Representações da diáspora cabo-verdiana: a obra de Orlanda Amarílis

Maria do Carmo Cardoso Mendes

Resumo


Orlanda Amarílis, a primeira narradora cabo-verdiana com obra publicada, dedicou a sua produção literária à representação da diáspora do arquipélago, focalizando o ponto de vista feminino. As suas três coletâneas de contos – Cais-do-Sodré té Salamansa (1974), Ilhéu dos Pássaros (1983) e A Casa dos Mastros (1989) – são narrativas centradas na emigração forçada de mulheres cabo-verdianas em contextos colonial e pós-colonial.
Os propósitos deste ensaio são: 1) Identificar os conceitos de viagem e de migração propostos pela narradora nas três coletâneas; 2) Explicitar as suas mais significativas intertextualidades; 3) Demonstrar que os contos de Orlanda Amarílis constituem uma reflexão muito relevante sobre a diáspora cabo-verdiana.

Palavras-chave


Amarílis (Orlanda); diáspora; literatura cabo-verdiana

Texto Completo:

PDF

Referências


Amarílis, O. (1983). Ilhéu dos Pássaros. Lisboa: Plátano Editora.

Amarilis, O. (1989). A Casa dos Mastros. Linda-a-Velha: ALAC.

Amarílis, O. (1991). Cais do Sodré té Salamansa (2ª ed.). Lisboa: ALAC.

Amarílis, O. (1999). Diáspora – exílio. A Mulher Escritora em África e na América Latina (pp. 43-46). Lisboa: NUM.

McNab, G. (1987). Sexual Differences: The Subjection of Women in Two Stories by Orlanda Amarílis. Luso-Brazilian Review, XXIV (1), 59-68.

Pazos Alonso, C. (2005). Race and gender in Orlanda Amarílis’ Cais do Sodré té Salamansa. Lusotopie, XX (1-2), 45-53.