As Casas de Brasileiros: os movimentos migratórios e a construção de itinerários no Norte de Portugal

Alda Neto

Resumo


A Emigração portuguesa nos séculos XIX e XX constituiu um fenómeno histórico e sociológico cuja importância se acentuou quer no Brasil (percurso profissional dos portugueses) quer em Portugal (regresso). Após um árduo percurso, os portugueses regressaram e intervieram na
vida política, económica, social e artística das suas localidades. Neste contexto, os brasileiros de torna-viagem construíram casas, igrejas e outros equipamentos. A construção destes edifícios nos meios rurais e urbanos conduziram à criação de itinerários de sucesso e de afirmação social, que foram, simultaneamente, assimilados por outros grupos que se encontravam numa situação de idêntica ascensão social. Destaca-se a Casa do Brasileiro, enquanto principal elemento representativo do modo como cada individuo se insere no meio local e, também, todas as outras edificações (escolas, hospitais, igrejas) que permitiram ao emigrante afirmar a sua benemerência. A casa do brasileiro tornou-se uma construção social, isto é, representa o modo como cada individuo se insere no meio local que o viu partir. A casa constitui uma expressão paradigmática da melhoria das condições de vida daquele que partiu e que, posteriormente, regressou rodeado de sucesso. Além de intensificarem tensões entre emigrantes e residentes, as casas transformaram a paisagem rural do norte de Portugal.
Como se pode verificar, este tipo de casas constitui um importante exemplar da emigração e, que necessita de uma rápida valorização patrimonial e turística, na medida em que constitui o objeto material e cultural da memória coletiva de um povo. Considera-se que estas casas, existentes em grande número, poderão fazer parte de um conjunto de rotas turísticas que nos levarão ao encontro da história e, sobretudo, conhecer in loco as localidades de onde partiram milhares de homens em busca de um futuro e levando consigo a saudade de um país….

Palavras-chave


emigração; conservação; arquitetura; turismo; valorização patrimonial; rotas

Texto Completo:

PDF

Referências


Acaso, M.; De Pascual, A. (2014). Museos y participación biográfica: introduciendo lo personal como alternativa a lo hegemónico, Midas [online]. 3|2014. posto online no dia 21 de maio de 2014, consultado no dia 27 de maio de 2014.

Alves, J. F. (2004). O brasileiro oitocentista – representações de um tipo social. In BMD Vieira (Org.), Grupos Sociais e Estratificação Social em Portugal no século XIX (pp. 193-199). Lisboa: ISCTE.

Alves, J. F. (1994). Os Brasileiros. Emigração e Retorno no Porto Oitocentista. Porto: Edição de autor.

Arroteia, J. C. (1985). Atlas da Emigração Portuguesa. Porto: Secretaria de Estado da Emigração – Centro de Estudos.

Baganha, M. I. B. (2001). Historiografia da emigração portuguesa para o Brasil: algumas notas sobre o seu passado, o seu presente e o seu futuro. In J. J. Arruda & Fonseca, L.A. (Org.), Brasil – Portugal: História, Agenda Para o Milénio. Bauru: EDUSC.

Castelo Branco, C. (1999). Novelas do Minho. Lisboa: Publicações Europa-América.

Castelo Branco, C. (1999). Eusébio Macário. Lisboa: Publicações Europa-América.

Coelho, J. F. (2002). Penafiel – Há Cem Anos.2 volumes. Penafiel: Livrofiel.

Fernandes, A.; Paiva, O. (2009). Emigração dos minhotos para o Brasil (1850-1910). Os bem-sucedidos e os outros. In Fernando de Sousa, et al. (Coord.), Nas Duas Margens Os Portugueses no Brasil (pp. 411-423). Porto: Edições Afrontamento,

Jorge, R. (1930). Brasil! Brasil! (pp. 23-249). Lisboa: Empresa Literária Fluminense.

Lanau, D. & Morales, E. (2014). Un quehacer cotidiano: proyecto de mediación de la exposición hacer en lo cotidiano. Midas [online], 3|2014, posto online no dia 21 de maio de 2014, consultado no dia 27 de maio de 2014.

Lourenço, E. (1999). Portugal Como Destino Seguido de Mitologia da Saudade. Lisboa: Gradiva.

Mata, M. (2014). Do museu das comunicações ao Bairro da Madragoa: considerações sobre a relação entre um bairro e um museu. Midas [online], 3|2014, posto online no dia 13 de maio de 2014, consultado no dia 27 de maio de 2014.

Mendes, J.J. (2002). Santuário de Nossa Senhora da Piedade e Santos Passos de Penafiel. Penafiel: Edição da Confraria de Nossa Senhora da Piedade e dos Santos Passos de Penafiel.

Monteiro, M. (1991). Fafe dos Brasileiros (1860-1930) – Perspectiva Histórica e Patrimonial. Fafe: Edição de autor.

Neto, A. (2011). As Casas de Brasileiros no concelho de Paredes (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

Pereira, M. H. (2002). A Política Portuguesa de Emigração (1850-1930). São Paulo: EDUSC.

Pedreirinho, J. M. (1986). Arquivos de arquitectura: as casas dos emigrantes – Brasileiros. Revista História, 98, 96-100.

Peixoto, P. (2009). Casas de ‘Brasileiro’ no Norte de Portugal: do Porto à ruralidade (1850-1930). 2 vols. (Dissertação de Doutoramento). Universidade de Santiago de Compostela.

Rocha-Trindade, M. B. (2002). Musealizar as migrações. Revista História XXIV(III), 58-63.

Rocha-Trindade, M. B. & Caeiro, D. (2000). Portugal-Brasil: Migrações e Migrantes (1850-1930) (pp. 11-15). Lisboa: Edições Inapa.

Rocha-Trindade, M. B. (1986). Refluxos culturais da emigração portuguesa para o Brasil. Análise Social XXII (90), 139-156.

Rosário, D. R. (2014). Entroncamento de histórias: registo de testemunhos orais, Midas [online], 3|2014. posto online no dia 13 de maio de 2014, consultado no dia 27 de maio de 2014.

Santos, E. (2000) (Dir.). Os Brasileiros de Torna-Viagem no Noroeste de Portugal. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses.

Tavares, C. G. T. & Leite, R. (2014). O projeto Picar o Ponto: memórias orais de operários da Fábrica Robinson. Midas [online], 3|2014. posto online no dia 13 de maio de 2014, consultado no dia 27 de maio de 2014.