A personagem migrante em As Maçãs Azuis

Paulo Jorge Teixeira Cavaco, Rosa Maria Sequeira

Resumo


A presente comunicação analisa a possibilidade da narrativa autobiográfica As Maçãs Azuis: Portugal e Goa 1948-1961 (1987) de Edila Gaitonde ser considerada uma obra de literatura de migração. Para tal, analisar-se-ão duas questões consideradas centrais na Literatura de Migração: a questão da identidade híbrida da personagem migrante e a questão da fronteira, aspetos intimamente relacionados entre si.
O percurso da protagonista é o de um ser migrante, marcado pela mudança e pelo movimento, que atravessou constantemente fronteiras, não só físicas, mas também, e sobretudo, culturais, sociais, linguísticas e político-ideológicas. Em virtude de ter contraído matrimónio com um médico nacionalista hindu e opositor ao regime colonial português, os desafios enfrentados pela personagem estão marcados pelo seu encontro com o Oriente (ou com as diversas realidades sociopolíticas e culturais da Índia) aquando da mudança para essa parte do globo, assim como pelo combate político ao partilhar com o esposo os valores da democracia e o sonho de uma Goa independente. A transposição constante de fronteiras repercutiu-se na identidade açoriana-portuguesa-católica-ocidental da protagonista, em resultado das relações de vária ordem (pessoais, familiares ou sociais) estabelecidas com a heterogeneidade de comunidades existentes em Goa ¾ a comunidade portuguesa constituída pela população oriunda da metrópole e que estava no território ao serviço do Estado Português, representando-o, e as comunidades autóctones cristã e hindu de Goa. A integração da personagem nesse espaço sociocultural levou a uma reconfiguração da sua identidade, que se traduziu na formação de uma identidade híbrida, a qual favoreceu, por seu turno, o equilíbrio almejado pela personagem com vista a conciliar a sua identidade cultural ocidental com a das comunidades existentes no Oriente, particularmente a hindu, procurando evitar ou minimizar o choque cultural.

Palavras-chave


Edila Gaitonde; hibridez; identidade; literatura; migração; personagem

Texto Completo:

PDF

Referências


Antoine, P., Nitsch, W. (2015). Introduction: le mouvement des fronteires. In Le Mouvement des fronteires: Déplacement, brouillage, effacement (pp. 9-16). Clermont-Ferrand: Presses Universitaires Blaise Pascal.

Das, B. K. (2006, 2003). Postmodern Indian English Literature. Nova Deli: Atlantic.

Frank, S. (2008). Migration and Literature: Gunter Grass, Milan Kundera, Salman Rushdie, and Jan Kjaerstad. Nova Iorque: Palgrave Macmillan.

Gaitonde, E. (2011). As Maçãs Azuis: Portugal e Goa 1948-1961. Dafundo: Editorial Tágide.

Hall, S. (2005). A Identidade Cultural da Pós-Modernidade. Rio de Janeiro: DP&A Editora.

Ribeiro, A. S. (2002). A retórica dos limites. Notas sobre o conceito de fronteira. In B. S. Santos (Org.), A Globalização e as Ciências Sociais (2ªed., pp. 475-501). São Paulo: Cortez Editora.