilidade Humana, Brasília, 21(40), 195-210. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1980-85852013000100012.

Organização das Nações Unidas para educação, ciência e cultura (2016). Migrant/ Migration. Recuperado de www.unesco.org/new/en/social-and-human-sciences/themes/international-migration/glossary/migrant/.

Organização Internacional para as migrações. (2011) Glossary on Migration (2ª ed.). Genebra: OIM.

Patarra, N. L. (2005). Migrações internacionais de e para o brasil contemporâneo: volumes, fluxos, significados e políticas. São Paulo em perspectiva, 19 (3), 23-33. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/spp/v19n3/v19n3a02.pdf.

Santos, M. O. (2010). A noção de identidade e seus usos nos estudos migratórios. Revista Interdisciplinar de Mobilidade Humana, Brasília, 18(34), 27-43. Recuperado de http://www.csem.org.br/remhu/index.php/remhu/article/view/207/190

Sasaki, E.M. (1999). Movimento dekassegui: a experiência migratória e identitária dos brasileiros descendentes de japoneses no Japão. In R. R. Reis & T. Sales (Orgs.), Cenas do Brasil Migrante (pp. 243-274). São Paulo: Boitempo.

Sassen, S. (2010). A criação de migrações internacionais. Sociologia da Globalização. (pp. 113-138). Porto Alegre: Editora Artmed.

Sayad, A. (1998). A Imigração ou os Paradoxos da Alteridade. Tradução de C. Murachco. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Sayad, A. (2000). O retorno. Elemento constitutivo da condição do imigrante. Travessia. Revista do migrante. São Paulo. Número especial.

Silva, T. T. S. (2014). A produção social da identidade e da diferença. In T.T. da Silva (Org.), Identidade e diferença. A perspectiva dos estudos culturai. (15ª ed.). (pp. 73-102). Petrópolis: Vozes.

Woodward, K. (2014). Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In T.T. da Silva (Org.), Identidade e diferença. A perspectiva dos estudos culturais (15ª ed.). (pp. 7-72). Petrópolis: Vozes.