Notas sobre gestos insípidos em Mínimos, múltiplos, comuns, de João Gilberto Noll

Luiz Gonzaga Marchezan

Resumo


Os microcontos de Mínimos, múltiplos, comuns, de João Gilberto Noll (2003), reúnem situações em que as personagens – desmemoriadas, letárgicas – se apresentam em condições sombrias, vivendo uma distopia, a vagar num tempo rude e distante, como o tempo bíblico dos primeiros dois volumes do Antigo Testamento.

Palavras-chave


literatura brasileira; conto; hipotexto; intertextualidade

Texto Completo:

PDF

Referências


Campos, A. et al. (2006). Teoria da poesia concreta. Textos críticos e manifestos. 1950/1960. São Paulo, Ateliê.

Carelli, W. (2003). Um painel minimalista da Criação. In J. G. Noll. Mínimos, múltiplos, comuns (pp. 19-22). São Paulo: Francis.

Carelli, W. (2003). Sobre a lógica essencial da edição. In J. G. Noll. Mínimos, múltiplos, comuns (p. 23). São Paulo: Francis.

Decia, P. (1998, 24). João Gilberto Noll estréia hoje coluna “Relâmpagos”. Folha de S Paulo, Ilustrada, Coluna Literatura, 1.

Noll, J. G. (2003). Mínimos, múltiplos, comuns. São Paulo: Francis.