Fuga de Cérebros no Irão e as soluções

Mitra Shahabi

Resumo


O presente artigo centra-se no êxodo migratório do Irão, a sua natureza e os fatores de push e pull envolvidos, ou seja, os efeitos de fatores sociais, culturais, económicos e políticos sobre a emigração. Neste estudo, apresentamos diferentes períodos de emigração no Irão e os impulsionadores desta ação em cada período. O estudo centra-se, principalmente, no fenómeno da fuga de cérebros, tentando apontar os motivos de tal emigração, as perdas resultantes, e soluções para a sua prevenção. O fenómeno da fuga de cérebros é tão comum no Irão que, de acordo com as estatísticas do Fundo Monetário Internacional, para o ano de 2009, o Irão estava em primeiro lugar, entre os 91 países não desenvolvidos e em vias de desenvolvimento no mundo. De acordo com alguns estudos, as principais causas para a fuga das elites intelectuais iranianas podem ser
resumidas a fatores como negligência pela importância da ciência e da investigação, fatores económicos, a ausência de liberdades políticas e sociais, a falta de meritocracia, o desemprego, entre outros, para os quais algumas soluções são apresentadas neste estudo. As razões subjacentes à emigração diferem nos diferentes períodos. Os principais períodos de emigração do Irão situam-se: no período antes da revolução, nos primeiros anos após a Revolução, no período de guerra, e no período recente de sanções.

Palavras-chave


êxodo; fuga de cérebros; perda económica

Texto Completo:

PDF

Referências


Asgari et al, (1995). (Brain drain, the reverse transmit of technology). Translated by Majid Mohammadi, Tehran: Aftab.

Cabrito, B., et al., (2014). The Brain Drain in Portugal: Some Explanatory Reasons. Investigaciones de Economia de la Educación, 9, 831-846.

Dodani, S. & LaPorte, R. E. (2005). Brain Drain from Developing Countries: How can Brain Drain be Converted into Wisdom Gain? JRSM: Journal of the Royal Society of Medicine, 98(11), 487-491. doi: 10.1258/jrsm.98.11.487.

Forster, N. (2000). Expatriates and the Impact of Cross-Cultural Training. Human Resource Management Journal, 10 (3), 63-78. doi: 10.1111/j.1748-8583.2000.tb00027.x.

Ganga, R. et. al. (2015). Brain Drain: Portraits of high qualify Portuguese emigration to Europe. Paper presented in ECER 2015, Education and Transition. Retrieved from http://www.eera-ecer.de/ecer-programmes/conference/20/contribution/35908/.

Johnson, J. M. & Regets, M. (1998). International Mobility of Scientists and Engineers to the US-Brain Drain or Brain Circulation? NSF Issue Brief, 98-316.

Kupfer, L, Hoffman, K & Jarawan, R. (2004). Strategies to Discourage Brain Drain. Bulletin of the World Health Organization, 82, 616-619.

Machayo J. A. & Keraro V. N. (2013). Brain Drain among Health Professionals in Kenya: A Case of Poor Working Conditions? – A Critical Review of the Causes and Effects. Prime Journal of Business Administration and Management, 3 (6), 1047-1063.

Mansouri, R. (1989). (A view on the research situation in Iran). Periodical of Research and Scientific Policy, 1, 15.

Meyer, J. R. (2001). Network Approach versus Brain Drain: Lessons from the Diáspora. International Migration, 5, 91-110. doi: 10.1111/1478-2435-00173.

Meyer J. B. & Brown, M. (1999). Scientific diasporas: A new approach to the brain drain, (Management of social transformations, discussion paper No. 41). Paris: UNESCO.

Olesen, H. (2002). Migration, Return and Development: An Institutional Perspective. International Migration, 40 (4), 125-151. doi: 10.1111/1468-2435.00214.

Omidvarnia, M.J. (2000).(Security in the 21st century [the China´s view]). (1st edition, pp. 76-83). Tehran: The International and Political Studies Office.

Pang, T., et al (2002). Brain Drain and Health Professionals. BMJ, 324 (7336), 499-500. doi:10.1136/bmj.324.7336.499.

Spence, M. (1973). Job Market Signaling. Quaterly Journal of Economics, 87 (3): 335-374.

World Bank. (2000). World Development Report, 2000/01. Washington, DC: World Bank.