A Bíblia às avessas: uma releitura irônica do Gênesis no conto “Na arca”, de Machado de Assis

Tiago Ferreira da Silva

Resumo


O trabalho pretende analisar de que modo o conto “Na arca”, de Machado de Assis, ao apropriar-se ironicamente do discurso bíblico presente no Gênesis, problematiza a ganância como reflexo da contradição humana e também discute questões relativas à realidade brasileira e seu processo de formação. O que se pretende mostrar é que a apropriação irônica do texto bíblico, conforme se vê no conto relativiza algo tido como sagrado, de certa forma invertendo-lhe o sentido. Além disso, a estrutura narrativa do conto e a temática nele presente abrem espaço para uma reflexão sobre o universal, ao tratar da ganância humana desde os tempos imemoriais da Bíblia – o que se nota pela disputa entre os filhos de Noé –, até o século XIX, vide a menção na releitura machadiana à Guerra da Crimeia. Ao recorrer ao texto sagrado da cultura judaico-cristã – não fazendo citações como em outros textos, mas se apropriando, ironicamente, do peculiar discurso bíblico, Machado de Assis não só deixa clara certa relativização do que seria sagrado e, por consequência, intocável e absoluto, como também, pelo conteúdo que insere no discurso bíblico apropriado, uma problematização na tentativa de reinterpretação dos fatos narrados no Antigo Testamento, com intuito de discutir as contradições humanas, mas também, as questões históricas e políticas que a narrativa de “Na arca” deixa ver.

Palavras-chave


Bíblia; Machado de Assis; Arca-de-Noé; ironia; realidade histórica; contradição humana

Texto Completo:

PDF

Referências


Assis, M. (2007). 50 contos de Machado de Assis. Seleção, introdução e notas John Gledson. São Paulo: Companhia das Letras.

Assis, M. (2004). Instinto de nacionalidade. In Obra completa (Volume III, pp. 801-809). Organizada por Afrânio Coutinho. Rio de Janeiro: Nova Aguilar.

Bastos, H. & Araújo, A. F. B. (Orgs.). (2011). Teoria e prática da crítica literária dialética. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Bosi, A. (2007). Machado de Assis: o enigma do olhar (4ª ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Candido, A. (2010). O Discurso e a cidade. São Paulo, Rio de Janeiro: Duas Cidades, Ouro sobre Azul.

Candido, A. (2004). Esquema de Machado de Assis. In Vários Escritos. São Paulo, Rio de Janeiro: Duas Cidades, Ouro sobre Azul.

Coutinho, A. (1959). A Filosofia de Machado de Assis e outros ensaios. Rio de Janeiro: Livraria São José.

Frederico, C. (1997). Lukács – um clássico do século XX. São Paulo: Editora Moderna.

Flores da Cunha, P. L. (1998). Machado de Assis: um escritor na capital dos trópicos. Porto Alegre: IEL: Editora Unisinos.

Gledson, J. (1991). Machado de Assis: impostura e realismo. Uma reinterpretação de Dom Casmurro. São Paulo, Companhia das Letras.

Gledson, J. (2006). O machete e o violoncelo. In Por um novo Machado de Assis. São Paulo: Companhia das Letras.

Lukács, G. (2010). Narrar ou descrever. In Marxismo e teoria da literatura (pp. 149-185). São Paulo: Expressão Popular.

Meyer, A. (2008). Machado de Assis. Rio de Janeiro: José Olympio/ABL.

Secchin, A. C. et al. (Orgs.). (1998). Machado de Assis, uma revisão. Rio de Janeiro: In-Fólio.