Emigrantes: estranhos numa terra estranha

Helena Ferreira, Aline Ferreira

Resumo


Shaun Tan nasceu em 1974 na Austrália Ocidental. É licenciado em Belas Artes e em Literatura Inglesa e actualmente trabalha como artista e autor freelance em Melbourne. Participa ainda em projectos de cenografia, arte conceptual e cinema de animação. As suas obras de carácter histórico
exprimem sempre uma crítica social e política e como o próprio autor afirma, revelam o “interesse recorrente pela ideia de ‘pertença’” (Tan, 2007). O presente estudo centra-se na obra “Emigrantes”, de 2007 que conta a história, em imagens, de um homem que deixa a sua família para partir rumo ao desconhecido. Este emigrante chega a um lugar “enlouquecido” de costumes estranhos, animais peculiares, objectos flutuantes e idiomas indecifráveis. Desta forma, Tan introduz temas como a difícil adaptação a outra cultura, a importância da família, a identidade e o sentimento de pertença. Na pesquisa para este livro, o autor recolheu histórias autobiográficas de emigrantes, o que muito contribuiu para que esta obra fosse ecuménica, uma vez que equivale à realidade que enfrentam muitos emigrantes contemporâneos ou de outras épocas e de qualquer lugar. Esta é uma obra peculiar porque prescinde da linguagem escrita. Como refere Tan (2007), “o protagonista não pode ler nem compreender nada naquele novo país, assim o leitor também não deve poder”, para que possa vivenciar um sentimento de incerteza e de descoberta permitindo assim, que este se coloque facilmente no lugar
do protagonista, assumindo que esta é uma situação pela qual todos podemos passar. Foi nesta posição que nos colocamos, sem, no entanto, suprimir os conhecimentos que possuímos da gramática do design visual de Kress e van Leeuwen (1996, 2006), que sendo um metodologia detalhada e explícita, permite que as imagens sejam analisadas como textos comunicativos visuais, não como um texto fechado em si próprio, mas inseridas no contexto socio-cultural de que fazem parte.

Palavras-chave


Shaun Tan; emigrantes; identidade; pertença; cultura; o Outro

Texto Completo:

PDF

Referências


Berry, J. (1989). Acculturation et adaptation psychologique. In J. Retschitzky, M. Bossel–Lagos, P. Dasen (Coords.), La Recherche psychologique I (pp. 135-145). Paris: L´Harmattan.

Berry, J. et al (1992). Cross Cultural Psychology. Research applications. Cambridge: University Press.

Berry, J. W. (1997). Immigration, acculturation, and adaptation. Applied Psychology, 46, 5-68. doi:

1111/j.1464-0597. 1997.tb01087.

Bersh, L. C. (2013). The Curricular Value of Teaching about Immigration through Picture Book Thematic Text Sets. The Social Studies, 104, 47-56. doi: 10.1080/00377996.2012.720307.

Boatright, M.D. (2010). Graphic Journeys: Graphic Novels’Representations of Immigrant Experiences. Journal of Adolescent & Adult Literacy 53 (6), 468-476. doi:10.1598/JAAL.53.6.3.

Boscatto, E. (S.d.). O Fantástico Mundo de Tim Burton. Obvious. Consultado em 14 outubro 2016, em http://lounge.obviousmag.org/por_tras_do_espelho/2016/01/o-fantastico-mundo-detim-burton.html.

Bosing, W. (2011). Hieronymus Bosch 1450-1516: Between Heaven and Hell. Berlim: Taschen.

Cerveira, D. (S.d.). Tim Burton: Ideias Sombrias Tratadas de Forma Lúdica. Obvious. Consultado em 14 outubro 2016, em http://lounge.obviousmag.org/com_cafe/2015/05/tim-burton-ou-timothy--walter.html.

Dallacqua, A.K., Kersten, S. & Rhoades, M. (2015). Using Shaun Tan’s Work to Foster Multiliteracies in 21st-Century Classrooms. The Reading Teacher, 69 (2), 207-217. doi: 10.1002/trtr.1395.

Del Longo, E. (2014). Pop Surrealismo. Note a fronte (Tese de Mestrado não publicada). Università Ca’ Foscari Venezia.

Erikson, E. H. (1968). Identity: Youth and crisis. New York, NY: W. W. Norton.

Ferreira, H.C.G. (2014). Ver não custa, o que custa é saber ver – A crítica social e política na comunicação visual do Teatro de Revista à Portuguesa no Parque Mayer (1926-2011) – uma análise sócio--semiótica visual. Lisboa: Chiado Editora.

Ferreira, H. & Mota-Ribeiro, S. (2014). “Tirem tudo ao alfacinha, mas não lhe tirem a Revista”: a crítica social e política na comunicação visual da Revista à Portuguesa – uma análise socio-semiótica. In M. L. Martins & M. Oliveira (Eds.), Comunicação ibero-americana: os desafios da Internacionalização – Livro de Atas do II Congresso Mundial de Comunicação ibero-americana (pp. 4006-4018). Braga: CECS – Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, Universidade do Minho.

