Variedades do português em texto literário e sua tradução em francês. Que fronteiras? Que horizontes?

Maria Helena Araújo Carreira

Resumo


A recriação literária das variedades da língua portuguesa revela a complexidade dos usos e sua variação, trilhando os caminhos da criação esteticamente modelada e afastando-se da imitação pauperizada. Assim, o presente estudo basear-se-á na análise de diferentes níveis e registos de língua, a partir de um corpus de textos literários contemporâneos de modo a pôr em evidência os processos de recriação da complexidade linguística em português. Num segundo tempo, uma comparação com a tradução francesa, permitir-nos-á refletir de modo comparativo sobre coincidências, aproximações e discordâncias de processos linguísticos em português (texto fonte) e em francês (tradução). Tal reflexão será conduzida na perspetiva de zonas de transição, de margens que atenuam fronteiras separadoras, anulando-as, abrindo assim horizontes de interpretação de um contexto linguístico e cultural de uma língua outra – o português- graças à sua recriação em francês.

Palavras-chave


variedades linguísticas; (re)criação literária; tradução português-francês; abordagem linguística comparativa

Texto Completo:

PDF

Referências


Almeida Faria (1986). Cortes (3ª ed.; 1ª ed. 1978). Lisboa: Caminho. [Tradução por Anne-Marie Quint et Maryvonne Boudoy: Déchirures (1989). Paris Belfond].

Couto, M. (2004). O fio das missangas (4ª ed.). Lisboa: Caminho. [Tradução por Elisabeth Monteiro Rodrigues: Le fil des missangas (2010). Paris: Chandeigne].

Gonçalves, O. (1989). Ora Esguardae. Lisboa: Caminho. [Não existe tradução francesa].

Guimarães Rosa, J. (1985). Primeiras estórias (14ª ed.; 1ª ed. 1962). Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira. [Tradução por Inès Oseki-Deppré: Premières histoires Nouvelles (1982). Paris: Éditions A. M. Métailié].

Tavares, G. M. (2011). Uma Viagem à Índia. Lisboa: Caminho. [Tradução por Dominique Nédellec: Un voyage en Inde (2012). Paris: Éditions Viviane Hamy].