Memória e migração: Mato Grosso e o romance de formação

Olga Maria Castrillon-Mendes

Resumo


O caráter da literatura brasileira produzida em Mato Grosso/Brasil passa pelo sentido (e norteamento) de um projeto delineado pelo trabalho dos intelectuais que exerceram, nas primeiras décadas do século XX, papel preponderante nos caminhos da construção de uma identidade regional. As obras que condensam a historiografia literária acentuam o isolamento dos espaços que mantinham comunicação com o centro hegemônico de produção através de precários meios fluviais ou terrestres com os quais, paradoxalmente, se ligavam ao mundo. Após a primeira metade do século XX delineia-se uma nova cartografia regional demarcada pelo trânsito entre as culturas oriundas dos movimentos migratórios, cujos antagonismos produziram, de maneira nem sempre harmoniosa, outras formas de criação artística e padrões sociais. Nessa perspectiva, vemos os primeiros romances escritos em Mato Grosso construídos em meio a essa “intensidade” histórica (Benjamin, 1985) entre a tradição a ser preservada e a modernidade a ser assimilada (ou rejeitada). Embora timidamente, a “periferia move-se” (Bosi, 2010) na/pela ação das personagens que se articulam no universo plural de sentimentos “estrangeiros” na obra literária. Essa duplicidade cultural produz visões de mundo e formas de representação diversas, o que não deixa de ser um
ganho à cultura local, pois como fala Octávio Paz (1999), o romance é o lugar por excelência da representação literária da “outridade”. Nesse sentido, buscando compreender o universo romanesco que fornece sentidos diversos para se pensar a formação do romance em Mato Grosso, estas reflexões trazem aspectos relacionais entre as obras Luz e sombras, de Feliciano Galdino de Barros (1917), Mirko, de Francisco Bianco Filho (1927), Piedade, de José de Mesquita (1928) e Era um poaieiro, de Alfredo Marien (1944) que reconhecem, como explica Rosenfeld (1969), o que é corriqueiro na ciência e na filosofia.

Palavras-chave


migração; memória; romance em Mato Grosso; século XX

Texto Completo:

PDF

Referências


Almeida, M. I. P. (2003). A nação em ‘A Violeta’: um projeto de leitura (Dissertação de Mestrado). IEL/UNICAMP. Campinas-SP.

Almeida, M. (2012). Revistas e jornais: um estudo sobre o Modernismo em Mato Grosso. Cuiabá: Carlini e Caniato Editorial.

Barros, F. G. (2008). Luz e sombras [1917]. Cuiabá: Academia Mato-Grossense de Letras/UNEMAT.

Benjamin, W. (1985). Magia e técnica, arte e política. SP: Brasiliense.

Bhabha, H. (1998). O local da cultura. Trad. Myriam Ávila e outras. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

Bosi, A. (2010). O mesmo e o diferente. In Ideologia e contraideologia. São Paulo: Companhia das Letras.

Canclini, N. G. (2003). Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. Trad. Heloiza Pezza Cintrão, Ana Regina Lessa. São Paulo: Edusp.

Candido, A. (2006). Literatura e subdesenvolvimento. In A educação pela noite (pp. 169-196). Rio de Janeiro: Ouro sobre azul.

Candido, A. (1997). Formação da Literatura Brasileira (Vols. 1 e 2, 8.ª ed.). Belo Horizonte/RJ: Itatiaia.

Carvalho, C. G. (2004). No distante oeste: a primeira crítica teatral no Brasil. Cuiabá: Verdepantanal.

Carvalho, C. G. (2004a). Panorama da Literatura e da cultura em Mato Grosso (2 Vols.). Cuiabá: Verdepantanal.

Galvão, W. (2008). O resgate de Mirko. In F. Bianco Filho, Mirko. Cuiabá-MT: Academia Mato-Grossense de Letras.

Leite, M. C. S. (2005). Literatura, Regionalismo, Identidades: cartografia mato-grossense. In Mapas da Mina: estudos de Literatura em Mato Grosso. Cuiabá: Cathedral Publicações.

Marien, A. (2008 [1944]). Era um poaieiro. Coleção obras raras. Cuiabá: AML.

Mesquita, J. (1945). A escada de Jacó (sonetos). Cuiabá: Escola Industrial Salesiana. Biblioteca Virtual José de Mesquita http://www.jmesquita.brtdata.com.br/bvjmesquita.htm

Mesquita, J. (2008 [1937]). Piedade. Coleção obras raras. Cuiabá-MT: AML.

Mota, O. (2008). Era um poaieiro: um romance de Mato Grosso. In Era um poaieiro. Cuiabá-MT: Academia Mato-Grossense de Letras.

Moura, C. F. (1976). As Artes plásticas em Mato Grosso nos séculos XVIII e XIX. Cuiabá-MT: Edição da Fundação Cultural de Mato Grosso e Museu de Arte e de Cultura Popular da Universidade Federal de Mato Grosso.

Moura, C. F. (1976b). O Teatro em Mato Grosso no século XVIII. Cuiabá-MT: UFMT,

Nadaf, Y. J. (2002). Rodapé das miscelâneas: o folhetim nos jornais de Mato Grosso (séculos XIX e XX). Rio de Janeiro: 7 Letras.

Paes, J. P. (1999). O lugar do outro: ensaios. Rio de Janeiro: Topbooks.

Paz, O. (2003). Signos em rotação. São Paulo: Perspectiva.

Póvoas, L. C. (1982). História da cultura mato-grossense. Cuiabá-MT: Resenha Tributária.

Rama, A. (2001). Regiões, Culturas e Literaturas. In F. Aguiar, & S. Vasconcelos, (Orgs.), Angel Rama: literatura e cultura na América Latina. São Paulo: Edusp.

Rodrigues, A. (2010). O teatro mato-grossense: história, crítica e textos. Cáceres-MT: Abrali Edições/ Ed. UNEMAT.

Rosenfeld, A. (1969). Reflexões sobre o romance. In Texto/Contexto I. São Paulo: Perspectiva.

Santiago, S. (1982). Vale quanto pesa (a ficção brasileira modernista) (pp. 25-40). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Santiago, S. (2000). O entre-lugar do discurso latino-americano. In Uma literatura nos trópicos: ensaios sobre a dependência cultural. Rio de Janeiro: Rocco.

Santos, B. S. (2003). Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade (9ª ed.). São Paulo: Cortez.