Ferreira, H. & Ferreira, A. (2016a). Yanis Varoufakis: cheguei, fui visto e vencido! – Uma análise sociossemiótica. In Z. Pinto Coelho; N. Zagalo & T. Roldão (Eds.), Comunicação, Culturas e Estratégias. IV Jornadas Doutorais Comunicação e Estudos Culturais (pp. 126-151). Braga: CECS – Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, Universidade do Minho.

Ferreira, H. & Ferreira, A. (2016b). Os espéculos das mulheres de Paul Delvaux. In U. Sidoncha; C. Moura, (Orgs.), Culturas em Movimento, Livro de Atas do I Congresso Internacional sobre Cultura (pp. 565-578). Covilhã: Editora LabCom.IFP.

Freud, S. (2003). The Uncanny. Trad. David McLintock. London: Penguin Classics.

Garza-Guerrero, A. C. (1974). Culture shock: its mourning and the vicissitudes of identity. Journal of the American Psychoanalytic Association, 22, 408-429. doi: 10.1177/000306517402200213.

Goldstone, B. (2001/2002). Whaz up with our books? Changing picture book codes and teaching implications. The Reading Teacher, 55(4), 362-370.

Graham, J. (1998). Turning the visual into the verbal: children reading wordless books. In J. Evans (Ed.), What’s in the Picture?. (pp. 25-43). London: Paul Chapman.

Joly, Martine (1994). Introdução à Análise da Imagem. Lisboa: Ed. 70.

Halliday, M. A. K. (1985). An Introduction To Functional Grammar. Londres: Edward Arnold.

Jurinich, G. (2013). Alice E Il Paese Del Pop Surrealism. Bologna: Emil.

Kress, G. & van Leeuwen, T. (1996). Reading Images: The Grammar of Visual Design, Londres: Routledge

Kress, G. & van Leeuwen, T. (2006). Reading Images: The Grammar of Visual Design (2ª ed.). Londres: Routledge

Kiefer, B. (2011). What is a Picturebook? Across The Borders of History. New Review of Children’s Literature and Librarianship, 17 (2), 86-102. doi: 10.1080/13614541.2011.624898

Lewis, D. (2001). Reading contemporary picturebooks: Picturing text. New York: RoutledgeFalmer.

Mitchell, W. J. T. (2005). What do pictures want?: the lives and loves of images. Chicago: University Of Chicago Press.

Mitchell, W. J. T. (2009, jan./abr.). Como caçar (e ser caçado por) imagens: entrevista com W. J. T. Mitchell. Entrevista concedida a Daniel Portugal e Rose de Melo Rocha. E-compós, Brasília, 12 (1). Consultado em 14 Outubro 2016, em file:///Users/deolindaleite/Downloads/376-1537-1-PB.pdf.

Nodelman, P. (1988). Words about pictures: The narrative art of children’s picture books. Athens: University of Georgia Press.

Palinkas, L.A (1982). Ethnicity, identity and mental health: the use of rhetoric in an immigrant Chinese church. Journal of Psychoanalytic Anthropology, 5 (3), 235-258.

Pantaleo, S.J. (2007). ‘‘Everything Comes from Seeing Things’’: Narrative and Illustrative Play in Black and White. Children’s Literature in Education, 38, 45-58. Doi: 10.1007/s10583-006-9029-x.

Ramos, N. (2013). Interculturalidade(s) e Mobilidade(s) no espaço europeu: viver e comunicar entre culturas. The Overarching Issues of the European Space (pp. 343-360). Porto: Ed. Faculdade Letras Universidade do Porto.

Rowe, A. (1996). Voices Off. Reading Wordless Picture Books. In M. Styles, E. Bearne & V. Watson (Eds.), Voices Off. Texts, Contexts and Readers (pp. 222-232). London: Cassell.

Tan, S. (2006). Special Citation for Excellence in Graphic Storytelling. Horn Book Magazine, 29-33.

Tan, S. (2006). Emigrantes. Matosinhos: Kalandraka Editora Portugal, Lda.

Tan, S. (2007). The Arrival. Shaun Tan. Consultado em 9 setembro 2016, em http://www.shauntan.net/books/the-arrival.html.

Tan, S. (S.d.). Picture Books: Who Are They For?. Shaun Tan. Consultado em 9 setembro 2016,

em http://www.shauntan.net/images/whypicbooks.pdf.

Tan, S. (2008). A Conversation with Illustrator Shaun Tan. In Ling, Chuan-Yao, Q&A, pp. 44-47.

Vaz Serra, A. (1980). Algumas reflexões sobre emigração portuguesa. Psiquiatria Clínica, 1 (3), 153-164.